Retratos não-modelares da modernidade: hegemonia e contra-hegemonia no pensamento brasileiro

Palavras-chave: Modernidade. Pensamento social brasileiro. Teoria sociológica.

Resumo

O presente artigo almeja apurar no seio do pensamento social brasileiro a existência de elementos que indiquem alternativas a noções sociológicas consolidadas acerca da modernidade. Indaga-se sobre as premissas que subjazem imagens do Brasil talhadas em algumas obras ditas “clássicas” de interpretação de nossa formação social. Em seguida, busca-se identificar peças-chave do quadro de referência que, desde longa data, circunscreve os horizontes de ideação sociológica acerca da experiência moderna. Logo após, são contempladas as reflexões de analistas contemporâneos a respeito do valor heurístico de retratos do país delineados no seio do pensamento brasileiro. Por fim, à luz de programas e abordagens da teoria social contemporânea, lança-se mão de insights e sugestões ensaiadas em tais interpretações “clássicas” com o propósito de indicar saídas a alguns dos impasses e limites da sociologia da modernidade sublinhados na atualidade.

Downloads

Não há dados estatísticos.

Biografia do Autor

Sergio Barreira de Faria Tavolaro, Universidade de Brasília

Professor Adjunto do Departamento de Sociologia da Universidade de Brasília

Bolsista Produtividade CNPq

Áreas: pensamento social brasileiro; teoria sociológica

Referências

BASTOS, Élide. Atualidade do pensamento social brasileiro. Sociedade e Estado, v. 26, n. 2, p. 51-70, 2011 <10.1590/S0102-69922011000200004>.

BASTOS, Elide; BOTELHO, André. Horizontes das Ciências Sociais: pensamento social brasileiro. In: Carlos Martins; Heloisa Martins (orgs.). Horizontes das ciências sociais no Brasil. São Paulo: Anpocs, 2010. v. 1, p. 475-496.

BECK, Ulrich. What is globalization? Malden, MA: Polity Press, 2000.

BHABHA, Homi. O local da cultura. Belo Horizonte, Editora Ufmg, 2010.

BOMFIM, Manoel. A América Latina: males de origem. Rio de Janeiro, Topbooks, 1993.

BOSI, Alfredo. Origem e função das idéias em contextos de formação colonial. In: Centro de Estudos Brasileiros/Embaixada do Brasil em Roma (org.). Pensamento Brasileiro. Palermo: Renso e Rean Mazzone editori, 1995. p. 17-31.

BOTELHO, André; SCHWARCZ, Lília. Um enigma chamado Brasil: 29 intérpretes e um país. São Paulo: Cia. das Letras, 2009.

BRANDÃO, Gildo. Linhagens do pensamento político brasileiro. São Paulo: Aderaldo & Rothschild Editores, 2007.

CANDIDO, Antonio. Iniciação à literatura brasileira. Rio de Janeiro: Ouro sobre azul, 2010.

CARDOSO, Fernando H. Pensadores que inventaram o Brasil. São Paulo: Cia. das Letras, 2013.

CARDOSO, Fernando Henrique; FALETTO, Enzo. Dependency and development in Latin America. Berkeley. California: University of California Press, 1979.

CASANOVA, José. Public religions in the modern world. Chicago: The University of Chicago Press, 1994.

CHAKRABARTY, Dipesh. Provincializing Europe: postcolonial thought and historical difference. Princeton: Princeton University Press, 2000.

CHATTERJEE, Partha. La nación en tiempo heterogéneo. Buenos Aires: Siglo Veintiuno, 2008.

CHERNILO, Daniel. The critique of methodological nationalism: theory and history. Thesis Eleven, v. 106, n. 1, p. 98-117, 2011.

COSTA, Sérgio. Teoria por adição. In: Carlos Benedito Martins; Heloísa Helena Martins (orgs.). Horizontes das ciências sociais no Brasil: Sociologia. São Paulo: Anpocs, 2010, p. 25-51.

COSTA PINTO, Luiz de Aguiar. Sociologia e desenvolvimento: temas e problemas de nosso tempo. Rio de Janeiro: Civilização Brasileira, 1973.

COSTA PINTO, Luiz de Aguiar. Desenvolvimento econômico e transição social. Rio de Janeiro: Civilização Brasileira, 1978.

