O Argumento do Milagre comete a Falácia da Taxa-base? Apresentação, Estado da Arte e Questões de Formalização

  • Pedro Bravo de Souza UNESP
Palavras-chave: Filosofia das Ciências, Argumento do Milagre, Realismo, Probabilidade, Inferência à Melhor Explicação.

Resumo

Objetivamos discutir a crítica, avançada por Colin Howson em Hume's problem, segundo a qual o argumento do milagre (doravante, AM) comete a falácia da taxa-base. Por falácia da taxa-base, entende-se a negligência do valor da probabilidade prévia de determinada hipótese ou teoria T, P(T). Por sua vez, em uma de suas versões, AM assere que apenas assumindo que uma teoria científica madura T é aproximadamente verdadeira não faz de seu sucesso preditivo um milagre. Formalizado probabilisticamente, Howson argumenta que a conclusão de AM, a probabilidade de que a teoria T seja aproximadamente verdadeira é grande, apenas se segue se assumirmos para T um valor não-negligenciável. Tal crítica de Howson despertou duas categorias de reação na literatura especializada: supondo que AM comete a falácia da taxa base, alguns autores propuseram abandonar AM enquanto um argumento para a tese epistemológica do realismo científico, ao passo que outros defenderam que apenas uma versão de AM comete a falácia da taxa-base; defendendo que AM não comete a falácia da taxa base, certos autores alegaram alguns problemas na formalização probabilística de AM, enquanto outros buscaram refinar tal formalização de modo que a nova evite a falácia em questão. Tendo apresentado esse estado da arte, investigaremos se a formalização probabilística do argumento do milagre é razoável. Discutiremos se ela acomoda a natureza de inferência à melhor explicação pressuposta no AM. Por fim, indicaremos, brevemente, algumas dificuldades para a crítica de Howson ao assumir-se que AM instancia, na verdade, uma abdução Peirceana.

Downloads

Não há dados estatísticos.

Biografia do Autor

Pedro Bravo de Souza, UNESP
Pedro Bravo de Souza é Licenciado e Bacharel em Filosofia pela UNESP - Marília, onde atualmente cursa o mestrado na linha de pesquisa Epistemologia e Lógica. Realizou tanto uma graduação-sanduíche quanto um estágio de pesquisa durante o mestrado na Université Lille 3. Atua, enfim, principalmente nos seguintes temas e áreas: Kurt Gödel, Bayesianismo, Indução, Filosofia das Ciências e Epistemologia.

Referências

CAMPOS, D. On the Distinction between Peirce's Abduction and Lipton's Inference to The Best Explanation. Synthese. vol. 180, n. 3, p. 419-42, 2011.

CASSCELLS, W., SCHOENBERGER, A., GRAYBOYS, T. Interpretation by Physicians of Clinical Laboratory Results. New England Journal of Medicine. vol. 299, p. 999-1001, 1978.

DAWID, R. & HARTMANN, S. The No Miracles Argument without The Base Rate Fallacy. Synthese, Open Access. Último acesso em: 03 de maio de 2018, <https://doi.org/10.1007/s11229-017-1408-x>, 2017.

EASWARAN, K. Bayesianism I: Introduction and Arguments in Favor. Philosophy Compass, vol. 6, n. 5, p. 312-320, 2011.

HANSSON, S.O. Formalisation in Philosophy. Bulletin of Symbolic Logic, vol. 6. n. 2, p. 162 – 175, 2000.

HENDERSON, L. The No-Miracles Argument and The Base Rate Fallacy. Synthese, vol. 194, n. 4, p. 1295–1302, 2017.

HOWSON, C. Hume's Problem: Induction and the Justification of Belief. New York: Oxford University Press, 2000.

_________. Exhuming The No Miracles Argument. Analysis, vol. 73, n.2, p. 205–211, 2013.

IBRI, I. A. Kósmos Noetós: a Arquitetura Metafísica de Charles S. Peirce. São Paulo: Paulus, 2015.

