Da insustentabilidade do desenvolvimento: os discursos da produção de “vazios” no âmbito de um programa de cooperação internacional

Palavras-chave: Desenvolvimento. Insustentabilidade. Vazio. Análise do Discurso. ProSavana. Moçambique.

Resumo

Este texto tem como tema central os discursos sobre desenvolvimento que circundam o Programa de Cooperação Tripartida para o Desenvolvimento Agrícola da Savana Tropical em Moçambique – ProSavana, projeto de cooperação conjunta dos governos brasileiro, japonês e moçambicano. O objetivo é interpretar como a ideia de “vazio” é produzida e reforçada no material de divulgação oficial do programa, assim como em seu Plano Diretor. Subsidiariamente, algumas entrevistas com interlocutoreschave também foram utilizadas. A reflexão mobiliza o referencial teórico-metodológico da análise do discurso de matriz francesa em diálogo com perspectivas críticas do desenvolvimento. A análise aponta para (re)produção de uma ideia de que a savana moçambicana seria um “lugar vazio”, desabitado e à espera do desenvolvimento, a despeito dos sujeitos que lá estão e de suas formas próprias de existência no mundo. Ademais, ainda que o ProSavana não se pretenda formalmente um programa de “desenvolvimento sustentável”, é evidente o imperativo de mobilizá-lo como tal. No entanto, parece ser uma tentativa inócua, tendo em vista a repetição de práticas a despeito da inovação no discurso predominante que nada implica em sustentabilidade.

Downloads

Não há dados estatísticos.

Biografia do Autor

Ângela Camana, Universidade Federal do Rio Grande do Sul (Ufrgs, Porto Alegre, RS, Brasil).

Doutoranda em Sociologia na Universidade Federal do Rio Grande do Sul (Ufrgs) em Porto Alegre, RS, Brasil. É bolsista Capes, integrante do grupo de pesquisa Tecnologia, Meio Ambiente e Sociedade (Temas) e do grupo de pesquisa Jornalismo Ambiental na mesma universidade.

Jalcione Almeida, Universidade Federal do Rio Grande do Sul (Ufrgs, Porto Alegre, RS, Brasil).

Doutor em Sociologia pela Université Paris (Paris, França), professor titular da Universidade Federal do Rio Grande do Sul (Ufrgs) em Porto Alegre, RS, Brasil,atua nos PPGs em Sociologia e Desenvolvimento Rural, coordena o grupo de pesquisa Tecnologia, Meio Ambiente e Sociedade (Temas), épesquisador do CNPq.

Referências

ABC. Memorandum de entendimento sobre a cooperação triangular para o desenvolvimento da agricultura das savanas tropicais em Moçambique. Ata da reunião realizada no dia 17 de setembro de 2009. Documento interno.

Disponível em: www.prosavana.gov.mz/wp-content/uploads/2015/04/17-set-2009-P1.pdf. Acesso em: 30 mar. 2017.

https://doi.org/10.17528/cifor/006293

CASTRILLON FERNÁNDEZ, Antonio João. Do cerrado à Amazônia: as estruturas sociais da economia da soja em Mato Grosso. 2007. Tese (Doutorado em Desenvolvimento Rural) – Faculdade de Ciências Econômicas, UFRGS, Porto Alegre, 2007.

Disponível em: http://hdl.handle.net/10183/14276. Acesso em: 26 set. 2018.

https://doi.org/10.11606/t.11.2016.tde-28042016-145545

CHIZENGA, Anselmo P. Mineração e conflito ambiental: disputas em torno da implantação do megaprojeto da Vale na bacia carbonífera de Moatize, Moçambique. Dissertação (Mestrado em Sociologia) – UFRGS, Porto Alegre, 2016.

Disponível em: http://hdl.handle.net/10183/155999. Acesso em: 26 set. 2018.

https://doi.org/10.5007/1984-9222.2015v7n14p167

DELGADO, Guilherme C. Do capital financeiro na agricultura à economia do agronegócio: mudanças cíclicas em meio século (1965-2012). Porto Alegre: Editora da Ufrgs, 2012.

ESCOBAR, Arturo. El “postdesarrollo” como concepto y práctica social. In: MATO, Daniel (org.). Políticas de economía, ambiente y sociedad en tiempos de globalización. Caracas: Universidad Central de Venezuela, 2005. p. 17-31.

ESCOBAR, Arturo. La invención del Tercer Mundo: construcción y deconstrucción del desarrollo. Bogotá: Norma, 1998.

ESTEVA, Gustavo. Desenvolvimento. In: SACHS, Wolfgang (org.). Dicionário do desenvolvimento. Petropolis: Vozes, 2000. p. 59-83.

