A textura da justiça: sobre os limites do procedimentalismo contemporâneo

  • Axel Honneth
Palavras-chave: Reconhecimento, Teoria da justiça, Procedimentalismo, Filosofia política

Resumo

O texto tenta, num primeiro passo, mostrar que a textura intrínseca da justiça não consiste em bens distribuíveis, mas em relações sociais comumente aceitas que são constituídas por práticas perpassadas de conteúdo moral. Nessas práticas podem ser encontradas aquelas que definem o que significa tratar uma outra pessoa de forma razoável ou justa. Se este ponto de partida é convincente, então algumas consequências metodológicas sobre o conceito de justiça tem que ser tiradas e que são apresentados na segunda etapa: ao invés de construir um procedimento normativo que nos permite deduzir o conteúdo de justiça, temos de começar pela reconstrução das práticas sociais que nos informam sobre o respeito à justiça. O resultado será, tal como indicado em uma terceira etapa, a pluralização do nosso conceito de justiça, que inclui tanto princípios relevantes da justiça como há formas de relações sociais geralmente aceitas e apreciadas.

Downloads

Não há dados estatísticos.
Publicado
2009-12-20
Como Citar
Honneth, A. (2009). A textura da justiça: sobre os limites do procedimentalismo contemporâneo. Civitas - Revista De Ciências Sociais, 9(3), 345-368. https://doi.org/10.15448/1984-7289.2009.3.6896