KOLMOGOROV, A. N. Foundations of the Theory of Probability. Tradução de Nathan Morrison. New York: Chelsea Publishing Company, 1950.

LAUDAN, L. A Confutation of Convergent Realism. IN: LEPLIN, J. (Ed.). Scientific realism. Berkeley: University of California Press, 1984, p. 218-49.

LEWIS, P. Why The Pessimistic Induction is a Fallacy. Synthese, vol. 129, p. 371–380, 2001.

LIPTON, P. Inference to The Best Explanation. 2ª ed. London: Routledge, 2004.

MAGNUS, P. D., & CALLENDER, C. Realist Ennui and The Base Rate Fallacy. Philosophy of Science, vol. 71, p. 320–338, 2003.

MENKE, C. Does The Miracles Argument embody a Base Rate Fallacy? Studies in History and Philosophy of Science, vol. 45, p. 103–108, 2014.

MUSGRAVE, A. The Ultimate Argument for Scientific Realism. IN: NOLA, R. (Ed.). Relativism and Realism in Science. Dordrecht: Kluwer Academic

Publishers, 1988.

NEIVA, A. Probabilismo e Bayesianismo em Epistemologia. PERI, v. 07, n. 02, p. 45–69, 2015.

PEIRCE, C. S. Collected Papers of Charles Sanders Peirce, Vols. 1–8. In:

WEISS, P. [et al.] (Eds.). Cambridge: Harvard University Press, 1932 – 1958.

PSILLOS, S. Scientific Realism: How Science Tracks Truth. London: Routledge. 1999.

______. The Fine Structure of Inference to The Best Explanation. Philosophy and Phenomenological Research, vol. 74, n. 2, p. 441-448, 2007.

______. Knowing The Structure of Nature: Essays on Realism and Explanation. New York: Palgrave McMillan, 2009.

______. An Explorer Upon Untrodden Ground: Peirce on Abduction. In: GABBAY, D. & WOODS, J. (Eds.) Handbook of the History of Logic: Volume 10 – Inductive Logic. Elsevier: Amsterdam 2011.

PUTNAM, H. Mathematics, Matter and Method. Cambridge: Cambridge University Press, 1975.

RESCORLA, M. Chrysippus' Dog as a Case Study in Non-Linguistic Cognition. IN: LURZ, R. (ed.). The Philosophy of Animal Minds. New York: Cambridge, 2009, p. 52-71.

______. Bayesian Perceptual Psychology. IN: MATTHEN, M. (Ed.). The Oxford Handbook of the Philosophy of Perception. Oxford: Oxford University Press, 2015, p. 694-716.

SERIÈS, P. Le Cerveau est-il une Machine Bayésienne? IN: DROUET, I. (Dir.). Le Bayésianisme aujourd’hui. Paris: Éditions Matériologiques, 2016.

SILVESTRE, R. S. On The Logical Formalization of Anselm’s Ontological Argument. Revista Brasileira de Filosofia da Religião, vol. 2, n .2, p 142-16, 2015.

SPRENGER, J. The Probabilistic No Miracles Argument. European Journal for Philosophy of Science, vol. 6, p. 173–189, 2016.

VAN FRAASSEN, B.C. The Scientific Image. Oxford: Clarendon Press, 1980.

WEISBERG, J. Varieties of Bayesianism. IN: GABBAY, D.; HARTMANN, S.; WOODS, J. (Eds.). Handbook of the History of Logic, vol. 10, Inductive Logic. Amsterdan: North-Holland, 2011, p. 477–551.

WORRALL, J. Structural Realism: The Best of Both Worlds. Dialectica. vol. 43. n 1-2, p. 99-124, 1989.

Publicado
2018-07-30
Como Citar
de Souza, P. B. (2018). O Argumento do Milagre comete a Falácia da Taxa-base? Apresentação, Estado da Arte e Questões de Formalização. Intuitio, 11(1), 46-64. https://doi.org/10.15448/1983-4012.2018.1.31468