Gênero, sexualidade e experimentação de si em plataformas digitais on-line

  • Débora Krischke Leitão professora do programa de pos graduação em ciencias sociais UFSM
  • Laura Graziela Gomes Programa de Pós-Graduação em Antropologia Universidade Federal Fluminense
Palavras-chave: Internet. Gênero. Experimentação de si.

Resumo

Esse trabalho parte de pesquisa realizada em um mundo virtual 3D e outras plataformas digitais, para refletir sobre novas formas de experimentação de si, presentes nas mídias digitais contemporâneas. Enfatizamos usos e apropriações criativas dessas plataformas em experimentações de gênero e sexualidade, propomos pensar nessas tecnologias como agenciadoras de novos processos de subjetivação.

Downloads

Não há dados estatísticos.

Biografia do Autor

Débora Krischke Leitão, professora do programa de pos graduação em ciencias sociais UFSM

Doutora em Antropologia Social (UFRGS 2007)

Professora do programa de pos graduação em ciencias sociais UFSM e pesquisadora do Núcleo de Estudos sobre Emoções e Realidades Digitais (UFSM).

 

 

Laura Graziela Gomes, Programa de Pós-Graduação em Antropologia Universidade Federal Fluminense

Doutora em Antropologia (USP 1997)

Professora do Programa de Pós-Graduação em Antropologia Social da Universidade Federal Fluminense e pesquisadora do Núcleo de Estudos da Modernidade (NEMO). 

Referências

ÁVILA, Simone. FTM, transhomem, homem trans, trans, homem: a emergência de transmasculinidades no Brasil contemporâneo. Florianópolis, 2014.Tese de doutorado. Pós-graduação Interdisciplinar em Ciências Humanas, Universidade Federal de Santa Catarina.

BELELI, Iara; MISKOLCI, Richard. Apresentação (dossiê Percursos digitais, corpos, desejos, visibilidades). Cadernos Pagu, n. 44, p. 7-11, 2015 <10.1590/1809-4449201500440007>.

ESCOBAR, Arturo. Welcome to cyberia: notes on the anthropology of cyberculture. Current Anthropology, v. 35, n. 3, p. 211-231, 1994.

FACCHINI, Regina; MACHADO, Sara Rosseti. “Praticamos SM, repudiamos

agressão”: classificações, redes e organização comunitária em torno do BDSM no contexto brasileiro. Sexualidad, Salud y Sociedad, n. 14, p. 195-228, 2013 <10.1590/S1984-64872013000200014>.

GOMES, Laura Graziela; LEITÃO, Débora Krischke. Estar e não estar lá, eis a questão: pesquisa etnográfica no Second Life. Cronos, v. 12, n. 1, p. 23-38, 2011.

HINE, Christine. Virtual ethnography. Londres: Sage Publications, 2000.

HINE, Christine. Ethnography for the internet: embedded, embodied and everyday. Huntingdon, GBR: Bloomsbury Publishing, 2015.

INGOLD, Tim. Estar vivo: ensaios sobre movimento, conhecimento e descrição. Petrópolis: Editora Vozes, 2011.

LATOUR, Bruno. Reagregando o social. Salvador: Editora Ufba, 2012.

LUPTON, Deborah. Digital sociology. New York: Routledge, 2015.

MILLER, Daniel; HORST, Heather (orgs.). Digital Anthropology. Londres: Berg, 2012.

MILLER, Daniel; SLATER, Don. Etnografia on e off-line: cybercafés em

Trinidad. Horizontes Antropológicos, n. 21, p. 41-65, 2004 <10.1590/S0104-71832004000100003>.

MISKOLCI, Richard. O armário ampliado: notas sobre sociabilidade homoerótica na era da internet. Gênero, v. 9, n. 2, p. 171-190, 2009 <10.22409/rg.v9i2.88>.

MISKOLCI, Richard. Sociologia Digital: notas sobre pesquisa na era da conectividade. Contemporânea, v. 6, n. 2, p. 275-297, 2016 <10.4322/2316-1329.014>.

MISKOLCI, Richard. Desejos digitais. Belo Horizonte: Autêntica Editora, 2017.

PARREIRAS, Carolina. Sexualidades no ponto.com: espaços e (homo) sexualidades a partir de uma comunidade on-line. Campinas, 2008. Dissertação de mestrado em Antropologia Social, Instituto de Filosofia e Ciências Humanas, Universidade Estadual de Campinas.

PRECIADO, Beatriz. Manifesto contrassexual. São Paulo: N-1 Edições, 2014.

ROSE, Nikolas. Inventando nossos selfs. Psicologia, poder e subjetividade. Petrópolis: Editora Vozes, 2011.

VENCATO, Anna Paula. Negociando desejos e fantasias: corpo, gênero, sexualidade e subjetividade em homens que praticam crossdressing. In: Maria Elvira Díaz-Benitez; Carlos Eduardo Figari (orgs.). Prazeres dissidentes. Rio de Janeiro, Clam, 2009.

VENCATO, Anna Paula. Sapos e princesas: prazer e segredo entre praticantes de crossdressing no Brasil. São Paulo, Annablume, 2013.

VENCATO, Anna Paula. Entre “reais” e “virtuais”: noções sobre risco e verdade em um clube brasileiro para crossdressers. Cadernos Pagu, n. 44, p. 367-390, 2015 <10.1590/1809-4449201500440367>.

VIVEIROS DE CASTRO, Eduardo. O nativo relativo. Mana. v. 8, n. 1, p. 113-148, 2002 <10.1590/S0104-93132002000100005>.

ZILLI, Bruno. A perversão domesticada. Rio de Janeiro, 2007. Dissertação de mestrado em Saúde Coletiva, Universidade do Estado do Rio de Janeiro.

Publicado
2018-04-13
Como Citar
Leitão, D. K., & Gomes, L. G. (2018). Gênero, sexualidade e experimentação de si em plataformas digitais on-line. Civitas - Revista De Ciências Sociais, 18(1), 171-186. https://doi.org/10.15448/1984-7289.2018.1.28444
Seção
Gênero e sexualidade: entre a explosão do pluralismo e os embates da normalização