Hierarquia, contestação e igualdade: a produção da militância política para a população de rua no Brasil

Palavras-chave: Mobilização social, Capacitação política, Igualdade, Hierarquia.

Resumo

O propósito deste texto é explorar, por meio de análise documental e método etnográfico, a dinâmica de debates entre militantes e apoiadores do Movimento Nacional da População de Rua (MNPR), em torno de atributos valorativos para a militância política. Ao avaliar as cartilhas nacionais de formação política, discuto o latente teor civilizatório presente nestes documentos e, pelo mergulho etnográfico no cotidiano da mobilização social em Porto Alegre, RS, analiso as formas como tais conteúdos são problematizados e contestados na prática militante. Tal cenário permite apreender uma arena na qual a normatividade é negociada por divergências que, mais do que produzirem cisão, conformam uma luta constante por espaços mais igualitários de fala e expressão política entre militantes e apoiadores do MNPR.

Downloads

Não há dados estatísticos.

Biografia do Autor

Tiago Lemões, Universidade Católica de Pelotas
Doutor em Antropologia Social (PPGAS/UFRGS), com estágio sanduíche pela Université Paris VIII. Pós-doutorando Pelo Programa de Pós-Graduação em Política Social e Direitos Humanos da Universidade Católica de Pelotas.

Referências

BAUMGARTEN, Britta. Political participation of the homeless in Brazil. CIES, e-working, Paper, n. 1721, 2013.

BIONDI, Karina. Junto e misturado. Uma etnografia do PCC. São Paulo: Editora Terceiro Nome, 2010.

BRASIL. Política Nacional para a População em situação de rua, Decreto n. 7.053, 2009 www.planalto.gov.br/ccivil_03/_Ato2007-2010/2009/Decreto/D7053.htm.

BRASIL. Secretaria de Direitos Humanos da Presidência da República. Diálogos sobre a população de rua no Brasil e na Europa: experiências do Distrito Federal, Paris e Londres. Secretaria de Direitos Humanos da Presidência da República: Brasília, 2013.

BUTLER, Judith. Quadros de guerra: qando a vida é passível de luto? Rio de Janeiro: Civilização Brasileira, 2017.

DEFENSORIA Pública do Rio de Janeiro. Núcleo de defesa dos direitos humanos. Cartilha de direitos do cidadão em situação de rua. Rio de Janeiro: Nudedh, 2013.

CEFAÏ, Daniel. Como nos mobilizamos? A contribuição de uma abordagem pragmatista para a sociologia da ação coletiva. Dilemas: Revista de Estudos de Conflito e Controle Social, Rio de Janeiro, v. 2, n. 4, p.11-48, 2009.

COMERFORD, John. Fazendo a luta: sociabilidades, falas e rituais na construção de organizações camponesas. Rio de Janeiro: Relume Dumará, 1999.

DE LUCCA, Daniel. Morte e vida nas ruas de São Paulo: a biopolítica vista do centro. In: Taniele Rui; Mariana Martinez; Gabriel Feltran (orgs.). Novas faces da vida nas ruas. São Carlos: Edufscar, 2016. p. 23-44.

DUCLOS, Bénédicte. L’intervention militante em faveur de pauvres: un encadremet brutal indépassable? In: Patrick Bruneteaux; Daniel Terrole (orgs.). L’arrière-cour de la mondialisation: ethnographie des paupérisés. Broissieaux: Éditions du Croquant, 2010. p. 205-226.

GENARD, Jean-Louis. Que peut nous apprendre l’ouvrage Punishing the Poor sur la régulation de la pauvreté dans le contexte européen? In: Mathieu Hilgers (org.). État neoliberal et regulation e la pauvreté urbaine selon Loïc Wacquant. Bruxelles: Université Libre de Bruxelles, 2013. p. 61-78.

HILGERS, Mathieu. La production de l’etat néolibéral. In: Mathieu Hilgers (org.). État neoliberal et regulation e la pauvreté urbaine selon Loïc Wacquant. Bruxelles: Université Libre de Bruxelles, 2013. p. 79-92.

JAENISCH, Samuel. Vozes de uma gente invisível: o jornal Boca de Rua como espaço de mediação. In: Soraya Fleischer; Patrice Schuch; Cláudia Fonseca (orgs.). Antropólogos em ação: experimentos de pesquisas em direitos humanos. Porto Alegre: Editora da Ufrgs, 2007. p. 121-131.

LACERDA, Paula. Meninos de Altamira: violência, luta política e administração pública. Rio de Janeiro: Garamond, 2015.

LEMÕES, Tiago. De vidas infames à máquina de guerra: etnografia de uma luta por direitos. Porto Alegre: PPGAS-Ufrgs, 2017. Tese de doutorado em Antropologia Social.

LEMÕES, Tiago. População em situação de rua e a linguagem dos direitos: reflexões sobre um campo de disputas políticas, definições de sentidos e práticas de intervenção. In: Anais. Natal: 29a Reunião Brasileira de Antropologia, 2014.

LIMA, Antônio Carlos de Souza. O exercício da tutela sobre os povos indígenas: considerações para o entendimento das políticas indigenistas no Brasil contemporâneo. Revista de Antropologia, v. 55, n. 2, p. 781-832, 2012 10.11606/2179-0892.ra.2012.59301.

MINISTÉRIO Público de Minas Gerais. Direitos do morador de rua: um guia na luta pela dignidade e cidadania. Funemp: Belo Horizonte, 2012.

MOVIMENTO Nacional da População de Rua. Conhecer para lutar: cartilha para formação política. Brasília, 2010.

ONG, Aihwa. Buda is hiding: refuges, citizenship and the New America. Berkeley, University of California Press, 2003.

SCHUCH, Patrice. A legibilidade como gestão e inscrição política de populações: notas etnográficas sobre a política para pessoas em situação de rua no Brasil. In: Cláudia Fonseca; Helena Machado (orgs.). Ciência, identificação e tecnologias de governo. Porto Alegre: Editora da Ufrgs, 2015. p. 121-145.

Publicado
2019-02-27
Como Citar
Lemões, T. (2019). Hierarquia, contestação e igualdade: a produção da militância política para a população de rua no Brasil. Civitas - Revista De Ciências Sociais, 19(1), 123-141. https://doi.org/10.15448/1984-7289.2019.1.30356
Seção
Dossiê: Vida na rua – contribuições analíticas do campo das ciências sociais