O recurso ao diário em A Noite da Espera, de Milton Hatoum: o desenho de um conflito pessoal e de um conflito histórico-político

Palavras-chave: Diário ficcional. Memória traumática. Crise e ruínas. Ditadura civil-militar.

Resumo

O presente artigo visa à análise do recente livro de Milton Hatoum, A Noite da Espera, publicado em 2017 e pertencente à trilogia O Lugar mais Sombrio. Tal análise procura identificar no romance, escrito em forma de diário ficcional, a potencialidade da escrita de si como espaço de autoconhecimento, de autorreflexão e de resistência diante da dupla crise vivida pelo narrador: uma crise de ordem familiar e outra de ordem histórico-política, representada pela ditadura civil-militar brasileira. Ademais, enxergam-se os vestígios e as ruínas como consequentes desse processo crítico, proporcionando entender o diário como a escrita mais pertinente nesse espaço-tempo caótico.

Downloads

Não há dados estatísticos.

Biografia do Autor

Alexandre Luiz Ribeiro da Fonseca Júnior, Universidade Federal de Minas Gerais, Belo Horizonte, MG

Mestrando, Universidade Federal de Minas Gerais, Belo Horizonte, MG, Brasil.

Referências

BLANCHOT, Maurice. O recurso ao “diário”. In: O espaço literário. Rio de Janeiro: Rocco, 1987. p. 19-20.

BOURDIEU, Pierre. A dominação masculina. Trad. Maria Helena Kühner. Rio de Janeiro: Bertrand Brasil, 2002.

CANDIDO, Antonio. Formação da Literatura Brasileira: Momentos Decisivos. Rio de Janeiro/São Paulo: Ouro sobre Azul/FAPESP, 2009.

CURY, Maria Zilda Ferreira. Novas geografias discursivas. Letras de Hoje, Porto Alegre, v. 42, n. 4, p. 7-1, dez. 2007.

FREUD, Sigmund. O estranho. Rio de Janeiro: Imago, 1976, p. 273-318. (Edição standard brasileira das obras psicológicas completas de Sigmund Freud, v. XVII).

GINZBURG, Jaime. O narrador na literatura brasileira contemporânea. Tintas. Quaderni di letterature iberiche e iberoamericane, [s. l.], v. 2, p. 199-221, 2012.

HATOUM, Milton. A Noite da Espera. São Paulo: Companhia das Letras, 2017.

KELLY-LAINÉ, K. Preface in three voices. In: SZEKACSWEISZ, J.; WARD, I. Lost childhood and the language of exile. London: Imago MLPC and The Freud Museum, 2004.

KRISTEVA, Julia. Estrangeiros para nós mesmos. Trad. Maria Carlota Carvalho Gomes. Rio de Janeiro: Rocco, 1994.

LEJEUNE, Philippe. Um diário todo seu. In: NORONHA, Jovita Maria Gerheim (org.). O pacto autobiográfico: de Rousseau à Internet. Trad. Jovita Maria Gerheim Noronha e Maria Inês Coimbra Guedes. Belo Horizonte: Editora UFMG, 2014.

PERLATTO, Fernando. História, literatura e a ditadura brasileira: historiografia e ficções no contexto do cinquentenário do golpe de 1964. Estudos Históricos, Rio de Janeiro, v. 30, n. 62, p. 721-740, set./dez. 2017. https://doi.org/10.1590/s2178-14942017000300011

PIGLIA, Ricardo. Una propuesta para el nuevo milenio. Margens, Belo Horizonte, n. 2, p. 1-3, out. 2001.

ROSA, João Guimarães. Diálogo com Guimarães Rosa. In: Guimarães Rosa: ficção completa v. 1. Rio de Janeiro: Nova Aguilar, 2009, 2 v.

SAID, Edward. Reflexões sobre o exílio e outros ensaios. Trad. Pedro Maia Soares. São Paulo: Companhia das Letras, 2003.

SELIGMANN-SILVA, Márcio. Introdução. In: SAID, Edward. História, memória, literatura: o testemunho na era das catástrofes. Campinas: Editora UNICAMP, 2003. p. 7-44.

VECCHI, Roberto; DALCASTAGNÈ, Regina. Apresentação. Estudos de Literatura Brasileira Contemporânea. Literatura e Ditadura, Brasília, n. 43, p. 11-12, jan./jun. 2014. https://doi.org/10.1590/S2316-40182014000100001

VIEIRA, Nelson H. Fora do Brasil-globalização e deslocamento na literatura brasileira contemporânea: migração transnacional e luto cultural. In: CHIARELLI, Stefania; OLIVEIRA NETO, Godofredo. Falando com estranhos – o estrangeiro e a literatura brasileira. Rio de Janeiro: 7letras, 2016.

Publicado
2019-12-31
Como Citar
Júnior, A. L. R. da F. (2019). O recurso ao diário em A Noite da Espera, de Milton Hatoum: o desenho de um conflito pessoal e de um conflito histórico-político. Letras De Hoje, 54(4), 503-511. https://doi.org/10.15448/1984-7726.2019.4.33038
Seção
Formas e efeitos do descentramento na ficção contemporânea