Orfandade por violência doméstica contra a mulher: uma pesquisa biográfica

  • Kamila Almeida Pontifícia Universidade Católica do Rio Grande do Sul, RS
Palavras-chave: Violência doméstica contra a mulher. Orfandade. Narrativas biográficas.

Resumo

Este artigo apresenta o tema da violência doméstica contra a mulher por um ângulo pouco usual nas Ciências Sociais. As brigas e ameaças que ocorrem no lar, muitas vezes, têm os filhos como plateia. Com o assassinato da mãe pelo pai ou padrasto, inicia-se uma segunda fase do problema, perpetuada pelos órfãos. Por meio da abordagem metodológica de narrativas biográficas foi possível conhecer elementos do mundo da vida de um órfão e compreender de que maneira ele vivenciou a morte da mãe em um contexto violento. Observou-se que, apesar de marcante, a orfandade não é o tema central desta apresentação biográfica. O fio condutor desta trajetória é o fato de ter crescido em abrigo "sem pai nem mãe". É amparado nesta realidade que o entrevistado busca recursos para sobreviver e para se livrar do estigma. 

Downloads

Não há dados estatísticos.

Referências

DREHER, Jochen. Alfred Schutz. In: George Ritzer; Jefrey Stepninsky (orgs.). The Wiley-Blackwell companion to major social theorists. Malden: Blackwell Publishing, v. 1, 2011, p. 489-510.

FONSECA, Claudia. Família, fofoca e honra: etnografia de relações de gênero e violência em grupos populares. Porto Alegre: Editora da Ufrgs, 2004.

FERRARA, Andrea Paula. Orfandade e estigma: vivências de jovens órfãos em decorrência da Aids. São Paulo: USP, 2009. Dissertação de mestrado em Saúde Pública.

FREIRE, Milena C. B. O som do silêncio: isolamento e sociabilidade o trabalho de luto. Natal: Editora da UFRN, 2006.

GOFFMAN, Erving. Estigma: notas sobre a manipulação da identidade deteriorada. Rio de Janeiro, Zahar, 1982.

KOURY, Mauro Guilherme Pinheiro. Sociologia da emoção: o Brasil urbano sob a ótica do luto. Petrópolis: Vozes, 2003.

KOWARICK, Lúcio. Viver em risco: sobre a vulnerabilidade socioeconômica e civil. São Paulo: Editora 34, 2009.

LEIS, Héctor Ricardo. A sociedade dos vivos. Sociologias, v. 5, n. 9, 2003. p. 340-353.

MILANI, Rute Grossi. Violência doméstica: recursos e adversidades de crianças e famílias pós-ações do Conselho Tutelar. Ribeirão Preto, Universidade de São Paulo, 2006. Tese de doutorado em Medicina, Faculdade de Medicina de Ribeirão Preto, Departamento de Neurologia, Psiquiatria e Psicologia Médica, USP.

MORATILLA-OLVERA, M. I., TARACENA-RUIZ, B. E. Vulnerabilidad social y orfandad: trayectoria vital de una adolescente. Revista latinoamericana de ciencias sociales, niñez y juventud, v. 10, n. 2, p. 841-854, 2012.

PEREIRA, José Carlos. Procedimentos para lidar com o tabu da morte. Ciência e saúde coletiva, v. 18, n. 9, p. 2699-2709, 2013 <10.1590/S1413-81232013000900025>.

PINTO, Célia Regina Jardim. Uma história do feminismo no Brasil. São Paulo: Editora Fundação Perseu Abramo, 2003.

RODRIGUES, José Carlos. Tabu da morte. Rio de Janeiro: Achiamé, 1983.

ROSENTHAL, Gabriele. História de vida vivenciada e história de vida narrada: a interrelação entre experiência, recordar e narrar. Civitas. v. 14 n. 2, p. 227-249, 2014a <10.15448/1984-7289.2014.2.17116>.

ROSENTHAL, Gabriele. Pesquisa social interpretativa: uma introdução. Porto Alegre, Edpucrs, 2014b.

SAFFIOTI, Heleieth I. B. Já se mete a colher em briga de marido e mulher. São Paulo em perspectiva, v. 13, n. 4, p. 82-91, 1999.

SAFFIOTI, Heleieth I. B. Contribuições feministas para o estudo da violência de gênero. Cadernos Pagu, n. 16, p. 115-136, 2001.

SANTOS, Cecília Macdowell; IZUMINO, Wânia Pasinato. Violência contra as mulheres e violência de gênero: notas sobre estudos feministas no Brasil. Estudios interdisciplinarios de América Latina y el Caribe, v. 16, n. 1, p. 147-164, 2005.

SARTI, Cynthia Andersen. A família como espelho: um estudo sobre a moral dos pobres. São Paulo: Cortez, 2007.

SCHUTZ, Alfred. El forastero: ensayo de psicologia social - estudios sobre teoría social. Escritos II. Buenos Aires: Amorrortu Editores, 2003.

SCHUTZ, Alfred. Sobre fenomenologia e relações sociais. Petrópolis: Vozes, 2012.

SOUSA, Tânia Sofia. Os filhos do silêncio: crianças e jovens expostos à violência conjugal – um estudo de casos. Lisboa: Universidade Lusófona de Humanidades e Tecnologias, 2013.

WELLER, Wivain. Grupos de discussão na pesquisa com adolescentes e jovens: aportes teóricos-metodológicos e análise de uma experiência com o método. Educação e Pesquisa, v. 32, n. 2, p. 241-260, 2006.

WELZER-LANG, Daniel. A construção do masculino: dominação as mulheres e homofobia. Revista Estudos Feministas, v. 9, n. 2, p. 460-481, 2001.

ZALUAR, Alba. A máquina e a revolução: as organizações populares e o significado da pobreza. São Paulo: Editora Brasiliense, 1985.

Publicado
2016-05-20
Como Citar
Almeida, K. (2016). Orfandade por violência doméstica contra a mulher: uma pesquisa biográfica. Civitas - Revista De Ciências Sociais, 16(1), e20-e35. https://doi.org/10.15448/1984-7289.2016.1.23288