A escrita descentrada de Carolina Maria de Jesus

Palavras-chave: Descentramento. Hibridismo. Poética de resíduos. Quarto de despejo.

Resumo

Inserida no contexto da globalização, a ficção brasileira contemporânea recebe e processa os influxos da cultura desta etapa mais recente do capitalismo, na qual disseminam-se imagens padronizadas vinculadas à dinâmica do consumo e na qual, dialeticamente, emergem afirmações particularistas em relação a espaço, etnia ou gênero, entre outras marcas identitárias de alteridade. Carolina Maria de Jesus destaca-se nos primórdios desse cenário como autora em todos esses aspectos excêntrica, mas igualmente como produtora de uma escrita que escapa a quaisquer essencialismos, trazendo a marca do hibridismo. O artigo pretende analisar o descentramento que lhe é peculiar como decorrente de um processo de criação conceituado por Raffaella Fernandez (2015) como “poética de resíduos”, que consiste em uma mescla de estilos literários desterritorializados, muitas vezes em atrito e sem síntese possível no interior de Quarto de despejo: diário de uma favelada.

Downloads

Não há dados estatísticos.

Biografia do Autor

Luciana Paiva Coronel, Universidade Federal do Rio Grande, Rio Grande, RS

Doutora. Professora na Universidade Federal do Rio Grande (FURG), Rio Grande, RS, Brasil.

Referências

BOSI, Alfredo. Literatura e resistência. São Paulo: Cia das Letras, 2002.

CANCLINI, Néstor Garcia. Culturas híbridas: estratégias para entrar e sair da modernidade. Tradução de Ana Regina Lessa e Heloísa Pezza Cintrão. 2. ed. São Paulo: Edusp: 1998.

DE CERTEAU, Michel. A invenção do cotidiano: artes de fazer. Trad. Ephrain F. Alves. 3. ed. Petrópolis: Vozes, 1998.

FERNANDEZ, Raffaella. Processo criativo no espólio literário de Carolina Maria de Jesus. Instituto de Estudos da Linguagem da Universidade Estadual de Campinas. Programa de Pós-Graduação em Teoria e História Literária, Campinas, 2015. https://doi.org/10.20396/ccfenf1201831

HALL, Stuart. Da diáspora: identidades e mediações culturais. Que negro é esse na cultura negra? Belo Horizonte: Editora UFMG, 2006. p. 317-330. 36. ??????????

HALL, Stuart. Identidade cultural na pós-modernidade. Rio de Janeiro: DP&A, 2006b.

JESUS, Maria Carolina de. Quarto de despejo. 9. ed. São Paulo: Ática, 2007.

DE CERTEAU, Michel. A invenção do cotidiano: artes de fazer. Trad. Ephrain F Alves. 3. ed. Petrópolis: Vozes, 1998.

LAJOLO, Marisa. A leitora do quarto dos fundos. Leitura: Teoria e prática, Campinas, Mercado Aberto, n. 25, p. 10-18, jun. 1995.

MCLUHAN, Herbert. A Galáxia de Gutenberg. São Paulo: Nacional, 1962.

MENDES, José Manuel. O desafio das identidades. In: SANTOS, Boaventura Souza de. A globalização e as ciências sociais. São Paulo: Cortez, 2002. p. 503-540.

SANTOS, Boaventura Souza de (org.). A globalização e as ciências sociais. São Paulo: Cortez, 2002.

SANTOS, Boaventura de Souza. A gramática do tempo: para uma nova cultura política. 3. ed. São Paulo: Cortez, 2010. (Coleção para um novo senso comum, v. 4). https://doi.org/10.7476/9788578791209.0005

Publicado
2019-12-31
Como Citar
Coronel, L. P. (2019). A escrita descentrada de Carolina Maria de Jesus. Letras De Hoje, 54(4), 459-465. https://doi.org/10.15448/1984-7726.2019.4.33167
Seção
Formas e efeitos do descentramento na ficção contemporânea