CRUZ COSTA, João. A history of ideas in Brazil: the development of philosophy in Brazil and the evolution of national history. Berkeley: University of California Press, 1964.

CUNHA, Euclides. Os sertões: campanha de Canudos. Rio de Janeiro: Francisco Alves, 1981.

DÉPELTEAU, François. What is the direction of the “relational turn”? In: Christopher Powell; François Dépelteau (orgs.). Conceptualizing relational sociology: ontological and theoretical issues. New York: Palgrave Macmillan, 2013. p. 163-185.

DOMINGUES, José. Do Ocidente à Modernidade: intelectuais e mudança social. Rio de Janeiro: Civilização Brasileira, 2003.

DONATI, Pierpaolo. Relational sociology and the globalized society. In: François Dépelteau;Christopher Powell (orgs.). Applying relational sociology: relations, networks, and society. New York: Palgrave Macmillan, 2013. p. 1-24.

DURKHEIM, Émile. The rules of sociological method. New York: The Free Press, 1982.

DUSSEL, Enrique. Europa, modernidade e eurocentrismo. In: Edgardo Lander (org.). A colonialidade do saber: eurocentrismo e ciências sociais. Buenos Aires: Clacso, 2005. p. 55-70.

ECKERSLEY, Robyn. Environmentalism and political theory: toward an ecocentric approach. Albany: State University of New York Press, 1992.

EISENSTADT, Shmuel Multiple modernities. Daedalus, v. 129, n. 1, p. 1-29, 2000.

EISENSTADT, Shmuel. Modernity and modernization. Sociopedia.isa, International Sociological Association, p. 1-15, 2010 (24 Oct. 2017).

ELIAS, Norbert. Universal features of human society. In: Norbert Elias. What is sociology? London: Hutchinson & Co (Publishers) td, 1978a. p. 104-133.

ELIAS, Norbert. The problem of the “inevitability” of social development. In: Norbert Elias. What is sociology? London: Hutchinson & Co. Ltd., 1978b. p. 158-174.

EMYRBAER, Mustafa. Manifesto for a relational sociology. American Journal of Sociology, v. 103, n. 2, p. 281-317, 1997 <10.1086/231209>.

ESCOBAR, Arturo. O lugar da natureza e a natureza do lugar: globalização ou pósdesenvolvimento? In: Edgardo Lander (org.). A colonialidade do saber: eurocentrismo e ciências sociais. Buenos Aires: Clacso, 2005. p. 133-168.

FAORO, Raymundo. Os donos do poder: formação do patronato político brasileiro. São Paulo: Globo, 2001.

FERNANDES, Florestan. A Revolução Burguesa no Brasil: ensaio de interpretação sociológica. Rio de Janeiro: Zahar, 2006.

FERNANDES, Florestan. Sociedade de classes e subdesenvolvimento. Rio de Janeiro: Zahar, 2008a.

FERNANDES, Florestan. A integração do negro na sociedade de classes. São Paulo: Editora Globo, 2008b.

FRANCO, Maria Sylvia de Carvalho. As ideias estão no lugar. Cadernos de Debate, n. 1, p. 61-64, 1976.

FREYRE, Gilberto. Manifesto regionalista. Maceió: Ed. Ufal, 1976.

FREYRE, Gilberto. Sobrados e mucambos. Rio de Janeiro: Record, 1996.

FREYRE, Gilberto. Casa-grande & senzala: introdução à história da sociedade patriarcal no Brasil. Rio de Janeiro: Record, 2000a.

FREYRE, Gilberto. Novo mundo nos trópicos. Rio de Janeiro: Topbooks, 2000b.

FREYRE, Gilberto. Tempo morto e outros tempos. São Paulo: Global, 2006.

FURTADO, Celso. Raízes do subdesenvolvimento. Rio de Janeiro: Civilização Brasileira, 2003.

FURTADO, Celso. Formação econômica do Brasil. São Paulo: Cia. das Letras, 2009.

GÖLE, Nilüfer. Snapshots of Islamic modernities. Daedalus, v. 129, n. 1, p. 91-117, 2000.

GUMBRECHT, Hans Ulrich. Nosso amplo presente: o tempo e a cultura contemporânea. São Paulo: Editora da Unesp, 2015.

