O corporativismo na História e nas Ciências Sociais – uma reflexão crítica partindo do caso português

  • Álvaro Garrido Universidade de Coimbra
Palavras-chave: corporativismo, História, Ciências Sociais, Portugal, Estado Novo

Resumo

Este artigo, ostensivamente teórico, procura uma reflexão crítica sobre as hermenêuticas do corporativismo enquanto fenômeno social dotado de espessura histórica. O debate mobiliza a vasta bibliografia produzida pelas Ciências Sociais a propósito do fenômeno corporativo. Entre os denominadores comuns dessa literatura salienta-se a desvalorização da historicidade das ideias e instituições corporativistas na sua ligação umbilical aos fascismos. Recuperando essa íntima relação, interpretam-se historicamente os principais significados do movimento corporativista da Europa do entre-guerras. Ancorados no lastro histórico dos corporativismos fascistas, propõe-se alguns desafios de interpretação sobre a experiência portuguesa do Estado Novo, cuja longevidade e alto grau de institucionalização sempre despertaram o interesse de historiadores e de outros cientistas sociais.

Downloads

Não há dados estatísticos.

Referências

ADLER, Franklin Hugh. Italian Industrialists from Liberalism to Fascism. The Political Development of the Industrial Bourgeoisie, 1906-1934. New York: Cambridge University Press, 1995.

ALMODÔVAR, António; CARDOSO, José Luís. Corporatism and the Economic Role of Government. In: MEDEMA, Steven G.; BOETTKE, Peter (Eds.). The Role of Government in the History of Economic Thought. Durham-London: Duke University Press, 2005. p. 333-354.

AMARO, António Rafael. A primeira reforma político-administrativa do Estado Novo: a experiência fracassada da divisão do Continente em Províncias (1936-1959). In: GARRIDO, A.; COSTA, L. Freire; DUARTE, L. Miguel (Org.). Economia, Instituições e Império. Estudos em Homenagem a Joaquim Romero Magalhães. Coimbra: Almedina, 2012.

BASTIEN, Carlos; CARDOSO, José Luís. From homo economicus to homo corporativus: A neglected critique of neoclassical economics. The Journal of Socio-Economics, n. 36, p. 120-127, 2007.

BERNARDO, João. Labirintos do Fascismo. Na Encruzilhada da Ordem e da Revolta. Porto: Edições Afrontamento, 2003.

CAPDEVIELLE, Jacques. Modernité du Corporatisme. Paris: Presses de Sciences Po, 2001. CATROGA, Fernando. A Geografia dos Afectos Pátrios. Coimbra: Almedina, 2014.

COTTA, Alain. Le Corporatisme, stade ultime du capitalisme. Paris: Fayard, 2008.

CARDOSO, José Luís Cardoso; MENDONÇA, Pedro. Corporatism and Beyond: an assessment of recente literature. Lisboa: ICS, 2012.

CROUCH, Colin; STREECK, Wolfgang (Eds.). The Diversity of Democracy. Corporatism, Social Order and Political Conflict. Cheltenham: Edward Elgar, 2006.

DE MICHELIS, Giuseppe. La Corporation dans le Monde. Économie Dirigée Internationale. Paris: Les Éditions Denoel et Steele, 1935.

FERNANDES, António Júlio Castro. O Corporativismo Fascista. Lisboa: Editorial Império, 1938.

GAGLIARDI, Alessio. Il corporativismo fascista. Editori Laterza: Roma-Bari, 2010.

GARRIDO, Álvaro. Cooperação e Solidariedade. Uma História da Economia Social. Lisboa: Tinta-da-China, 2016.

______. O Estado Novo e a Campanha do Bacalhau. Lisboa: Círculo de Leitores/Temas & Debates, 2010.

GENTILE, Emilio. Fascismo. Storia e Interpretazione. Bari: Laterza, 2015.

HALL, Peter; SOSKICE, David (Eds.). Varieties of Capitalism. The Institutional Foundations of Comparative Advantage. New York: Oxford University Press, 2003.

KAPLAN, Steven; MINARD, Philippe (Dir.). La France, malade du corporatisme? XVIIIe-XXe siècles. Paris: Éditions Belin, 2004.

LEHMBRUCH, Gerhard, Liberal corporatism and party government. In: SCMITTER, Philippe; LEHMBRUCH Gerhard (Ed.) Trends Towards Corporatist Intermediation. London: Sage, 1979. p. 147-183.

LUCENA, Manuel de. Corporatisme au Portugal, 1933-1974. Essai sur la nature et l`ambiguité du régime salazariste. In: MUSIEDLAK Didier (Dir.). Les Expériences Corporatives dans L’Aire Latine. Berne: Peter Lang, 2010. p. 153-202.

______. A evolução do sistema corporativo português. Lisboa: Perspectivas & Realidades, 1976. 2 v.

______. A herança de duas revoluções: continuidade e rupturas no Portugal postsalazarista. In: COELHO, Mário Baptista (Coord.). Portugal, O Sistema Político e Constitucional, 1974-1987. Lisboa: Instituto de Ciências Sociais, 1989. p. 505-555.

MADUREIRA, Nuno Luís. A Economia dos Interesses. Portugal entre as Guerras. Lisboa: Livros Horizonte, 2002.

MANOILESCO, Mihail. Le siécle du corporatisme: doctrine du corporatisme intégral et pur. Paris: Félix Alcan, 1934.

MILZA, Pierre. Les Fascismes. Paris: Éditions du Seuil, 2001.

MORNATI, Fiorenzo. “Le corporatisme italien vu par les économistes français des années trente”. In: DOCKÈS, Pierre et all (Dir.). Les traditions économiques françaises, 1848-1939. Paris: CNRS Éditions, 2009. p. 728-729.

MOREIRA, Vital. Auto-Regulação Profissional e Administração Pública. Porto, Livraria Almedina, 1997.

OFFERLÉ, Michel. Sociologie des groupes d’intérêt, 2. ed. Paris: Montchrestien, 1998.

PAYNE, Stanley. A History of Fascism. Madison: The University of Wisconsin Press, 1996

Publicado
2016-04-09
Como Citar
Garrido, Álvaro. (2016). O corporativismo na História e nas Ciências Sociais – uma reflexão crítica partindo do caso português. Estudos Ibero-Americanos, 42(2), 387-408. https://doi.org/10.15448/1980-864X.2016.2.22506
Seção
Dossiê: Corporativismo histórico no Brasil e na Europa