De Madame Bovary ao Primo Basílio: a singularidade bovarista de Luísa

  • António Apolinário Lourenço Universidade de Coimbra
Palavras-chave: Bovarismo, Gustave Flaubert, Eça de Queirós, Madame Bovary, O primo Basílio

Resumo

Publicado em 1856 na Revue de Paris e no ano seguinte editado em volume, Madame Bovary instituir-se-ia, nas décadas seguintes, como modelo narrativo do romance naturalista. Claramente inspirado no livro de Flaubert, tanto no que respeita à estrutura narrativa como à tematização do adultério feminino, O primo Basílio não é, no entanto, uma imitação servil da obra-prima do mestre francês, pois Eça de Queirós consegue construir ficcionalmente no seu romance um mundo possível que o leitor facilmente identifica, tanto geográfica como socialmente, com a capital portuguesa. Recebido pela crítica coeva, tanto em Portugal como no Brasil, com um misto de entusiasmo estético e repulsa moral, o livro de Eça distingue-se também de outras obras suas contemporâneas com tema semelhante pela inusitada sensualidade da sua protagonista feminina, Luísa.

Downloads

Não há dados estatísticos.
Como Citar
Lourenço, A. A. (2012). De Madame Bovary ao Primo Basílio: a singularidade bovarista de Luísa. Letras De Hoje, 47(4), 413-419. Recuperado de https://revistaseletronicas.pucrs.br/ojs/index.php/fale/article/view/12776
Seção
Brasil e Portugal