A identidade na vida e a identidade na arte

Um panorama identitário nas obras de Bakhtin

Palavras-chave: Identidade, Alteridade, Círculo de Bakhtin

Resumo

Este trabalho se propôs a investigar possibilidades interpretativas da categoria identidade a partir de pressupostos afins construídos pelo Círculo de Bakhtin, materializados em teorias como cronotopo (2018), alteridade (2011) e corpo (1987). Uma vez na Linguística Aplicada, esta pesquisa considera que os sujeitos estão situados em determinado tempo e espaço e, portanto, produzem práticas discursivas situadas. Assim, a abordagem linguística é fundamental para a construção e compreensão das identidades, porquanto sua matéria-prima é, justamente, a linguagem, seja ela corporificada na vida seja na arte. Desse modo, além das obras bakhtinianas, nos valemos de considerações tecidas por Volóchinov (2019) e Medviédev (2016) que fundamentam a afirmação anterior e justificam a relação entre o mundo da vida e o mundo da arte, uma vez que os estudos de Bakhtin tomam como objeto a literatura e, ainda assim, esses encontram aplicabilidade e materialidade para além do literário. Nesse sentido, evidenciamos primeiro como a identidade se arquiteta a partir das condições materiais fornecidas pelo tempo e pelo espaço, o que o autor denomina cronotopo, e em seguida observamos como as categorias da alteridade e corpo contribuem para formular uma ideia de construção identitária pela linguagem. Enfim, problematizamos como essas questões estão refratadas no mundo da vida e como essa teoria é responsiva a muitas problemáticas contemporâneas. Ao final da análise, ficou evidente que os estudos do Círculo acerca da identidade fornecem a abertura para novas questões e modos de pensar essa categoria. Além disso, partindo desses postulados, torna-se evidente não só a possibilidade de oxigenação da teoria, mas a percepção de sua valiosa atualidade.

Downloads

Não há dados estatísticos.

Biografia do Autor

Juan dos Santos Silva, Universidade Federal do Rio Grande do Norte (UFRN), Natal, RN, Brasil.

Doutorando em Estudos da Linguagem pelo Programa de Pós-Graduação em Estudos da Linguagem da Universidade Federal do Rio Grande do Norte (PPGEL-UFRN), em Natal, RN, Brasil.

Maria da Penha Casado Alves, Universidade Federal do Rio Grande do Norte (UFRN), Natal, RN, Brasil.

Doutora em Comunicação e Semiótica pela Pontifícia Universidade Católica de São Paulo (PUC-SP), em São Paulo, SP, Brasil; professora adjunta da Universidade Federal do Rio Grande do Norte (UFRN), em Natal, RN, Brasil.

Referências

ALTHUSSER, Louis. Aparelhos Ideológicos do Estado: nota sobre aparelhos ideológicos do Estado. Tradução de Joaquim José de Moura Ramos. Rio de Janeiro: Ediçõções Graal, 1985.

BAKHTIN, Mikhail Mikhailovich. Cultura popular na idade média e no renascimento: o contexto de François Rabelais. Tradução de Yara Frateschi Vieira. São Paulo: Hucitec, 1987.

BAKHTIN, Mikhail Mikhailovich. Estética da criação verbal. 6. ed. Tradução de Paulo Bezerra. São Paulo: WMF Martins Fontes, 2011.

BAKHTIN, Mikhail Mikhailovich. Para uma filosofia do ato responsável. Tradução de Valdemir Miotello eCarlos Alberto Faraco. São Carlos: Pedro & João Editores, 2017.

BAKHTIN, Mikhail Mikhailovich. Teoria do romance I: a estilística do romance. Tradução de Paulo Bezerra. São Paulo: Editora 34, 2018.

BAKHTIN, Mikhail Mikhailovich. Teoria do romance II: as formas do tempo e do cronotopo. Tradução de Paulo Bezerra. São Paulo: Editora 34, 2018.

BAKHTIN, Mikhail Mikhailovich. O homem ao espelho: apontamentos dos anos 1940. Tradução de Cecilia Maculan Adum, Marisol Barenco de Mello e Maria Letícia Miranda. São Carlos: Pedro & João Editores, 2019.

CASADO ALVES, Maria da Penha. O cronotopo da sala de aula e os gêneros discursivos. Signótica, Goiânia, v. 24, n. 2, p. 305-322, 2012.

CHAUÍ, Marilena de Souza. Cultura e democracia: o discurso competente e outras falas. [S. l: s.n.], 1997.

MEDVIÉDEV, Pavel Nikolaevich. O método formal nos estudos literários: introdução crítica a uma poética sociológica. Tradução de Sheila Grillo e Ekaterina Vólkova Américo. São Paulo: Contexto, 2012.

PAULA, Luciana. de; LUCIANO, José Antônio Rodrigues. Filosofia da Linguagem Bakhtiniana: concepção verbivocovisual. Revista Diálogos, [S. I.], v. 8, n. 3. set./dez., 2020. Disponível em: https://periodicoscientificos.ufmt.br/ojs/index.php/revdia/article/view/10039 Acesso em: 10 jan. 2021.

PERRONE-MOISÉS, Leyla. Mutações da literatura no século XXI. São Paulo: Companhia das Letras, 2016.

MARX, Karl; ENGELS, Friedrich. A ideologia alemã. Tradução de Rubens Enderle, Né lio Schneider e Luciano Cavini Martorano. Sã o Paulo: Boitempo, 2007.

SANTOS, Milton Almeida dos. Por uma outra globalizaçãção: do pensamento ú nico à consciê ncia universal. Rio de Janeiro: Record, 2002.

VOLÓCHINOV, Valentin Nikoláievitch. A palavra na vida e a palavra na poesia: sobre poética sociológica. Tradução de Sheila Grillo e Ekaterina Vólkova Américo. São Paulo: Editora 34, 2019.

Publicado
2021-12-31
Como Citar
Silva, J. dos S., & Alves, M. da P. C. (2021). A identidade na vida e a identidade na arte: Um panorama identitário nas obras de Bakhtin. Letras De Hoje, 56(3), 497-511. https://doi.org/10.15448/1984-7726.2021.3.40852
Seção
Dossiê: Estudos Bakhtinianos Contemporâneos