HALL, Stuart. A identidade cultural na pós-modernidade. Rio de Janeiro: DP&A, 2006.

HOLLANDA, Sérgio Buarque de. Raízes do Brasil. Rio de Janeiro: José Olympio, 1936.

HUNTINGTON, Samuel. A ordem política nas sociedades em mudança. Rio de Janeiro: Forense-Universitária, 1975.

IANNI, Octavio. O colapso do populismo no Brasil. Rio de Janeiro: Civilização Brasileira, 1978.

LAGE, Victor. Interpretations of Brazil, contemporary (de)formations. Rio de Janeiro: PUC-Rio (Tese de doutorado), 2016.

LEAL, Victor Nunes. Coronelismo, enxada e voto: o município e o regime representativo no Brasil. São Paulo: Companhia das Letras, 2012.

LIEDKE, Enno. A sociologia no Brasil: história, teorias e desafios. Sociologias, v. 7, n. 14, p. 376-437, 2005.

LIMA, Nísia. Um sertão chamado Brasil. São Paulo: Hucitec Editora, 2013.

LYNCH, Christian. Por que pensamento e não teoria? A imaginação político-social brasileira e o fantasma da condição periférica (1880-1970). Dados – Revista de Ciências Sociais, v. 56, n. 4, p. 727-766, 2013.

MAIA, João. Pensamento brasileiro e teoria social: notas para uma agenda de pesquisa. Revista Brasileira de Ciências Sociais, v. 24, n. 71, p. 155-168, 2009 <10.1590/S0102-69092009000300011>.

MAIA, João. Ao sul da teoria: a atualidade teórica do pensamento social brasileiro. Sociedade e Estado, v. 26, n. 2, p. 71-94, 2011 <10.1590/S0102-69922011000200005>.

MANN, Michael. Ruling class strategies and citizenship. In: Martin Blumer; Anthony Rees (orgs.). Citizenship today: the contemporary relevance of T. H. Marshall. Londres: UCL Press, 1996. p. 125-144.

MARX, Karl. Capital. v. 1. London: Penguin Books, 1990.

MIGNOLO, Walter. Local histories and global designs: coloniality, subaltern knowledges, and border thinking. Princeton: Princeton University Press, 2000.

MONTERESCU, Daniel. Spatial relationality and the fallacies of methodological nationalism: theorizing urban space and binational sociality in Jewish-Arab “mixed towns”. In: François Dépelteau; Christopher Powell. (orgs). Applying relational sociology: relations, networks, and society. New York: Palgrave Macmillan, 2013. p. 25-50.

NABUCO, Joaquim. O Abolicionismo. Rio de Janeiro: Nova Fronteira/São Paulo: Publifolha, 2000.

PARSONS, Talcott. The structure of social action. Volume 1: Marshall, Pareto, Durkheim. New York: The Free Press, 1968.

PARSONS, Talcott. The system of modern societies. Englewood Cliffs: Prentice-Hall Inc, 1971.

POWELL, Christopher; DÉPELTEAU, François. Introduction. In: Christopher Powell; François Dépelteau (orgs.). Conceptualizing relational sociology: ontological and theoretical issues. New York: Palgrave Macmillan, 2013. p. 1-12.

PRADO Jr., Caio. Formação do Brasil Contemporâneo: colônia. São Paulo: Cia. das Letras, 2011.

PRADO, Paulo. Retrato do Brasil: ensaio sobre a tristeza brasileira. São Paulo: Companhia das Letras, 2012.

PRANDINI, Riccardo. Relational sociology: a well-defined sociological paradigm or a challeging “relational turn” in sociology? International Review of Sociology, v. 25, n. 1, p. 1-14, 2015 <10.1080/03906701.2014.997969>.

RAMOS, Alberto Guerreiro. A Redução Sociológica. Rio de Janeiro: Editora UFRJ, 1996.

RIBEIRO, Adelia Miglievich. Darcy Ribeiro e o pensamento crítico latino-americano: diálogos com a epistemologia póscolonial. Sinais – Revista Eletrônica - Ciências Sociais, n. 9, v. 1, p. 12-31, 2011.

RICUPERO, Bernardo. O lugar das ideias: Roberto Schwarz e seus críticos. Sociologia & Antropologia, v. 3, n. 6, p. 526-556, 2013.

