Afinal, a quem pertence uma carta?

  • Leandro Garcia Rodrigues Pontifícia Universidade Católica do Rio de Janeiro
Palavras-chave: epistolografia, carta, literatura.

Resumo

Cada vez mais, os estudos sobre o Gênero Epistolar, no Brasil, avançam e já deixam a sua marca. Desde 2000, com a publicação do primeiro volume da Coleção Correspondência Mário de Andrade, organizada pelo Instituto de Estudos Brasileiros da USP, a Epistolografia tem recebido uma considerável sistematização nos Estudos Brasileiros. Por esta razão, certas questões e dúvidas vêm surgindo ao longo destas pesquisas. A partir de uma pergunta – a quem pertence uma carta – desenvolvi as principais ideias deste artigo, já que esta dúvida tem permeado consideravelmente o trabalho dos organizadores de Correspondência. A partir de propostas extraídas de algumas cartas e outros textos teóricos, tento entender e debater o destino de uma carta, seu pertencimento – individual ou coletivo? – e problemas legais e morais envolvidos nesta problemática.

Downloads

Não há dados estatísticos.

Biografia do Autor

Leandro Garcia Rodrigues, Pontifícia Universidade Católica do Rio de Janeiro

Pós-Doutor em Letras pela PUC-RJ;

Doutor em Letras pela PUC-RJ;

Mestre em Letras pela PUC-RJ;

Licenciado em Letras pela Univ. Castelo Branco - RJ.

Referências

ANDRADE, Mário de. Cartas a Murilo Miranda. São Paulo: Nova Fronteira, 1981.

ANDRADE, Mário de; ALVARENGA, Oneyda. Cartas. São Paulo: Duas Cidades, 1974.

BAZERMAN, Charles. Letters and the Social Grounding of Differentiated Genres. In: BARTON, D.; HALL, N. (Ed.). Letter Writing as a Social Practice. Amsterdam: John Benjamins Publishing Company, 1999.

BRASIL. Lei 9.610, de 19 de fevereiro de 1998.

CALLIGARIS, Contardo. Verdades de autobiografias e diários íntimos. [texto eletrônico] Disponível em: , 1997.

DIDIER, Béatrice. La correspondance de Flaubert et George Sand. In: Les Amis de George Sand. Paris: Nouvelle Series, 1989.

HAROCHE-BOUZINAC, Geneviève. L’épistolaire. Paris: Hachette, 1995. KAUFMANN, Vincent. L’équivoque épistolaire. Paris: Éditions de Minuit, 1990.

LEJEUNE, Phippe. How do Diaries End? Disponível em: .

LEJEUNE, Phippe. Pour l’Autobiographie. Paris: Seuil, 1998.

MORAES, Marcos Antônio de. Cartas, um gênero híbrido e fascinante. In: Jornal da Tarde, São Paulo, 28 nov. 2000. Caderno de Sábado.

MORAES, Marcos Antônio de (Org.). Correspondência Mário de Andrade e Manuel Bandeira. São Paulo: EDUSP, 2001.

MORAES, Marcos Antônio de (Org.). Mário, Otávio – Cartas de Mário de Andrade a Otávio Dias Leite (1936–1944). São Paulo: IEB-USP/Imprensa Oficial/Oficina do Livro Rubens Borba de Moraes, 2006.

MORAES, Marcos Antônio de. Orgulho de Jamais Aconselhar – A Epistolografia de Mário de Andrade. São Paulo: EDUSP/FAPESP, 2007.

RODRIGUES, Leandro Garcia. Alceu Amoroso Lima – Cultura, Religião e Vida Literária. São Paulo: EDUSP, 2012.

RODRIGUES, Leandro Garcia (Org.). Cartas de Esperança em Tempos de Ditadura – Frei Betto e Leonardo Boff Escrevem a Alceu Amoroso Lima. Petrópolis: Vozes, 2015.

RODRIGUES, Leandro Garcia. Uma Leitura do Modernismo – Cartas de Mário de Andrade a Manuel Bandeira. Dissertação (Mestrado) – Pontifícia Universidade Católica do Rio de Janeiro, Rio de Janeiro, 2003.

SANTIAGO, Silviano. “Suas Cartas, Nossas Cartas”. In: ANDRADE, Carlos Drummond de;

ANDRADE, Mário de. Correspondência Mário de Andrade e Carlos Drummond de Andrade. Rio de Janeiro: Bem Te Vi, 2002.

SÉRRES, Michel. Écrivains, savants et philosophes font le tour du monde. Paris: Le Pommier, 2009.

Publicado
2015-07-15
Como Citar
Rodrigues, L. G. (2015). Afinal, a quem pertence uma carta?. Letrônica, 8(1), 222-231. https://doi.org/10.15448/1984-4301.2015.1.19229