Entre luz e sombra: o poema em prosa e a resistência do lirismo

  • João Tavares Bastos Universidade Federal do Rio de Janeiro
Palavras-chave: Poema em Prosa, Literatura Comparada, Teoria Literária, Baudelaire

Resumo

O poema em prosa estabelece um jogo de luz e sombra entre saber e não-saber. Sua natureza híbrida e sem raízes clássicas favorece o uso equânime de razão e sensibilidade, permitindo que esse gênero eminentemente moderno figure como uma interseção nas trajetórias do ensaio, do romance e do poema versificado. Sua origem, motivos e possibilidades constituem os principais objetos de interesse do presente ensaio.

 

************************************************************************************************************************************************************************************************************

 

Between light and shadow: the prose poem and the resistance of lyricism

Abstract: The prose poem establishes a game of light and shadow between knowing and not-knowing. Its hybrid nature and lack of classical roots favor the equitable use of reason and sensitivity, allowing this eminently modern genre to figure as an intersection in the trajectories of the essay, the romance and the versified poem. Its origin, reasons and possibilities are the main objects of= interest of this article.

Keywords: Prose Poem; Comparative Literature; Literary Theory; Baudelaire 

 

Downloads

Não há dados estatísticos.

Biografia do Autor

João Tavares Bastos, Universidade Federal do Rio de Janeiro
doutorando em Literatura Comparada pela UFRJ

Referências

BAUDELAIRE, Charles. OEuvres complètes. Paris: Robert Laffont, 1980.

BAUDELAIRE, Charles. As flores do mal. Rio de Janeiro: Nova Fronteira, 1985.

BAUDELAIRE, Charles. O poema do haxixe. Rio de Janeiro: Newton Compton, 1996.

BAUDELAIRE, Charles. Um comedor de ópio. Rio de Janeiro: Newton Compton, 1992.

BAUDELAIRE, Charles. A modernidade de Baudelaire. São Paulo: Paz e Terra, 1988.

BENJAMIN, Walter. Charles Baudelaire: um lírico no auge do capitalismo. São Paulo: Brasiliense, 1991.

KANT, Immanuel. Crítica da faculdade do juízo. Rio de Janeiro: Forense Universitária, 1995.

LUKÁCS, Georg. A teoria do romance. São Paulo: Duas Cidades; Editora 34, 2000.

LUKÁCS, Georg. Sobre a essência e a forma do ensaio: uma carta a Leo Popper. Revista da UFG, Goiânia, n. 10, jun. 2008.

MONTAIGNE, Michel de. Os ensaios: uma seleção. São Paulo: Companhia das Letras, 2010.

OEHLER, Dolf. Quadros parisienses (1830-1848): estética antiburguesa em Baudelaire, Daumier e Heine. São Paulo: Companhia das Letras, 1997.

PLATÃO. O banquete. Porto Alegre: L&PM, 2009.

PROUST, Marcel. No caminho de Swann. Rio de Janeiro: Globo, 1987.

RANCIÈRE, Jacques. A partilha do sensível: estética e política. São Paulo: Editora 34, 2012.

RIMBAUD, Arthur. Alquimia do verbo. Uma temporada no inferno e Iluminações. Rio de Janeiro: Francisco Alves, 1985. p. 66.

RIMBAUD, Arthur. Aurora. Uma temporada no inferno e Iluminações. Rio de Janeiro: Francisco Alves, 1985. p. 112.

SARTRE, Jean-Paul. Que é a literatura? São Paulo: Ática, 2006.

SARTRE, Jean-Paul. Baudelaire. Paris: Gallimard, 1947.

SCHILLER, Friedrich. A educação estética do homem. São Paulo: Iluminuras, 2013.

VADÉ, Yves. Le poème en prose et ses territoires. Paris: BelinSup, 1996.

Publicado
2015-12-04
Como Citar
Bastos, J. T. (2015). Entre luz e sombra: o poema em prosa e a resistência do lirismo. Letras De Hoje, 50(3), 371-378. https://doi.org/10.15448/1984-7726.2015.3.19741