A biopolítica em tempos de coronavírus

Uma análise discursiva sobre a campanha do Ministério da Saúde no Brasil

Palavras-chave: Coronavírus, biopolítca, Ministério da Saúde

Resumo

Desde o final de 2019, e ainda em 2020, o mundo vem se deparando com uma crise sanitária de grandes proporções. Falamos da pandemia provocada pela Covid-19. Doença que tem mobilizado a comunidade científica em busca da tão sonhada cura. Para nós linguistas, vale observar como os discursos veiculados pelos órgãos governamentais constituem sentido no que concerne à forma como se estabelece o diálogo com a população. Este processo de discursivização empreendido pelo poder público denomina-se biopolítica – um conceito articulado pelo teórico Michel Foucault, que compreende um conjunto de normas utilizadas para controlar a vida dos sujeitos. À luz da Análise do Discurso, com base em Foucault (1997; 2000; 2009), Charaudeau (2016), e Courtine (2006), o artigo analisa como a biopolítica aparece em dois cartazes publicados no site do Ministério da Saúde no Brasil. Nossas investigações comprovam que há, assim, uma busca pela instauração de um efeito de positividade do governo em ganhar a confiança da população no enfrentamento desta crise sanitária

Downloads

Não há dados estatísticos.

Biografia do Autor

Edjane Gomes de Assis, Universidade Federal da Paraíba (UFPB), João Pessoa, PB, Brasil.

Professora do Departamento de Língua Portuguesa e Linguística (DLPL) da Universidade Federal da Paraíba, Campus I. Possui Mestrado e Doutorado pelo Programa de Pós-Graduação em Letras (PPGL - UFPB). Desenvolve pesquisas em Análise do Discurso francesa com ênfase em textos midiáticos. Semestralmente coordena projetos no âmbito do ensino, pesquisa e extensão voltados para a educação básica na rede pública.

Referências

BRASIL. [Constituição (1988)]. Constituição da República Federativa do Brasil. Brasília, DF: Senado Federal, 1988. Disponível em: https://www.senado.leg.br/atividade/const/con1988/con1988_14.12.2017/art_196_.asp. Acesso em: 20 jul. 2020.

BRASIL. Ministério da Saúde. Governo Federal. Portal do Ministério da Saúde. 2020. Disponível em: https://www.saude.gov.br/campanhas/46452-coronavirus. Acesso em: 16 maio 2020.

CHARAUDEAU, Patrick. A conquista da opinião pública: como o discurso manipula as escolhas políticas. São Paulo: Contexto, 2016.

COURTINE, Jean, Jacque. Metamorfoses do discurso político: derivas da fala pública. São Carlos: Claraluz, 2006.

FELIPE GRANDIN et al. (ed.). Mortes e casos de coronavírus nos estados. G1. São Paulo, ago. 2020. Disponível em: http://especiais.g1.globo.com/bemestar/coronavirus/estados-brasil-mortes-casos-media-movel/. Acesso em: 28 ago. 2020.

FOUCAULT, Michel. Resumo dos Cursos do Collège de France (1970-1982). Rio de Janeiro: Jorge Zahar, 1997.

FOUCAULT, Michel. A ordem do discurso. 6. ed. São Paulo: Edições Loyola, 2000.

FOUCAULT, Michel. Vigiar e punir: nascimento da prisão: 36. ed. Petrópolis: Vozes, 2009.

HERNANDES, Nilton. A mídia e seus truques: o que o jornal, revista, TV, rádio e internet fazem para captar e manter a atenção do público. 2. ed. São Paulo: Contexto, 2017.

ORGANIZAÇÃO DAS NAÇÕES UNIDAS (ONU). Declaração Universal dos Direitos Humanos, 2018. Disponível em: https://nacoesunidas.org/wp-content/uploads/2018/10/DUDH.pdf. Acesso em: 19 maio 2020.

UJVARI, Stefan Cunha. História das epidemias. São Paulo: Contexto, 2020.

VEYNE, Paul. Pão e circo: sociologia histórica de um pluralismo político. Tradução de Lineimar Pereira Martins. 1. ed. São Paulo: Editora da Unesp, 2015.

Publicado
2021-06-11
Como Citar
Gomes de Assis, E. (2021). A biopolítica em tempos de coronavírus: Uma análise discursiva sobre a campanha do Ministério da Saúde no Brasil. Letras De Hoje, 56(1), e39030. https://doi.org/10.15448/1984-7726.2021.1.39030
Seção
Seção: Temática Livre