“Eu e meus alunos-cotistas na escola pública”: racismo, ethos discursivo, discurso midiático e produção de subjetividade

Palavras-chave: ethos, racismo, mídia, alunos-cotistas, Cefet/RJ.

Resumo

Nosso objetivo, neste artigo, é propor uma análise discursiva de texto produzido por docente do Cefet/RJ, que deflagrou polêmica nas redes sociais. O depoimento da professora, que viralizou nas redes sociais, sobre experiência com alunos cotistas do Ensino Médio, em um primeiro momento, foi acolhido como um relato emocionado e emocionante, resultado de postura “empática e generosa”. Posteriormente, entretanto, ao ser “republicado”, passou a ser lido como fruto do racismo estruturante que organiza as relações sociais no país e sua autora vista como uma pessoa racista. Com foco na materialidade do discurso e seus efeitos de produção de subjetividade e em uma dada qualidade de real(idade) (ROCHA, 2006), buscamos problematizar sentidos que se constroem na tensão entre discursos racistas e antirracistas na contemporaneidade na construção de um ethos (MAINGUENEAU, 1997, 2006, 2006, 2008) de professora que aponta para uma figura salvadora.

Downloads

Não há dados estatísticos.

Biografia do Autor

Bianca Assis Oliveira de Paula, SME/RJ
Concluiu MESTRADO em Relações Étnico-Raciais pelo Centro Federal de Educação Tecnológica Celso Suckow da Fonseca em 2018. ɠLicenciada em Educação Artística com Habilitação em Artes Plásticas pela UFRJ. Atualmente é professora servidora de Artes na Prefeitura da Cidade do Rio de Janeiro e na Prefeitura Municipal de Macaé.
Fabio Sampaio de Almeida, Cefet/RJ
Concluiu o DOUTORADO em Interdisciplinar de Linguistica Aplicada pela Universidade Federal do Rio de Janeiro em 2014 e MESTRADO em Linguística (Letras) pela Universidade do Estado do Rio de Janeiro em 2008. É graduado em Letras (Habilitação Português Espanhol) pela Universidade do Estado do Rio de Janeiro. Atualmente é professor efetivo do Centro Federal de Educação Tecnológica Celso Suckow da Fonseca, onde atua como professor do Bacharelado em turismo e dos programas stricto sensu em Relações Etnico-Raciais e Filosofia e Ensino.
Maria Cristina Giorgi, Cefet/RJ
Concluiu o DOUTORADO em Estudos da linguagem (Letras) pela Universidade Federal Fluminense em 2012 e MESTRADO em Linguística (Letras) pela Universidade do Estado do Rio de Janeiro em 2005. É graduada em Letras (Habilitação Português Espanhol) pela Universidade do Estado do Rio de Janeiro. Atualmente é professora titular do Centro Federal de Educação Tecnológica Celso Suckow da Fonseca, onde atua como professora do Ensino Médio e Técnico e dos programas stricto sensu em Relações Etnico-Raciais e Filosofia e Ensino.

Referências

BAKHTIN, Mikhail. Estética da criação verbal. São Paulo: Martins Fontes, 2000.

DUCROT, Oswald. O dizer e o dito. Campinas: Pontes, 1987.

FANON, Frantz. Pele negra máscaras brancas. Bahia: Editora Edufba, 2008.

FOUCAULT, Michel. A ordem do discurso. 19. ed. São Paulo: Edições Loyola, 2009.

FOUCAULT, Michel. A arqueologia do saber. Rio de Janeiro: Forense Universitária, 2008.

FOUCAULT, Michel. Em defesa da sociedade: curso no Collège de France (1975-1976). São Paulo: Martins Fontes, 2002.

GUIMARÃES, Antonio Sérgio A.; RIOS, Flavia M. Cotas nas universidades públicas. Afro-Ásia, Salvador, n. 50, p. 251-256, dez. 2014. Disponível em:

http://www.scielo.br/scielo.php?script=sci_arttext&pid=S0002-05912014000200251&lng=en&nrm=iso. Acesso em: 15 maio 2018.

http://dx.doi.org/10.1590/0002-05912014v50ant251

GUIMARÃES, Antonio Sérgio Alfredo. Depois da democracia racial. Tempo soc., São Paulo, v. 18, n. 2, p. 269-287, nov. 2006. Disponível em:

http://www.scielo.br/scielo.php?script=sci_arttext&pid=S0103-20702006000200014&lng=en&nrm=iso. Acesso em: 15 maio 2018.

http://dx.doi.org/10.1590/S0103-20702006000200014

HALL, Stuart. Raça, o significante flutuante. Z Cultural, Revista do Programa Avançado de Cultura Contemporânea, ano VIII, n. 2, 2015.

