Avaliação do uso variável das vogais pretônicas: estudos preliminares de crenças e atitudes

  • Anna Carolina da Costa Avelheda Universidade Federal do Rio de Janeiro
  • Eliete Figueira Batista da Silveira Universidade Federal do Rio de Janeiro
  • Silvia Carolina Gomes de Souza Universidade Federal do Rio de Janeiro
Palavras-chave: Sociolinguística, Crenças e atitudes linguísticas, Alteamento, Avaliação.

Resumo

A presente pesquisa conjuga os pressupostos da sociolinguística variacionista e a metodologia de análise de crenças e atitudes linguísticas, baseando-se em corpora sociolinguisticamente estratificados de falantes do Rio de Janeiro para analisar o alteamento das vogais médias pretônicas. Primeiramente, focalizamos os casos de especialização semântica. Por meio de um questionário fonético fonológico e de um questionário de percepção, observamos como os usuários da língua produzem os itens cujos sentidos podem influenciar na escolha da variante pretônica. A hipótese é a de que o alteamento tende a ocorrer na expressão de significados menos valorizados (VIEGAS, 1987). No segundo estudo, o teste de atitude compõe-se de três técnicas para observar: (i) na leitura de texto, se o informante realiza o alteamento ao ler determinadas palavras no texto; (ii) na entrevista, a avaliação subjetiva do falante em relação ao fenômeno; e (iii) no questionário, se o julgador é afetado pelo teste de percepção anteriormente realizado. Os resultados de ambos os estudos evidenciam relativa avaliação negativa do uso das variantes alteadas, diferentemente do que mostram os trabalhos que focam exclusivamente os fatores condicionantes.

Downloads

Não há dados estatísticos.

Biografia do Autor

Anna Carolina da Costa Avelheda, Universidade Federal do Rio de Janeiro

Doutoranda em Letras Vernáculas (Língua Portuguesa) pela Universidade Federal do Rio de Janeiro, com Bolsa de Auxílio do CNPq, vinculada à Linha de Pesquisa Língua e Sociedade: Variação e Mudança, do Programa de Pós-Graduação em Letras Vernáculas. 

Eliete Figueira Batista da Silveira, Universidade Federal do Rio de Janeiro
Professora Adjunta do Setor de Língua Portuguesa do Departamento de Letras Vernáculas da Universidade Federal do Rio de Janeiro.
Silvia Carolina Gomes de Souza, Universidade Federal do Rio de Janeiro

Mestranda em Letras Vernáculas (Língua Portuguesa) pela Universidade Federal do Rio de Janeiro, com Bolsa de Auxílio da CAPES, vinculada à Linha de Pesquisa Língua e Sociedade: Variação e Mudança, do Programa de Pós-Graduação em Letras Vernáculas.

Referências

ABRAÇADO, Jussara; KENEDY, Eduardo. Transitividade: traço a traço. Niterói: EdUFF, 2014.

AGUILERA, Vanderci de Andrade. Crenças e Atitudes Linguísticas: quem fala a língua brasileira? In: RONCARATI, Cláudia; ABRAÇADO, Jussara (Org.). Português Brasileiro II: contato linguístico, heterogeneidade e história. Niterói, Rio de Janeiro: EdUFF, 2008,. p. 311-333.

AVELHEDA, Anna Carolina da Costa. O alteamento das vogais médias pretônicas no município de Nova Iguaçu: análises sociolinguística e acústica. Dissertação (Mestrado) – Programa de Pós-Graduação em Letras Vernáculas, Universidade Federal do Rio de Janeiro, Rio de Janeiro, 2013.

BOTASSINI, Jacqueline Ortelan Maia. Crenças e Atitudes Linguísticas: um estudo dos róticos em coda silábica. In: ALTINO, Fabiane (Org.). Múltiplos olhares sobre a Diversidade Linguística: nos caminhos de Vanderci de Andrade Aguilera. Londrina: MidioGraf, 2012.

______. Crenças e Atitudes: um estudo dos róticos em coda silábica no Norte do Paraná. Tese (Doutorado em Estudos da Linguagem) – Centro de Letras e Ciências Humanas. Programa de Pós-Graduação em Estudos da Linguagem, Universidade Estadual de Londrina, Londrina, 2013.

DIAS, Luiz Antônio Xavier. Crenças e Atitudes Linguísticas no uso dos Róticos de Professores e Professorandos de Jacarezinho – PR. Entrepalavras, ano 4, v. 4, n. 2, p. 90-104, jul./dez. 2014.

LABOV, William. Padrões Sociolinguísticos. Tradução de Marcos Bagno, Mª Marta Pereira Scherre e Caroline R. Cardoso. São Paulo: Parábola Editorial, 2008.

LAMBERT, William W.; LAMBERT, Wallace E. Psicologia Social. 4. ed. Tradução de Dante Moreira Leite. Rio de Janeiro: Zahar, 1975.

LÓPEZ MORALES, H. Estratificación sociolectal frente a diglosia em el Caribe Hispánico. L. E. A. V, 1983. p. 205-224.

MACHADO VIEIRA, Marcia dos Santos; ESTEVES, Giselle Aparecida Toledo. Metodologia de avaliação subjetiva de usos linguísticos em variação. In: LOPES, Celia; REICH, Uli. Romania. Variação Linguística em Megalópoles Latino-Americanas, 39. 2009. p. 237-266,.

OLIVEIRA, Marco Antônio de. The neogrammarian controversy revisited. International Journal of the Sociology of Language, v. 89, n. 1, p. 93-105, 1991.

OUSHIRO, Livia. Identidade na Pluralidade: Avaliação, produção e percepção linguística na cidade de São Paulo. Tese (Doutorado em Letras) – Faculdade de Filosofia, Letras e Ciências Humanas, Universidade de São Paulo, 2015.

VIEGAS, Maria do Carmo. Alçamento de vogais pretônicas: uma abordagem sociolinguística. 1987. 231 fl. Dissertação (Mestrado em Linguística) – Faculdade de Letras, Universidade Federal de Minas Gerais, Belo Horizonte. 1987.

______. O alçamento de vogais médias pretônicas e os itens lexicais. 2001. 283 fl. Tese (Doutorado em Estudos Linguísticos) – Faculdade de Letras, Universidade Federal de Minas Gerais, Belo Horizonte, 2001.

WEINREICH, Uriel; LABOV, William; HERZOG, Marvin I. Fundamentos empíricos para uma Teoria da Mudança Linguística. Tradução de Marcos Bagno. São Paulo: Parábola Editorial, 2006.

Publicado
2017-12-27
Como Citar
Avelheda, A. C. da C., da Silveira, E. F. B., & de Souza, S. C. G. (2017). Avaliação do uso variável das vogais pretônicas: estudos preliminares de crenças e atitudes. Letrônica, 10(1), 293-312. https://doi.org/10.15448/1984-4301.2017.1.24929