Estratificação social e usos do tempo: um estudo sobre os indivíduos inseridos no mercado de trabalho

  • Luiz Flávio Neubert Universidade Federal de Minas Gerais
  • Arnaldo Mont´Alvão Universidade Federal de Minas Gerais
  • Fernando Tavares Instituto Universitário de Pesquisas do Rio de Janeiro
Palavras-chave: Uso do tempo. Desigualdade social. Mercado de Trabalho

Resumo

teoria da classe ociosa, de Veblen, vem sendo revista pelos que pretendem compreender a desigualdade social contemporânea e sua relação com o uso do tempo. Atualmente, trabalhadores de alto status despendem longas horas em suas funções e, ao analisar informações sobre uso do tempo da população de uma grande cidade brasileira (Belo Horizonte, MG), encontrou-se a mesma tendência. Ao mesmo tempo, quanto maior o status menor o tempo gasto em atividades de trabalho no fim de semana, e maior o tempo dedicado ao lazer. Enquanto o tempo de trabalho é a base principal sobre a qual se debruçam as desigualdades entre ocupações remuneradas, análises anteriores indicam que as atividades de lazer apresentam altas taxas de participação, independente do período da semana e do status ocupacional. Revisitar a teoria de Veblen permite-nos, então, entender melhor como a estratificação da sociedade se relaciona ao uso do tempo diário.

Downloads

Não há dados estatísticos.

Biografia do Autor

Luiz Flávio Neubert, Universidade Federal de Minas Gerais
Doutor em Sociologia pela Universidade Federal de Minas Gerais (UFMG, Belo Horizonte, MG, Brasil), professor do Departamento de Ciências Sociais da Universidade Federal de
Juiz de Fora (UFJF, Juiz de Fora, MG, Brasil)
Arnaldo Mont´Alvão, Universidade Federal de Minas Gerais

Doutor em Sociologia pela Universidade Federal de Minas Gerais (UFMG, Belo Horizonte, MG, Brasil), professor do Instituto de Estudos Sociais e Políticos da Universidade do Estado do Rio de Janeiro (Iesp/Uerj, Rio de Janeiro, RJ, Brasil)

Fernando Tavares, Instituto Universitário de Pesquisas do Rio de Janeiro

Doutor em Sociologia Instituto Universitário de Pesquisas do Rio de Janeiro (Iuperj, Rio de Janeiro, RJ, Brasil), professor do Departamento de Ciências Sociais da Universidade
Federal de Juiz de Fora (UFJF, Juiz de Fora, MG, Brasil) <[email protected]>.

Referências

AGUIAR, Mark; HURST, Erik. Measuring trends in leisure: the allocation of time over five decades. Quarterly Journal of Economics, v. 122, n. 3, p. 969-1006, 2007.

AGUIAR, Neuma. Mudanças no uso do tempo na sociedade brasileira. Revista de Ciências Sociais Política & Trabalho, n. 34, p. 73-106, 2011.

AGUIAR, Neuma. Metodologias para o levantamento do uso do tempo na vida cotidiana no Brasil. Revista Econômica, v. 12, n. 1, p. 64-82, 2010.

BECKER, Gary. A theory of the allocation of time. The Economic Journal, v. 75, n. 299, p. 493-517, 1965 <10.2307/2228949>.

COSTA, Carlos Antônio Ribeiro. Dois estudos de mobilidade social no Brasil. Revista Brasileira de Ciências Sociais, v. 15, n. 44, p. 171-193, 2000.

DUMAZEDIER, Joffre. Questionamento teórico do lazer. Porto Alegre: Ed.

Perspectiva, 1975.

DUMAZEDIER, Joffre. Sociologia empírica do lazer. São Paulo: Perspectiva, 1979.

ELIAS, Norbert; DUNNIG, Eric. El ocio en el espectro del tiempo libre. In: Norbert Elias; Eric Dunnig. Deporte y ocio en el proceso de la civilización. Madrid: Fondo de Cultura Económica, 1992. p. 117-156.

FOSTER, Gigi; KALENKOSKI, Charlene. Tobit or OLS? An empirical evaluation under different diary window lengths. Applied Economics, v. 45, n. 20, p. 2994-3010, 2013 <10.1080/00036846.2012.690852>.

GERSHUNY, Jonathan. Veblen in reverse: evidence from the Multinational Time-Use archive. Social Indicators Research, v. 93, n. 1, p. 37-45, 2009 <10.1007/s11205-008-9369-6>.

GERSHUNY, Jonathan. What do we do in post-industrial society? The nature of work and leisure time in 21st century. Woking papers of the Institute for Social and Economic Research, paper 2005-7. Colchester: University of Essex, 2005a.

GERSHUNY, Jonathan. Busyness as the badge of honour for the new superordinate working class. Woking papers of the Institute for Social and Economic Research, paper 2005-9. Colchester: University of Essex, 2005b.

LINDER, Staffan. The harried leisure class. New York: Columbia University Press, 1970.

LIPSET, Seymour Martin; BENDIX, Reinhard. Social mobility in industrial society. Los Angeles: University of California Press, 1959.

NEUBERT, Luiz Flávio. Distinções sociais e usos do tempo para lazer. Teoria e Cultura, v. 8, n. 2, p. 102-112,2013.

NEUBERT, Luiz Flávio. Indivíduo, lazer e liberdade na modernidade. Sociedade e Cultura, v. 13, n. 2, p. 277-285, 2010 <10.5216/sec.v13i2.13431>.

NEUBERT, Luiz Flávio. Atividades diárias e desigualdade social: um estudo sobre o tempo de lazer e o tempo de trabalho remunerado em Belo Horizonte. Belo Horizonte: Faculdade de Filosofia e Ciências Humanas, Universidade Federal de Minas Gerais, 2006. 90 f. Dissertação de mestrado em Sociologia.

PASTORE, José; SILVA, Nelson do Valle. Mobilidade social no Brasil. São Paulo: Makron Books, 2000.

ROBINSON, John; GODBEY, Geoffrey. Time for life: the surprising ways Americans use their time. The Pennsylvania State University Press, 1997.

SCHOR, Juliet. The overworked American: the unexpected decline of leisure. New York: Basic Books, 1992.

SIMMEL, Georg. O indivíduo e a liberdade. In. J. Souza e B. Oelze (orgs.). Simmel e a modernidade. 2. ed. Brasília: Editora Unb, 2005. p. 107-115.

SIMMEL, Georg. A metrópole e a vida mental. In: Gilberto Velho (org.). O fenômeno urbano. Rio de Janeiro: Zahar Ed., 1987. p. 11-25.

SOUZA, Amaury de. As 24 horas do dia do carioca. Rio de Janeiro, 1976.

STEWART, Jay. Tobit or not tobit? Journal of Economic and Social Measurement, v. 38, n. 3, p. 263-290, 2013 <10.3233/JEM-130376>.

VEBLEN, Thorstein. A teoria da classe ociosa: um estudo econômico das instituições. São Paulo: Nova Cultural, 1988.

Publicado
2016-09-15
Como Citar
Neubert, L. F., Mont´Alvão, A., & Tavares, F. (2016). Estratificação social e usos do tempo: um estudo sobre os indivíduos inseridos no mercado de trabalho. Civitas - Revista De Ciências Sociais, 16(2), e110-e125. https://doi.org/10.15448/1984-7289.2016.2.24105
Seção
Desigualdades, estratificação e justiça social