HALL, Stuart. A identidade cultural na pós-modernidade. Rio de Janeiro: Lamparina, 2014.

HALL, Stuart. Quem precisa da identidade? In: SILVA, Tomaz Tadeu da (Org.). Identidade e diferença. A perspectiva dos Estudos Culturais. Petrópolis: Vozes, 2009. p. 103-133.

HALL, Stuart. Da Diáspora. Identidades e Mediações Culturais. Organização Liv Sovik. Belo Horizonte: Editora da UFMG, 2003.

KOMESU, Fabiana. Entre o público e o privado: um jogo enunciativo na constituição do escrevente de blogs da Internet. 271p. Tese (Doutorado em Linguística) – Instituto de Estudos da Linguagem, Universidade Estadual de Campinas, Campinas, 2005.

MAINGUENEAU, Dominique. Análise de textos de comunicação. 6. ed. ampl. São Paulo: Cortez, 2013.

MAINGUENEAU, Dominique. Gênese dos discursos. São Paulo: Parábola Editorial, 2008.

MAINGUENEAU, Dominique. Cenas da enunciação. Curitiba: Criar Edições, 2006.

MAINGUENEAU, Dominique. Ethos, cenografia, incorporação. In: AMOSSY, R. (Org.). Imagens de Si no Discurso: a construção do ethos. São Paulo: Contexto, 2005.

MAINGUENEAU, Dominique. Novas tendências em análise do discurso. 3. ed. Campinas, São Paulo: Pontes; Editora da UNICAMP, 1997.

MBEMBE, Achile. Crítica da Razão Negra. Lisboa: Antígona, 2014.

MOITA LOPES, Luiz Paulo da. Linguística Aplicada como lugar de construir verdades contingentes: sexualidades, ética e política. Gragoatá, n. 27, p. 33-50, 2º sem. 2009. Disponível em:

http://www.uff.br/revistagragoata/revistas/gragoata27web.pdf. Acesso em: 25 mar. 2018.

MOITA LOPES, Luiz Paulo da (Org.). Por uma linguística aplicada indisciplinar. São Paulo: Parábola Editorial, 2006.

MUNANGA, Kabengele. Políticas de ação afirmativa em benefício da população negra no Brasil: um ponto de vista em defesa de cotas. Sociedade e Cultura, v. 4, p. 31-43, jul.-dez. 2001. Disponível em:

http://www.redalyc.org/articulo.oa?id=70311216002. Acesso em: 25 mar. 2018.

PASSOS, Ana Helena Itamar; MIRANDA, Cláudia. Estudos críticos da branquitude e educação afrocentrada: novos aportes para uma educação antirracista. Anais do XI Congresso Luso Afro-brasileiro de Ciências Sociais. Salvador, UFBA, 2011.

PIOVESAN, Flávia. Ações afirmativas no brasil: desafios e perspectivas. Estudos Feministas, v. 16, n. 3, p. 887-896, set.-dez. 2008.

SANTOS, Adilson Pereira dos. Itinerário das ações afirmativas no ensino superior público brasileiro: dos ecos de Durban à Lei das Cotas. Revista de C. Humanas, Viçosa, v. 12, n. 2, p. 289-317, jul.-dez. 2012.

ROCHA, Décio. Representação e intervenção: produção de subjetividade na linguagem. Gragoatá (UFF), v. 21, p. 355-372, 2006.

SOVIK, Liv. Aqui ninguém é branco: hegemonia branca e media no Brasil. In: WARE, Vron (Org.). Branquidade: identidade branca e multiculturalismo. Rio de janeiro: Garamond, 2004, p. 363-386.

Publicado
2018-12-30
Como Citar
Assis Oliveira de Paula, B., Sampaio de Almeida, F., & Giorgi, M. C. (2018). “Eu e meus alunos-cotistas na escola pública”: racismo, ethos discursivo, discurso midiático e produção de subjetividade. Letras De Hoje, 53(3), 393-402. https://doi.org/10.15448/1984-7726.2018.3.30988
Seção
Ethos Discursivo: Alcance, Desafios e Potencialidades