A Linguagem como trabalho: reflexões iniciais sobre a alienação linguística

  • Vitor Vieira Ferreira Universidade Federal do Rio de Janeiro
  • Luiz Barros Montez Universidade Federal do Rio de Janeiro
Palavras-chave: Trabalho, Linguagem, Alienação, Ideologia,

Resumo

O presente artigo situa as produções linguísticas dentro da categoria de trabalho, conforme Karl Marx apresenta em seus escritos. A linguagem, neste sentido, é vista como uma forma de trabalho em seus dois aspectos fundamentais: tanto como realização ontológica humana quanto como forma de alienação, entendida esta última também a partir dos textos de Marx. A esta forma de alienação, vinculam-se estreitamente os conceitos de ideologia e hegemonia, sobre os quais também apresentaremos algumas reflexões. Também nesse sentido, evidenciaremos algumas estratégias discursivas que constituem formas linguísticas alienadas. Reafirmamos assim a relevância dos estudos do discurso que se debruçam sobre a análise destas estratégias e de suas realizações materiais, que, por sua vez, engendram práticas sociais, legitimando e reproduzindo distintas formas de dominação. ******************************************************** Language as work: initial thoughts about the linguistic alienation The present article sets the linguistic productions into the category of work according to Marx’s writings. Therefore, the language is seen as a form of work in its two fundamental aspects: both an ontological realization of the human being and a form of alienation, understanding this last one in a Marxist view. To this form of alienation is closely associated the concept of ideology and hegemony, about what we will present some reflexions. Moreover, we list several discursive strategies that contribute to the alienating characteristics the language may have. Finally, we reaffirm the relevance of the discourse studies as a form of analysis of these strategies and their material realizations, which engender social practices by legitimating and reproducing different forms of domination. Keywords: Work; Language; Alienation; Ideology;

Downloads

Não há dados estatísticos.

Biografia do Autor

Vitor Vieira Ferreira, Universidade Federal do Rio de Janeiro
Graduado em Português/Alemão pela Faculdade de Letras da UFRJ, atualmente é Mestrando no Programa Interdisciplinar de Pós-Graduação em Linguística Aplicada da Universidade Federal do Rio de Janeiro e membro do Grupo de Pesquisa Linguagem e Discursos da História (LIEDH), tendo como principal área de estudos a literatura de Ficção Científica e as relações entre ciência, tecnologia, sociedade e contemporaneidade.
Luiz Barros Montez, Universidade Federal do Rio de Janeiro
Professor Associado 1 da Faculdade de Letras da UFRJ, possui Graduação em Português Alemão pela Universidade Federal do Rio de Janeiro (1986), Atualização em Língua e Literatura Alemã pela Universidade de Freiburg (Alemanha), Mestrado em Língua e Literatura Alemã pela Universidade Federal do Rio de Janeiro (1992), Doutorado em Letras (Língua e Literatura Alemã) pela Universidade de São Paulo (1999) e Pós-Doutorado na Universidade de Viena (2009-2010). Tradutor, tem experiência na área de Análise de Discurso, com ênfase na Língua e nas Culturas de Língua Alemã, particularmente em sua interseção com a História. Coordena o Grupo de Pesquisa LIEDH - Linguagem e Discursos da História, credenciado junto à Fundação Biblioteca Nacional. 

Referências

ALTHUSSER, Louis. Aparelhos ideológicos de Estado. Tradução Walter José Evangelista e Maria Laura Viveiros de Castro. 10. ed. Rio de Janeiro: Graal, 2007.

BAKHTIN, Mikhail. Marxismo e filosofia da linguagem: problemas fundamentais do método sociológico na ciência da linguagem. Tradução Michel Lahud e Yara Frateschi Vieira São Paulo: Hucitec, 2009.

CHOMSKY, Noam. Reflexões sobre a linguagem. Tradução Carlos Vogt, Cláudia Tereza Guimarães de Lemos, Maria Bernadete Abaurre Cnerre, Clarice Sabóia Madureira e Vera Lúcia Maia de Oliveira. São Paulo: Cultrix, 1980.

CORBALLIS, Michael C. The lopsided ape: evolution of the generative mind. New York: Oxford University Press, 1991.

