Perigosos ou úteis? Os moradores de rua e a produção do espaço urbano em Belo Horizonte e Bogotá

Palavras-chave: Moradores de rua, Analítica do poder/saber, Produção do espaço, Belo Horizonte, Bogotá.

Resumo

Neste artigo buscaremos analisar os mecanismos e estratégias de poderes/saberes que interferem, no âmbito do planejamento urbano e da produção do espaço, sobre as pessoas moradoras de rua em Belo Horizonte e Bogotá a partir de investigações que ocorreram durante os anos 2014 e 2015. Para tal, procuraremos compreender como o planejamento urbano neoliberal tem transformado espaços públicos – locais de estruturação, parcial ou total, da vida dos moradores de rua – em commodity através de estratégias de privatização. Os procedimentos teórico-metodológicos utilizados foram baseados na etnografia e na genealogia foucaultiana – que possibilitaram tanto acompanhar a construção de uma razão neoliberal através dos tempos quanto a produção de dispositivos, no âmbito da política urbana, com o intuito de controlar corpos nas dimensões do indivíduo e da população. Nessa perspectiva, conduziremos um olhar para o espaço urbano a partir de corpos e pessoas compreendidos não como problemas, mas como parte de conflitos, pertencimentos, estratégias, formas de sujeição e exclusões com o intuito de pensar a produção do espaço de forma crítica.

Downloads

Não há dados estatísticos.

Biografia do Autor

Karine Gonçalves Carneiro, Universidade Federal de Ouro Preto

Doutora em Ciências Sociais (Puc-Minas/2016) - com participação no programa de doutorado sanduíche no exterior (PDSE/Capes - instituição de fomento) no departamento de Sociologia da Universidad Nacional de Colombia -, mestre em Sociologia com ênfase em Meio Ambiente (Fafich-UFMG/2006), especialista em Arquitetura Contemporânea (IEC-PucMinas/1999) e graduada em Arquitetura e Urbanismo (EA-UFMG/1996). Professora Adjunta - DE - do Departamento de Arquitetura e Urbanismo da UFOP e Professora do Mestrado "Novos Direitos, Novos Sujetios" da UFOP. Pesquisadora dos grupos de pesquisa Indisciplinar (EAD-UFMG); indisciplinar_ufop e Grupo de Estudos e Pesquisas Socioambientais (GEPSA /Ufop). Pesquisadora do INCT – Tecnopolíticas: Territórios Urbanos e Redes Digitais.

Referências

BELO Horizonte. Lei n. 6.165, de 27 de agosto de 1996. Institui o Plano Diretor do município de Belo Horizonte. Câmara Municipal de Belo Horizonte. Belo Horizonte, 27 de agosto de 1996.

BELO Horizonte. Relatório técnico. Circuito de Esportes Radicais Santa Tereza. Belo Horizonte: PMBH/Smobi, 2013.

CORTÉS, José Miguel. Políticas do espaço: arquitetura, gênero e controle social. São Paulo: Editora Senac, 2008.

CRUZ, Luana; FIGUEIRAS, Paulo; SILVA, Cristiane. PBH abre licitação para projetos de revitalização de espaços sob viadutos. Estado de Minas. Belo Horizonte, 24 out. 2013

em.com.br/app/noticia/gerais/2013/10/24/interna_gerais,463386/pbhabre-licitacao-para-projetos-de-revitalizacao-de-espacos-sob-viadutos.shtml> (24 dez. 2018).

DELEUZE, Gilles. Cours Vincennes, 24/01/1978 webdeleuze.com/textes/194.

DUARTE, André de Macedo. Foucault e as novas figuras da biopolítica: o fascismo contemporâneo, 2009 works.bepress.com/andre_duarte/19.

ELDEN, Stuart. Mapping the present – Heidegger, Foucault and the project of a spatial history. London: Continuum Publishing, 2001.

ENTREVISTA com Michel Foucault. Lovain, 1981 youtube.com/watch?v=0H2gqpJTu4E&feature=youtu.be.

FAVRET-SAADA, Jeanne. Ser afetado. Cadernos de campo, v. 13, n. 13, p. 155-161, 2005.

FOUCAULT, Michel. O nascimento da clínica. Rio de Janeiro: Forense Universitária, 1977.

FOUCAULT, Michel. A história da loucura na idade clássica. São Paulo: Perspectiva, 1978.

FOUCAULT, Michel. Microfísica do poder. Rio de Janeiro: Edições Graal, 1979.

FOUCAULT, Michel. História da sexualidade I: a vontade de saber. Rio de Janeiro: Edições Graal, 1988.

FOUCAULT, Michel. Em defesa da sociedade: curso dado no Collège de France (1975-1976). São Paulo: Martins Fontes, 1999.

FOUCAULT, Michel. Segurança, território, população: curso dado no Collège de France (1977-1978). São Paulo: Martins Fontes, 2008a.

FOUCAULT, Michel. O nascimento da biopolítica: curso dado no Collège de France (1978-1979). São Paulo: Martins Fontes, 2008b.

FOUCAULT, Michel. Vigiar e punir: nascimento da prisão. Petrópolis: Vozes, 2009.

HARVEY, David. O neoliberalismo: história e implicações. São Paulo: Edições Loyola, 2011.

MONTOYA. John Williams. Bogotá: crecimiento urbano e cambio morofológico, 1538-2010. Quebéc: Université Laval, 2012. Tese doutorado.

NASCIMENTO, Cristiano. O edifício como espaço analítico. Arquitextos: vitruvius. v. 8, 2008

vitruvius.es/revistas/read/arquitextos/08.093/168.

PAULA, José Antônio; MONTE-MÓR, Roberto Luís. Formação histórica: três momentos da história de Belo Horizonte. Belo Horizonte: Universidade Federal de Minas Gerais, 2004.

PERILLA, Mario. El habitar en la Jiménez con Séptima de Bogotá: historia, memoria, cuerpo. Bogotá: Universidad Nacional de Colombia, 2008.

PRIGGE, Walter. Reading the urban revolution. In: Kanishka Goonewardena; Stefan Kipfer; Richard Milgrom; Christian Schmid. Space, difference, everyday life: reading Henri Lefebvre. New York: Taylor & Francis, 2008. p. 46-61.

SANTOS, Carlos Nelson Ferreira dos. A cidade como um jogo de cartas. Niterói: EdUFF; São Paulo: Projeto Editores, 1988.

Publicado
2019-02-27
Como Citar
Carneiro, K. G. (2019). Perigosos ou úteis? Os moradores de rua e a produção do espaço urbano em Belo Horizonte e Bogotá. Civitas - Revista De Ciências Sociais, 19(1), 45-61. https://doi.org/10.15448/1984-7289.2019.1.30907
Seção
Dossiê: Vida na rua – contribuições analíticas do campo das ciências sociais