O caráter festivo da ciberarte

  • Leila Amaral Luz UFJF
Palavras-chave: Ciberarte, Interatividade, Festa

Resumo

Partindo de uma das mais notáveis características da ciberarte, a “interatividade”, em um contexto de hibridização generalizada dos procedimentos e dispositivos tecnológicos disponíveis na atual era hipertecnológica, o presente artigo colocará em destaque a dimensão do festivo no âmbito das práticas artísticas contemporâneas, especialmente em sua vertente tecnológica e digital. A fim de considerar tanto o seu aspecto “criacionista” quanto o “reflexionista”, a interpretação proposta partirá das questões apresentadas pela teoria antropológica clássica sobre festa: O que estabelece a comunidade na ciberarte? Que tipo de comunidade aí se estabelece e o que se sacrifica na arte digital ou cibernética? Estas questões estarão articuladas com a discussão proposta por Hans-Georg Gadamer e Richard Schechner sobre a tarefa de construção do jogo reflexivo presente na obra de arte como tal, para apresentar, gradativamente, no decorrer do artigo, a peculiaridade da experiência do festivo nas artes computacionais ou numéricas.

Downloads

Não há dados estatísticos.

Biografia do Autor

Leila Amaral Luz, UFJF
Professor Convidado do Programa de Pós Graduação em Ciência da Religião - área Ciências Sociais da Religião - Antropologia
Publicado
2009-12-10
Como Citar
Luz, L. A. (2009). O caráter festivo da ciberarte. Civitas - Revista De Ciências Sociais, 9(2), 209-223. https://doi.org/10.15448/1984-7289.2009.2.4962