Migrantes e refugiados: à (a) espera de uma narrativa?

Palavras-chave: refugiados, invisibilidade, representação.

Resumo

O mundo tem presenciado nas últimas décadas o maior fluxo de deslocamentos migratórios de sua história desde a Segunda Guerra Mundial. Não se passa um dia sem que a imprensa nacional ou internacional anuncie o desaparecimento de migrantes pelos oceanos do planeta, o desmantelamento de campos “selvagens” de estrangeiros ou a implementação de novos dispositivos jurídicos de gestão de populações expatriadas. Da invisibilidade do final dos anos 90 à inflação atual de textos, migrantes e refugiados tornaram-se nestas últimas décadas atores inconturnáveis do campo midiático e literário. O presente artigo visa interrogar as formas de representaçã desta nova categorial social na produção literária brasileira contemporânea.

Downloads

Não há dados estatísticos.

Referências

AGIER, M. Gérer les indésirables. Des camps de réfugiés au gouvernement humanitaire. Paris: Flammarion, 2008.

AGIER, M.; MADEIRA, Anne-Virginie. Définir les réfugiés. Paris: Puf, 2017.

DALCASTAGNÈ, Regina. A personagem do romance brasileiro contemporâneo: 1990-2004”. Estudos de Literatura Brasileira Contemporânea, Brasília, n. 26, p. 13-71, jul./dez. 2005a.

FIDALGO, António; CANAVILHAS, João (Org.). Comunicação Digital – 10 anos de Investigação. Coimbra: Edições Minerva, 2013.

KOSE, Osan .Agence française de presse. Disponível em:

https://making-of.afp.com/. Acesso em: 20 nov. 2018.

LE BLANC, G e BRUGERE, F. La fin de l’hospitalité (Lampedusa, Lesbos, Calais…jusqu’où irons-nous?). Paris: Flammarion, 2017.

JULIEN, François. L’écart et l’entre (Leçon Inaugurale de la Chaire sur l’altérité). Paris: Galilée, 2012.

MACE, Marielle. Ma colère veut aller vers plus d’amour de la vie, de la vie collective. In: TOURTE, Elise, Un Philosophe (Revue électronique de philosophie, de littérature et d’art), 27 nov. 2017. Disponível em:

https://unphilosophe.com/2017/11/27/entretien-avec-marielle-mace-ma-colere-veutaller-vers-plus-damour-de-la-vie-de-la-vie-collective-1-2/. Acessível em: 27 nov. 2018.

MURARO, Cauê. Flip: sírio é vaiado por criticar Direitos Humanos e se nega a falar do EI. In: Jornal o Globo, 03/07/2016. Disponível em:

http://g1.globo.com/pop-arte/flip/2016/noticia/2016/07/abul-said-e-vaiado-na-flip-ao-criticar-midiaintelectuais-e-direitos-humanos.html. Acessível em: 20 nov. 2018.

NOUSS, Alexis. La condition de l’exilé (Penser les migrations contemporaines). Paris: Editions de la Maison des sciences de l’homme, 2015.

SARMENTO, Tadeu. O Cometa é um sol que não deu certo. São Paulo: SM, 2017.

WHITOL DE WENDEN, Catherine. Migrations une nouvelle donne. Paris: Editions de la Maison des sciences de l’homme, 2017.

Publicado
2018-12-30
Como Citar
Tonus, J. L. (2018). Migrantes e refugiados: à (a) espera de uma narrativa?. Letras De Hoje, 53(4), 476-483. https://doi.org/10.15448/1984-7726.2018.4.33009
Seção
Entre o Provisório e o Consensual: a Literatura Brasileira Contemporânea