FERGUSON, James. The anti-politics machine: “development”, depoliticization and bureaucratic power in Lesotho. Cambridge: Cambridge University Press, 1990.

https://doi.org/10.1002/jid.3380040314

FLEURY, Lorena C. Cerrado para ser o quê? Representações sociais e conflitos ambientais em torno do Parque Nacional das Emas, Goiás. 2008. Dissertação (Mestrado em Desenvolvimento Rural) – Faculdade de Ciências Econômicas, UFRGS, Porto Alegre, 2008.

Disponível em: http://hdl.handle.net/10183/14898. Acesso em: 26 set. 2018.

https://doi.org/10.11606/t.91.2005.tde-09112005-144620

INDURSKY, Freda. Unicidade, desdobramento, fragmentação: a trajetória da noção de sujeito na análise do discurso. In: MITTMANN, Solange; GRIGOLETTO, Evandra; CAZARIN, Ercília Ana (org.). Práticas discursivas e identitárias: sujeito e língua. Porto Alegre: Nova Prova, 2008. p. 9-33.

LATOUCHE, Serge. Sobrevivir al desarrollo. Barcelona: Icaria, 2007.

MANDAMULE, Uacitissa. Discursos à volta do regime de propriedade da terra em Moçambique. Observador Rural (OMR). n. 32, set. 2015. (Working paper)

Disponível em: http://omrmz.org/omrweb/publicacoes/observador-rural-32/. Acesso em: 26 set. 2018.

MOÇAMBIQUE. Ministério da Agricultura e Segurança Alimentar. Plano Director para o Desenvolvimento Agrário do Corredor de Nacala em Moçambique. Esboço Versão 0. Mar. 2015. Maputo: Masa, 2015.

Disponível em: www.prosavana.gov.mz/wp- content/uploads/2015/09/1.Master_Plan_Draft_Zero_Main_Revisao1.pdf. Acesso em: 31 maio 2017.

https://doi.org/10.17528/cifor/006293

MOÇAMBIQUE. Constituição [2004]. Constituição da República. Maputo: 2004.

MASSEY, Doreen. Pelo espaço: uma nova política da espacialidade. Rio de Janeiro: Bertrand Brasil, 2008.

https://doi.org/10.5216/bgg.v29i1.7106

MOSCA, João; BRUNA, Natacha. ProSavana: discursos, práticas e realidades. Observador Rural (OMR). n. 31, ago. 2015 (Working paper).

Disponível em: http://omrmz.org/omrweb/publicacoes/observador-rural-31//. Acesso em: 26 set. 2018.

ORGANIZAÇÃO das Nações Unidas (ONU). Comissão Mundial sobre Meio Ambiente e Desenvolvimento. Nosso futuro comum. Rio de Janeiro: Fundação Getulio Vargas, 1988. [1987].

PÊCHEUX, Michel; FUCHS, Catherine. A propósito da análise automática do discurso: atualização e perspectivas. In: GADET, Françoise; HAK, Tony (org.). Por uma análise automática do discurso: uma introdução à obra de Michel Pêcheux. 2. ed. Campinas: Unicamp, 1993. p. 163-187.

https://doi.org/10.1590/s0103-37862007000300001

PÊCHEUX, Michel. Semântica e discurso: uma crítica à afirmação do óbvio. Campinas: Editora da Unicamp, 1988.

SALAZAR PESSÔA, Vera Lúcia; INOCÊNCIO, Maria E. O Prodecer (re)visitado: as engrenagens da territorialização do capital no Cerrado. Campo-Território: Revista de Geografia Agrária. Edição especial do 21 Enga-2012, p. 1-22, jun. 2014.

SERRA, Carlos Manuel; CARRILHO, João. Dinâmicas da ocupação e do uso da terra em Moçambique. Maputo: Escola Editora, 2013.

ZOOMERS, Annelies. Lidar com a corrida global à terra: uma análise crítica das políticas rurais sobre a terra, desde os anos 50. In: Carlos Manuel Serra; João Carrilho. Dinâmicas da ocupação e do uso da terra em Moçambique. Maputo: Escola Editora, 2013. p. 13-50.

https://doi.org/10.11606/t.91.2007.tde-16032007-165103

Publicado
2019-08-09
Como Citar
Camana, Ângela, & Almeida, J. (2019). Da insustentabilidade do desenvolvimento: os discursos da produção de “vazios” no âmbito de um programa de cooperação internacional. Civitas - Revista De Ciências Sociais, 19(2), 391-408. https://doi.org/10.15448/1984-7289.2019.2.32057
Seção
Desenvolvimento sustentável? Conflitos sociais e ambientais