Entre a tradição e a ruptura: o movimento de vanguarda na Nicarágua

  • Fred Maciel Programa de Pós-Graduação em História da Faculdade de Ciências Humanas e Sociais - Universidade Estadual Paulista “Júlio de Mesquita Filho” (FCHS-Unesp/campus Franca)
Palavras-chave: movimento vanguardista, Nicarágua, cultura nicaraguense

Resumo

O presente artigo visa apresentar as principais características do movimento vanguardista ocorrido na Nicarágua. Organizado no fim da década de 1920 por jovens poetas da cidade de Granada, tinha como alicerces a defesa de uma cultura nacional e a oposição estética ao modernismo. A passagem no grupo de uma concepção literária para a ação sócio-política teve relevância na construção cultural nicaraguense. Os intelectuais vanguardistas foram significativos na elaboração do elemento nacional, bem como parte marcante da história do país, e buscaremos elucidar tal importância no decorrer do texto.

Downloads

Não há dados estatísticos.

Biografia do Autor

Fred Maciel, Programa de Pós-Graduação em História da Faculdade de Ciências Humanas e Sociais - Universidade Estadual Paulista “Júlio de Mesquita Filho” (FCHS-Unesp/campus Franca)
Doutorando em História pela Faculdade de Ciências Humanas e Sociais da Universidade Estadual Paulista "Júlio de Mesquita Filho" - Unesp/campus Franca. Membro do Grupo de Estudos de Defesa e Segurança Internacional (GEDES) e do Grupo de Pesquisa Intelectuais e Política nas Américas (IPA).
Publicado
2017-10-31
Como Citar
Maciel, F. (2017). Entre a tradição e a ruptura: o movimento de vanguarda na Nicarágua. Conversas & Controvérsias, 4(1), 82-104. Recuperado de https://revistaseletronicas.pucrs.br/ojs/index.php/conversasecontroversias/article/view/26708
Seção
Dossiê - Velhas e Novas Elites na América Latina