Na encruzilhada entre “emancipação” e dominação: a narrativa ambientalista global e as políticas desenvolvimentistas de África

Palavras-chave: Desenvolvimento. Narrativa ambientalista global. África.

Resumo

O artigo se propõe a compreender a construção da narrativa ambientalista global e o lugar que o continente africano nela ocupa. Para o efeito, analisa documentos produzidos pelas Nações Unidas e União Africana, entre 1972 e 2002, e que versam sobre a questão do desenvolvimento, natureza e meio ambiente.  Os resultados da análise indicam que a dita narrativa obrigava os países a incorporarem a dimensão ambiental em suas políticas desenvolvimentistas. Dada a situação de pobreza dominante em África, contudo, o continente era encarado como incapaz de preservar a natureza, ao que deveria estar sob a tutela de países do norte-global. Sugeria-se que estes, por via da expansão de seu capital econômico e assistencialismo técnico, seriam capazes de eliminar a pobreza dos africanos e, consequentemente, os impediriam de agredir a natureza. Esta situação, contudo, conflitava com a agenda desenvolvimentista africana iniciada no pós-independência, e que via na exploração da natureza o caminho pelo qual alcançaria a sua emancipação econômica.

Downloads

Não há dados estatísticos.

Biografia do Autor

André Victorino Mindoso, Universidade Rovuma (UniRovuma), Nampula.

Doutor em Sociologia pela Universidade Federal do Paraná (UFPR), Curitiba, PR, Brasil. Docente de Sociologia na Faculdade de Letras e Ciências Sociais da Universidade Rovuma (UniRovuma), Nampula, Moçambique.

Referências

Acslard, Henri. 2002. Justiça ambiental e construção social do risco. Desenvolvimento e Meio Ambiente 5: 49-60. https://doi.org/10.5380/dma.v5i0.22116.

Bertrand, M. L’Onu. 2004. Paris: La Découverte.

Brautigam, Deborah. 2009. The dragon gift: the real story of China in Africa. New York: Oxford University Press.

Cabral, Amílcar. 1980. A cultura nacional. In Amílcar Cabral, organizado por Carlos Comitini, 53-93. Rio de Janeiro: Codecri.

Dijk, Meine Pieter V. 2009. The new presence of China in Africa. Amsterdan: University Press.

Dos Santos, Theotonio. 2011. Imperialismo y dependencia. Caracas: Biblioteca Ayacucho.

Escobar, Arturo. 2004. Beyond the third world: imperial globality, global colonility and anti-globalisation social movements. Third World Quarterly 25 (1): 207-230. https://doi.org/10.1080/0143659042000185417.

Giddens, Anthony. 2008. Sociologia. Lisboa: Galouste Gulbenkian.

Giddens, Anthony. 2009. The politics of climate change. Cambridge: Polity Press.

Hannigan, John. 2006. Environmental sociology. 2 ed. London: Routledge. https://doi.org/10.4324/9780203001806.

Hollander, Jack. 2003. The real environmental crisis: why poverty, not affluence, is the environment’s number one enemy. Berkeley: University of California Press.

Hovet Jr., Thomas. 1964. The role of Africa in the United Nations. The Annals of the American Academy of Political and Social Science 354 n. 1: 122-134. https://doi.org/10.1177/000271626435400114.

Johnson, Steve. 2004. The Tchumo Tchato project in Mozambique: community-based natural resource management in transition. In Rights, resources and rural development: community-based natural resource management in Southern Africa, editado por Christo Fabricius, Eddie Koch, Stephen Turner e Hector Magome, 210-222. London: Earthscan.

Leff, Enrique. 2006. Racionalidade ambiental: a reapropriação social da natureza. Rio de Janeiro: Civilização Brasileira.

Meneses, Maria. P. G. 1999. A natureza, a biodiversidade e o conhecimento local: qual o papel dos cientistas sociais? Estudos Moçambicanos 17: 257-276.

Mondlane, Eduardo. 1995. Lutar por Moçambique. Maputo: Centro de Estudos Africanos.

Monteiro, Armindo. 1939. Portugal in Africa. Journal of the Royal African Society 38 (151): 259-272. https://doi.org/10.1093/oxfordjournals.afraf.a101200.

Moreira, Adriano. 1961. Política de integração. Lisboa: Bertrand.

Moreira, Adriano. 1956. Política ultramarina. Lisboa: Junta de Investigação do Ultramar.

Nayyar, Deepak. 2013. A corrida pelo crescimento: países em desenvolvimento na economia global. Rio de Janeiro: Contraponto.

Nyerere, Julius. 1968. Ujamaa: essays on socialism. Dar-Es-Salam: Oxford University Press.

Vossole, J. V. 2013. A crise de legitimidade da governança climática global: combinação de uma perspectiva marxista e polanyiana. Revista Crítica de Ciências Sociais 100: 153-176. https://doi.org/10.4000/rccs.5275.

Publicado
2020-07-17
Como Citar
Mindoso, A. V. (2020). Na encruzilhada entre “emancipação” e dominação: a narrativa ambientalista global e as políticas desenvolvimentistas de África. Civitas - Revista De Ciências Sociais, 20(2), 144-153. https://doi.org/10.15448/1984-7289.2020.2.32072