ROMERO, Silvio. História da literatura brasileira. Tomo I. Rio de Janeiro: Livraria José Olympio, 1949.

ROSTOW, Walt Whitman. As etapas do desenvolvimento econômico (um manifesto não-comunista). Rio de Janeiro: Zahar, 1978.

SCHMIDT, Volker. Conceptualizing global modernity: a tentative sketch. Singapore: National University of Singapore, 2012.

SCHWARCZ, Lilia. O espetáculo das raças: cientistas, instituições e questão racial no Brasil – 1870-1930. São Paulo: Cia. das Letras, 1993.

SCHWARZ, Roberto. As idéias fora de lugar. In: Roberto Schwarz (org.). Cultura e Política. São Paulo: Paz e Terra, 2009a. p. 59-83.

SOUSA SANTOS, Boaventura de. Para além do pensamento abissal: das linhas globais a uma ecologia de saberes. In: Boaventura de Sousa Santos e Maria Paula Meneses (org.). Epistemologias do Sul. Coimbra: Almedina, 2009.

SUBRAHMANYAM, Sanjay. Connected histories: notes towards a reconfiguration of early modern Eurasia. Modern Asian Studies, v. 31, n. 3, p. 735-762, 1997 <10.1017/S0026749X00017133>.

TAVOLARO, Sergio B. F. Existe uma modernidade brasileira? Reflexões em torno de um dilema sociológico brasileiro. Revista Brasileira de Ciências Sociais, v. 20, n. 59, p. 1-22, 2005.

TAVOLARO, Sergio B. F. Gilberto Freyre e nossa “Modernidade Tropical”: entre a originalidade e o desvio. Sociologias, v. 15, n. 33, p. 282-317, 2013 <10.1590/S1517-45222013000200010>.

TAVOLARO, Sergio B. F. A tese da singularidade brasileira revisitada: desafios teóricos contemporâneos. Dados: Revista de Ciências Sociais, v. 57, n. 3, p. 633-673, 2014.

TAVOLARO, Sergio B. F. Imagens de uma outra modernidade: Gilberto Freyre e o espaço-tempo latino-americano. Política & Sociedade, v. 15, n. 34, p. 196-231, 2016 <10.5007/2175-7984.2016v15n34p196>.

THERBORN, Göran. Entangled modernities. European Journal of Social Theory, v. 6, n. 3, p. 293-305, 2003 <10.1177/13684310030063002>.

TORRES, Alberto. A organização nacional. Brasília: Editora UnB, 1982.

TURNER, Bryan. Outline of a theory of citizenship. Sociology, v. 24, n. 2, p. 189-217, 1990 <10.1177/0038038590024002002>.

VENTURA, Roberto. Estilo tropical: história cultural e polêmicas literárias no Brasil, 1870-1914. São Paulo: Companhia das Letras, 1991.

VIANNA, Oliveira. Evolução do Povo Brasileiro. Rio de Janeiro: José Olympio Editora, 1956.

VIANNA. Oliveira. Populações meridionais do Brasil. v. 1. Niterói: Ed. da UFF, 1987.

VIANNA, Luiz W. A institucionalização das ciências sociais e a reforma social: do pensamento social à agenda americana de pesquisa In: Luiz W. Vianna. A revolução passiva: iberismo e americanismo no Brasil. Rio de Janeiro: Renavan, 2004.

WEBER, Max. The protestant ethic and the spirit of capitalism. Los Angeles: Roxbury Publishing Company, 2002.

WIMMER, Andreas; SCHILLER, Nina. Methodological nationalism and beyond: nation-state building, migration and the social sciences. Global Networks, v. 2, n. 4, p. 301-334, 2002 <10.1111/1471-0374.00043>.

WITTROCK, Björn. Modernity: one, none or many? European origins and modernity as a global condition. Daedalus, v. 129, n. 1, p. 31-60, 2000.

Publicado
2017-12-15
Como Citar
Tavolaro, S. B. de F. (2017). Retratos não-modelares da modernidade: hegemonia e contra-hegemonia no pensamento brasileiro. Civitas - Revista De Ciências Sociais, 17(3), e115-e141. https://doi.org/10.15448/1984-7289.2017.3.26580