DANTAS, Rodrigo. Ideologia, hegemonia e contra-hegemonia. In: COUTINHO, Eduardo Granja (Org.). Comunicação e contra-hegemonia. Rio de Janeiro: Editora UFRJ, 2008.

DÍAZ-SALAZAR, Rafael. El proyecto de Gramsci. Barcelona: Anthropos; Madrid: Hoac, 1991.

ENGELS, Friedrich. Quota-parte do trabalho na hominização do macaco. Tradução José Barata-Moura. In: MARX, Karl; ENGELS, Friedrich. Obras Escolhidas em três tomos. Lisboa: Edições “Avante!”, 1985. Tomo III, p. 71-83.

FAIRCLOUGH, Norman. Discurso e mudança social. Tradução Izabel Magalhães. Brasília: Editora UNB, 2001.

FAIRCLOUGH, Norman. Analysing discourse. London: Routledge, 2003.

FARACO, Carlos Alberto. Linguagem e Diálogo – as ideias linguísticas do círculo de Bakhtin. Curitiba: Criar edições,

GRAMSCI, Antonio. Cadernos do cárcere. Tradução Carlos Nelson Coutinho. Rio de Janeiro: Civilização Brasileira, 2001. Vol. 2.

JOBIM E SOUZA, Solange. Infância e linguagem. Campinas, SP:

Papirus, 1994.

LUKÁ CS, Gyö rgy. O jovem Marx e outros escritos de

filosofia. Tradução Carlos Nelson Coutinho. Rio de Janeiro: UFRJ, 2009.

MARX, Karl. O capital: crítica da economia política. Tradução Regis Barbosa e Flávio R. Kothe. Sã o Paulo: Nova Cultural, 1996.

MARX, Karl. Manuscritos econômico-filosóficos. Tradução Jesus Ranieri. São Paulo: Boitempo, 2004.

MARX, Karl; ENGELS, Friedrich. A ideologia alemã. Tradução Luis Claudio de Castro e Costa. São Paulo: Martins Fontes, 2001.

MELLO, Suelly Amaral. Linguagem e alienação da consciência. Alfa, São Paulo, v. 41, p. 109-131, 1997.

OLLMAN, Bertell. Alienation: Marx’s conception of man in capitalist society. 2. ed. Cambridge; New York: Cambridge University Press, 1976.

RAJAGOPALAN, Kanavillil. Por uma linguística crítica: linguagem, identidade e a questã o é tica. Sã o Paulo: Pará bola, 2003.

RESENDE, Viviane de Melo; RAMALHO, Viviane. Análise de discurso crítica. São Paulo: Contexto, 2006.

ROSSI-LANDI, Ferruccio. A linguagem como trabalho e como mercado. Tradução Aurora Fornoni Bernardini. São Paulo: Difel, 1985.

ROSSI-LANDI, Ferruccio. Uma abordagem da ideologia. Discurso – Revista do Departamento de Filosofia da FFLCH da USP, São Paulo, v. 16, p. 131-144, 1987.

SALLET, J. et al. Social network size affects neural circuits in macaques. Science, v. 334, n. 6056, p. 697-700, nov. 2011.

SANTOS DA LUZ, Ricardo; BAVARESCO, Agemir. Trabalho alienado em Marx e novas configurações do trabalho. Princípios, Natal, v. 17, n. 27, p. 137-165, jan.-jun. 2010.

SAUSSURE, Ferdinand de. Curso de linguística geral. Tradução Antônio Chelini, José Paulo Paes e Izidoro Blikstein. São Paulo: Cultrix, 2006.

THOMPSON, John Brookshire. Ideología y cultura moderna – teoría crítica social en la era de la comunicación de masas. Mé xico, D.F: Universidad Autó noma Metropolitana, Unidad Xochimilco, Divisió n de Ciencias Sociales y Humanidades, 2006.

VYGOTSKY, Lev Semenovitch. Pensamento e linguagem. Tradução Jefferson Luiz Camargo. São Paulo: Martins Fontes, 2005.

Publicado
2014-10-21
Como Citar
Vieira Ferreira, V., & Barros Montez, L. (2014). A Linguagem como trabalho: reflexões iniciais sobre a alienação linguística. Letras De Hoje, 49(3), 356-365. https://doi.org/10.15448/1984-7726.2014.3.15988
Seção
Linguagem e trabalho: diálogos entre estudos discursivos e ergológicos