O ativismo cultural e a imaginação da fronteira Brasil-Uruguai

Palavras-chave: Ativismo. Políticas culturais. Imaginação. Fronteira. Profissão.

Resumo

Este artigo objetiva analisar os modos pelos quais determinados agentes e movimentos políticos que atuam em defesa de políticas culturais imaginam a área de fronteira entre Brasil e Uruguai como um espaço cultural comum. A pesquisa de campo na qual se baseia essa análise foi realizada com militantes da cultura (assim autodenominados) e distintos agentes culturais que vivem ou atuam nesta área de fronteira, dentre os quais se encontram músicos, poetas, realizadores de cinema, documentaristas, produtores, entre outros. Tanto uns quanto outros se tornam inseparáveis quando se observa uma tendência de simultaneidade entre o seu ativismo cultural e a sua afirmação profissional. Analisam-se tais modos específicos de atuação em defesa de políticas culturais voltadas para a área de fronteira. Pretende-se discutir como a fronteira enquanto um símbolo é mobilizada na atuação política e profissional destes agentes e quais seus reflexos nas dinâmicas sociais e políticas locais e regionais.

Downloads

Não há dados estatísticos.

Biografia do Autor

Felipe José Comunello, Universidade Federal do Rio Grande do Sul (Ufrgs)
Doutor em Antropologia Social pela Universidade Federal do Rio Grande do Sul (Porto Alegre, RS, Brasil), professor do Departamento Interdisciplinar do Campus Litoral Norte da Universidade Federal do Rio Grande do Sul em Tramandaí, RS, Brasil.

Referências

ALBUQUERQUE, José Lindomar Coelho. A dinâmica das fronteiras: deslocamento e circulação dos “brasiguaios” entre os limites nacionais. Horizontes Antropológicos, v. 31, p. 137-166, 2009 <10.1590/S0104-71832009000100006>.

ALMEIDA, Ricardo. Calendário de Integração Cultural Brasil-Uruguai: uma experiência. In: Maria Izabel Mallmann; Teresa Cristina Schenider Marques (orgs.). Fronteiras e relações Brasil-Uruguai. Porto Alegre: Edipucrs, 2015. p. 215-236.

FAULHABER, Priscila. Fronteira na antropologia social: as diferentes faces de um problema. BIB, n. 51, p. 105-125, 2001.

GREEN, Sarah. Performing border in the Aegean: on relocating political, economic and social relations. Journal of Cultural Economy. v. 3, n. 2, p. 261-278, 2010 <10.1080/17530350.2010.494376>.

GRIMSON, Alejandro. Nations, nationalism and “borderization” in the Southern Cone. In: Thomas M. Wilson; Hastings Donnan (orgs.). Companion to border studies. Hoboken: Blackwell Publishing, 2012. p. 194-213 <10.1002/9781118255223.ch11>.

GRIMSON, Alejandro; VILA, Pablo. Forgotten border actors: the border reinforcers. a comparison between the U.S.-Mexico border and South American borders. Journal of Political Ecology, v. 9, n. 1, p. 69-88, 2002 <10.2458/v9i1.21635>.

HEYMAN, Josiah M.; SYMONS, John. Borders. In: Didier Fassin (org.). A

companion to moral anthropology. Chichester: John Wiley & Sons, 2012. p. 540-557 <10.1002/9781118290620.ch30>.

IRISARRI, Victoria. Fora do eixo, dentro do mundo: política, mercado e vida cotidiana em um movimento brasileiro de produção cultural. Tese (Doutorado). Programa de Pós-Graduação em Antropologia Social Universidade Federal do Rio Grande do Sul. 2015.

MALLMANN, Maria Izabel; MARQUES, Teresa Cristina Schneider (orgs.).

Fronteiras e relações Brasil-Uruguai. Porto Alegre: Edipucrs, 2015.

RABOSSI, Fernando. Como pensamos a Tríplice Fronteira? In: Lorenzo Macagno; Silvia Montenegro; Verónica Giménez Bélivau (orgs.). A Tríplice Fronteira: espaços nacionais e dinâmicas locais. Curitiba: Editora UFPR, 2011. p. 39-61.

SÁNCHEZ, Andrea Quadrelli. A fronteira inevitável: um estudo sobre as cidades de fronteira de Rivera (Uruguai) e Santana do Livramento (Brasil) a partir de uma perspectiva antropológica. Tese (Doutorado). Programa de Pós Graduação em Antropologia Social Universidade Federal do Rio Grande do Sul. 2002.

SPRANDEL, Marcia Anita. Brasileiros na fronteira com o Paraguai. Estudos

Avançados. v. 20, n. 57, p. 137-156, 2006 <10.1590/S0103-40142006000200011>.

VELHO, Otávio. A antropologia e o Brasil, hoje. Revista Brasileira de Ciências Sociais, v, 23, n. 66, p. 5-9, 2008.

Publicado
2018-08-07
Como Citar
Comunello, F. J. (2018). O ativismo cultural e a imaginação da fronteira Brasil-Uruguai. Civitas - Revista De Ciências Sociais, 18(2), 303-318. https://doi.org/10.15448/1984-7289.2018.2.29411
Seção
Mundialização, regionalização e fronteiras