A Revolução Húngara de 1956 e a argumentação anticomunista no discurso público no Brasil no tempo da formação da Política Externa Independente

  • Ágnes Judit Szilágyi Universidade Eötvös Loránd
Palavras-chave: Brasil, Hungria, Revolução de 1956, propaganda anticomunista

Resumo

Em fins dos anos 1950 e no início dos anos 1960, a política exterior brasileira estava se adaptando às transformações do sistema internacional. Na longa discussão que se seguiu, havia naturalmente dois polos, o dos que punham argumentos favoráveis, os mais pragmáticos, apoiadores do reestabelecimento dos contatos com o Leste; e os do contra, principalmente os anticomunistas e antissoviéticos implacáveis, que rejeitavam completamente qualquer forma da aproximação entre o Brasil e o Bloco Soviético. Neste último contexto, a Revolução Húngara de 1956 tinha papel importante como exemplo da resistência contra o regime soviético. O nosso estudo pretende analisar fontes impressas (livros e folhetos) e apresentar a memória viva da revolução húngara como um acontecimento heroico, de valor puramente simbólico para o público brasileiro, e como algo útil para a propaganda anticomunista. A Hungria mostra o aspecto de uma nação escravizada, cuja revolução de 1956 se tornou um símbolo da resistência anticomunista.

Downloads

Não há dados estatísticos.

Biografia do Autor

Ágnes Judit Szilágyi, Universidade Eötvös Loránd
Departamento de História Universal Contemporânea, responsável pelas áreas dos países da Península Ibérica e da América Latina

Referências

ALENCASTRE, Amilcar. O Brasil e as relações com o Leste e a U.R.S.S. Rio de Janeiro: Nap, 1959.

______. Osvaldo Aranha; o mundo afro-asiático e a paz. Rio de Janeiro: Nap, 1961.

ARANHA, Oswaldo. Relações diplomáticas com a União Soviética. Revista Brasileira de Política Internacional, Rio de Janeiro, v. 1, n. 2, p. 18-28, 1958.

ARQUIVO pessoal de Oswaldo Aranha – FGV/CPDOC, o catálogo disponível em: . Acesso em: 28. mar. 2015.

BELOCH, Israel; ALVES DE ABREU, Alzira (Coord.). Dicionário histórico biográfico brasileiro 1930-1983. Rio de Janeiro: Forense-Universitária – Finep, 1984.

BOTO, Carlos Pena. A desastrada política exterior do Presidente Jânio Quadros. Petrópolis: Vozes, 1961a.

______. Como se desenvolve a Ofensiva Comunista. Petrópolis: Vozes, 1961b.

______. O que é o comunismo! Petrópolis: Vozes, 1961c.

CORRÊA, Manoel Pio. O mundo em que vivi. 3. ed. Rio de Janeiro: Expressão e Cultura, 1996.

HILTON, Stanley. Oswaldo Aranha: uma biografia. Rio de Janeiro: Objetiva, 1994.

LAMARÃO, Sérgio. Verbete “Boto, Pena”. Arquivos digitais do Centro de Pesquisa e Documentação de História Contemporânea do Brasil (Cpdoc) da Fundação Getúlio Vargas, Rio de Janeiro. Disponível em: . Acesso em: 28 mar. 2015.

MOREIRA, Regina da Luz. Verbete “Aranha, Osvaldo”. Arquivos digitais do Centro de Pesquisa e Documentação de História Contemporânea do Brasil (Cpdoc) da Fundação Getúlio Vargas, Rio de Janeiro. Disponível em: . Acesso em: 28 mar. 2015.

MOTTA, Rodrigo Patto Sá. Em guarda contra o perigo vermelho: o anticomunismo no Brasil (1917-1964). São Paulo: Perspectiva, Fapesp, 2002.

______. João Goulart e a mobilização anticomunista de 1961-64. In: FERREIRA, Marieta de Moraes (Coord.). João Goulart entre a memória e a história. Rio de Janeiro: Editora FGV, 2006. p. 129-147.

MOURA, Gerson. Sucessos e ilusões – Relações internacionais do Brasil durante e após a Segunda Guerra Mundial. Rio de Janeiro: Editora da Fundação Getúlio Vargas, 1991.

ÓNODY, Oliver. Relações comerciais do Brasil com o Bloco Soviético. Revista Brasileira de Política Internacional, Rio de Janeiro, v. 11. p. 38 75, 1960.

PESSOA, Lenildo Tabosa. A revolução popular – operários, estudantes e intelectuais contra o imperialismo. Caruaru: Livraria e Tipografia Estudantil, 1966.

PONGRÁCZ, Attila. A vida e a obra do economista e historiador húngaro Olivér Ónody. Acta Scientiarum Socialium (Historia, Oeconomia, Paedagogia, Philosophia, Sociologia), Kaposvár (Hungria), t. XXIII, p. 63-73, 2006.

SAN TIAGO DANTAS, Francisco Clementino de. Política externa independente. Rio de Janeiro: Civilização Brasileira, 1962.

SPIRY, Zsuzsanna Filomena. Paulo Rónai, um brasileiro made in Hungary. MA diss., Universidade de São Paulo, 2009.

STORRS, Keith Larry. Brazil’s Independent Foreign Policy, 1961-1964. Ithaca: Cornell University, 1973.

SZABO, Ladislao; SEGRILLO, Angelo; AQUINO, Maria Aparecida de; AUBERT, Pedro Gustavo. Hungria 1956 ... e o muro começa a cair. São Paulo: Contexto, 2006.

SZILÁGYI Ágnes Judit. Az “O Estado de Sao Paulo” című újság kommentárjai a magyar ‘56 forradalmi napjaiban. Acta Hispanica - Acta Universitatis Szegediensis de Attila József Nominatae, Szeged (Hungria), t. 12, p. 143-159, 2007.

SZILÁGYI Ágnes Judit; SÁRINGER János. Ifj. Horthy Miklós, a Kormányzó kisebbik fia. Budapest: Holnap Kiadó, 2002.

VIZENTINI, Paulo Fagundes. Relações exteriores do Brasil (1945-1964) – O nacionalismo e a política externa independente. Petrópolis: Vozes, 2004.

______. Relações internacionais do Brasil: de Vargas a Lula. São Paulo: Editora Fundação Perseus Abramo, 2003.

Publicado
2016-02-11
Como Citar
Szilágyi, Ágnes J. (2016). A Revolução Húngara de 1956 e a argumentação anticomunista no discurso público no Brasil no tempo da formação da Política Externa Independente. Estudos Ibero-Americanos, 42(1), 127-141. https://doi.org/10.15448/1980-864X.2016.1.21831
Seção
Dossiê: Pensamentos e práticas políticas conservadoras no século XX