Disjunções e ambivalências: famílias migrantes nordestinas no ABC paulista

Palavras-chave: Famílias. Migrações. Trabalho. Geração. Trajetórias.

Resumo

Este artigo mira em dois alvos. O primeiro, de caráter mais teórico, referese à tentativa de extrair consequências analíticas da junção de três variáveis: famílias, trabalho e migrações. Conquanto não se reivindique a sua prioridade frente a outras variáveis, a suposição é a de que os elementos de intersecção que emergem quando trabalhamos com essas três frentes constituem um “lugar” analítico fecundo para a análise de trajetórias de vida. Em um segundo momento, discutimos os processos de transmissão geracional no afã de compreender os modos como os projetos e as estratégias de vida são elaborados, vivenciados e transmitidos de uma geração a outra. Para tal, tomamos dois casos de trajetórias de famílias de migrantes nordestinos instalados na região do ABC Paulista observando o recorte geracional. A pesquisa ocorreu entre os anos de 2014 e 2016, com entrevistas biográficas com os membros das famílias que tinham como traço comum, além da trajetória de migração, a inserção de algum de seus membros nas indústrias da região. Os resultados sugerem a centralidade da “família” enquanto projeto coletivo para “melhorar de vida”.

Downloads

Não há dados estatísticos.

Biografia do Autor

Jaime Santos Junior, Universidade Federal do Paraná, UFPR, Curitiba, PR

Doutor em Sociologia pela Universidade de São Paulo (USP, São Paulo, SP, Brasil). Professor do Departamento de Sociologia da Universidade Federal do Paraná (UFPR, Curitiba, PR, Brasil).

Mariana Zanata Thibes, Pontifícia Universidade Católica de São Paulo, PUC-SP, São Paulo, SP

Doutora em Sociologia pela Universidade de São Paulo (USP, São Paulo, SP, Brasil). Pós-doutoranda na Pontifícia Universidade Católica de São Paulo (PUC-SP, São Paulo, SP, Brasil).

Marilda Aparecida de Menezes, Universidade Federal do ABC, UFABC, Santo André, SP
Doutora pela University of Manchester (Manchester, Reino Unido). Professora visitante nacional sênior (Capes/PVNS) na Universidade Federal do ABC (Santo André, SP, Brasil). Professora aposentada da Universidade Federal de Campina Grande (Campina Grande, PB, Brasil).

Referências

ARCHER, Margaret. Structure, agency and the internal conversation. Cambridge: Cambridge University Press, 2003. https://doi.org/10.1017/CBO9781139087315

ATTIAS-DONFUT, Claudine. Rapports de générations: transferts intrafamiliaux et dynamique macrosociale. Revue Française de Sociologie, Paris, v. 41, n. 4, p. 643-684, 2000. Disponível em: https://www.jstor.org/stable/3322701. https://doi.org/10.2307/3322701

BOURDIEU, Pierre. Outline of a theory of practice. Cambridge: Cambridge University Press, 1977. https://doi.org/10.1017/CBO9780511812507

BOURDIEU, Pierre. A distinção: crítica social do julgamento. São Paulo: Edusp, 2007.

BOURDIEU, Pierre. A ilusão biográfica. In: AMADO, Janaina; FERREIRA, Marieta M. (org.). Usos e abusos da história oral. Rio de Janeiro: FGV, 2006. p. 183-191.

CALDEIRA, Teresa Pires do Rio. Mulher: individuo ou família? Novos Estudos Cebrap, São Paulo, v. 2, n. 4, p. 2-10, 1984.

COMIN, Alvaro A.; BARBOSA, Rogério Jerônimo. Trabalhar para estudar: sobre a pertinência da noção de transição escola-trabalho no Brasil. Novos Estudos Cebrap, São Paulo, n. 91, p. 75-95, 2011. Disponível em: http://dx.doi.org/10.1590/S0101-33002011000300004. Acesso em: 22 out. 2019.

DOMINGUES, José Maurício. Gerações, modernidade e subjetividade coletiva. Tempo Social, São Paulo, v. 14, n. 1, p. 67-89, 2002. Disponível em: http://dx.doi.org/10.1590/S0103-20702002000100004.Acesso em: 22 out. 2019.

DUARTE, Luiz Fernando D. Da vida nervosa (nas classes trabalhadoras urbanas). Rio de Janeiro: Jorge Zahar, 1986.

DURHAM, Eunice Ribeiro. A caminho da cidade. São Paulo: Perspectiva, 1978.

FONSECA, Cláudia. Aliados e rivais na família: o conflito entre consanguíneos e afins em uma vila porto-alegrense. Revista Brasileira de Ciências Sociais, São Paulo, v. 4, n. 2, p. 88-102, 1987.

FONSECA, Cláudia. Cavalo amarrado também pasta: honra e humor em um grupo popular brasileiro. Revista Brasileira de Ciências Sociais, São Paulo, v. 75, n. 6, p. 27-39, 1991.

FONSECA, Claudia. Família, fofoca e honra: etnografia de relações de gênero e violência. Porto Alegre: UFRGS, 2000.

LAHIRE, Bernard. A cultura dos indivíduos. Porto Alegre: Artmed, 2006.

LAHIRE, Bernard. Portraits sociologiques: dispositions et variations individuelles. Paris: Nathan, 2002.

MACHADO, Lia Zanotta. Famílias e individualismo: tendências contemporâneas no Brasil. Interface: Comunicação, Saúde, Educação, Botucatu, v. 5, n. 8, p. 11-26, 2001. Disponível em: http://dx.doi.org/10.1590/S1414-32832001000100002. Acesso em: 22 out. 2019.

MACIEL, Lidiane. O sentido de melhorar de vida: arranjos familiares na migração rural-urbana para o interior de São Paulo. Jundiaí: Paco Editorial, 2013.

MANNHEIM, Karl. The problem of generations. In: KECSKEMETI, Paul (org.). Essays on the sociology of knowledge. London: Routledge & Kegan Paul, 1952. p. 276-322.

SARTI, Cynthia A. A família como espelho: um estudo sobre a moral dos pobres. São Paulo: Cortez, 1996.

SARTI, Cynthia A. Família como ordem moral. Cadernos de Pesquisa, São Paulo, n. 91, p. 46-53, 1994.

TELLES, Vera da Silva. A experiência da insegurança: trabalho e família nas classes trabalhadoras urbanas em São Paulo. Tempo Social, São Paulo, v. 4, n. 1-2, p. 53-92, 1992. Disponível em: http://dx.doi.org/10.1590/ts.v4i1/2.84911. Acesso em: 22 out. 2019.

VELHO, Gilberto. A busca da coerência: coexistência e contradições entre códigos em camadas médias urbanas. In: FIGUEIRA, Sérvulo A. (org.). Cultura da psicanálise. São Paulo: Brasiliense, 1985. p. 169-178.

VELHO, Gilberto. Projeto e metamorfose: antropologia das sociedades complexas. Rio de Janeiro: Jorge Zahar, 1999.

ZALUAR, Alba. A máquina e a revolta: as organizações populares e o significado da pobreza. São Paulo: Brasiliense, 1985.

Publicado
2019-12-13
Como Citar
Junior, J. S., Thibes, M. Z., & de Menezes, M. A. (2019). Disjunções e ambivalências: famílias migrantes nordestinas no ABC paulista. Civitas - Revista De Ciências Sociais, 19(3), 675-691. https://doi.org/10.15448/1984-7289.2019.3.28647