Implicação lógica e material: esclarecendo pequenas confusões comuns

  • Renato Mendes Rocha (UFSC) UFSC, Brasil

Resumo

O objetivo deste artigo é esclarecer a interpretação vero-funcional do conectivo lógico da implicação (material). A importância de tal esclarecimento é que ele permite evitar os supostos paradoxos da implicação material apresentados inicialmente por C. I. Lewis (1918). Sustento que uma compreensão adequada da história e dos propósitos da lógica é suficiente para desfazê-los . A minha defesa baseia-se em uma exposição do composicionalismo proposicional. Para contraponto, apresento também a alternativa de Stalnaker (1968) que procura explicitar o conceito de condicionalidade implícito nas asserções condicionais. Para reforçar o objetivo exponho os doze diferentes significados do termo ‘implicação’ apresentados por Corcoran (1993) a fim de mostrar que uma compreensão adequada deles nos permite evitar ambiguidades e confusões. Por fim, espero mostrar que apesar das alternativas possíveis, o composicionalismo ainda é a melhor explicação à verofuncionalidade dos conectivos.

Downloads

Não há dados estatísticos.

Biografia do Autor

Renato Mendes Rocha (UFSC), UFSC, Brasil

Possui graduação em Filosofia (Bacharelado, 2007) e Mestrado em Filosofia (2010) pela Universidade Federal de Goiás. Atualmente é estudante de Doutorado em Filosofia na Universidade Federal de Santa Catarina. Seu interesse principal é em Lógica e em problemas de Metafísica tal como é abordado por filósofos analíticos, principalmente David Lewis.

 

http://lattes.cnpq.br/2305283470228716

Publicado
2013-11-26
Como Citar
Mendes Rocha (UFSC), R. (2013). Implicação lógica e material: esclarecendo pequenas confusões comuns. Intuitio, 6(2), 239-252. Recuperado de https://revistaseletronicas.pucrs.br/ojs/index.php/intuitio/article/view/15950
Seção
Dossiê