A desigualdade no “topo”: empregadores negros e brancos no mercado de trabalho brasileiro

  • Jordão Horta Nunes Universidade Federal de Goiás
  • Neville Julio de Vilasboas e Santos Universidade Federal de Goiás
Palavras-chave: Desigualdade. Rendimento. Empregador. Raça. Sexo.

Resumo

Os empregadores, em razão de sua posição no binômio capital-trabalho, ocupariam provavelmente estratos de remuneração mais alta. No entanto, há desníveis de rendimentos, como ocorre entre trabalhadores brancos e negros, em que estes se tornam empregadores preponderantemente em setores menos privilegiados e ocupações com alto índice de informalidade, em pequenos empreendimentos com menor estabilidade. Este artigo a) apresenta um breve perfil de empregadores negros e brancos no Brasil; b) demonstra as desigualdades de inserção na estrutura do mercado de trabalho e c) mensura os diferenciais médios de renda a fim de determinar o peso de fatores produtivos e da discriminação racial sobre a renda média dos empregadores estratificados por raça e sexo. Com base na análise quantitativa, empregando o método de decomposição de Oaxaca-Blinder, sustenta-se que existe uma diferença significativa de rendimentos entre estratos orientados por raça e sexo de empregadores que não pode ser creditada unicamente a fatores associados, como nível de escolaridade, experiência ou diferentes inserções ocupacionais, mas provém de um resíduo não explicado que é atribuído à discriminação de raça ou sexo. 

Downloads

Não há dados estatísticos.

Biografia do Autor

Jordão Horta Nunes, Universidade Federal de Goiás

Doutor em Sociologia pela Universidade de São Paulo (USP, São Paulo, Brasil) e professor na Faculdade de Ciências Sociais da Universidade Federal de Goiás em Goiânia, GO, Brasil, onde atua na área de sociologia do trabalho, metodologia das ciências sociais e estudos na área de trabalho e gênero

Neville Julio de Vilasboas e Santos, Universidade Federal de Goiás

Doutor em Sociologia pela Universidade Federal de Goiás (UFG, Goiás, Brasil) e professor do Instituto Federal de Educação, Ciência e Tecnologia de Goiás, campus Anápolis, GO, Brasil. Atua nas áreas de desigualdades raciais, estratificação social, metodologia das ciências sociais,
trabalho e gênero

Referências

ATKINSON, A. Income and inequality in OECD countries: data and explanation. CESIfo Economic Studies, v. 49, n. 4, p. 479-513, 2003 <10.1093/cesifo/49.4.479>.

BECKER, Gary Stanley. Investment in human capital: a theoretical analysis. Journal of Political Economy, v. 70, n. 5, parte 2, p. 9-49, 1962.

BLINDER, Alan Stuart. Wage discrimination: reduced form and structural estimates. The Journal of Human Resources, v. 8, n. 4 p. 436-455, 1973 <10.2307/144855>.

CACCIAMALI, Maria Cristina; TATEI, Fábio. Género y salarios de la fuerza de trabajo calificada en Brasil y México. Problemas del Desarrollo, v. 44, n. 172, p. 53-79, 2013.

CARVALHO, A. P.; NÉRI, M. C.; SILVA, D. B. Diferenciais de salários por raça e gênero: aplicação dos procedimentos de Oaxaca e Heckman em pesquisas amostrais complexas. Caxambu, 2006. 15. Encontro de Estudos Populacionais (Abep)

www.abep.nepo.unicamp.br/encontro2006/docspdf/ABEP2006_695.pdf>.

CARD, David; DINARDO, John E. Skill-biased technological change and rising wage inequality: some problems and puzzles. Journal of Labor Economics, v. 20, n. 4, p. 733-783, 2002 <10.1086/342055>.

DAHRENDORF, R. Class and class conflict in industrial society. In: David Grusky (org.). Social stratification: race, class and gender in sociological perspective. 4. ed. Colorado: Westview Press, 2014. p. 143-149.

DIPRETE, Thomas A. What has sociology to contribute to the study of inequality trends? A historical and comparative perspective. American Behavioral Scientist, v. 50, n. 5, p. 603–618, 2007 <10.1177/0002764206295009>.

ERIKSON, Robert; GOLDTHORPE, John H. The constant flux: a study of class mobility in industrial societies. Oxford: Claredon Press, 1992.

ERIKSON, Robert, GOLDTHORPE, John H. Intergenerational inequality: a

sociological perspective. Journal of Economic Perspectives, v. 16, n. 3, p. 31-44, 2002 <10.1257/089533002760278695>.

GRUSKY, Dadid. The past, present, and future of social inequality. In: David Grusky (org.). Social stratification: class, race and gender in sociological perspective. Boulder: Westview, 2001. p. 3-51.

GUIMARÃES, Nadya Araújo. Os desafios da equidade: reestruturação e desigualdades de gênero e raça no Brasil. Cadernos Pagu, n. 17-18, p. 237-266, 2002 <10.1590/S0104-83332002000100009>.

JANN, Ben. The Blinder-Oaxaca decomposition for linear regression models. The Stata Journal, v. 8, n. 4, p. 453-479, 2008.

HASENBALG, C. Discriminação e desigualdades raciais no Brasil. Rio de Janeiro: Graal, 1979.

HASENBALG, C.; SILVA, N. V. Estrutura social, mobilidade e raça. Rio de Janeiro: Vértice, 1988.

HASENBALG, C.; SILVA, N. V.; LIMA, M. Cor e estratificação social no Brasil. Rio de Janeiro: ContraCapa, 1999.

HASENBALG, C.; SILVA, N. V. (orgs.). Origens e destinos: desigualdade sociais ao longo da vida. Rio de Janeiro: Topbooks, 2003.

LIMA, M. Serviço de branco, serviço de preto: um estudo sobre cor e trabalho no Brasil urbano. Iuperj: Rio de Janeiro, 2001. Tese de doutorado em Sociologia.

LIMA, Márcia. “Raça” e pobreza em contextos metropolitanos. Tempo Social, v. 24, n. 2, 2012 <10.1590/S0103-20702012000200012>.

MEDEIROS, M. O que faz os ricos ricos? Um estudo sobre os fatores que determinam a riqueza. Universidade de Brasília. Brasília, 2003. Tese de Doutorado em Sociologia.

MINCER, J. Schooling, experience, and earnings. New York: NBER, 1974.

MYLES, John. Where have all the sociologists gone? Explaining income inequality. The Canadian Journal of Sociology, v. 28, n. 4, p. 551-559, 2003 <10.2307/3341842>.

OAXACA, Ronald. Male-female wage differentials in urban labor markets.

International Economic Review, v. 14, n. 3, p. 693-709, 1973 <10.2307/2525981>.

OSÓRIO, R. G. A mobilidade social dos negros brasileiros. Ipea: Texto para discussão 1033, 2004.

OSÓRIO, R. G. A desigualdade racial de renda no Brasil: 1976-2006. Brasília: Universidade de Brasília, 2009. Tese de doutorado em Sociologia.

PIKETTY, Thomas, SAEZ, Emmanuel. Income inequality in the United States 1913-1998. Quarterly Journal of Economics, v. 118, n. 1 p. 1-41, 2003 <10.1162/00335530360535135>.

RIBEIRO, C. A. C. Desigualdade de oportunidades no Brasil. Belo Horizonte: Argvmentvm, 2009.

ROCHA, E. F. O negro no mundo dos ricos: um estudo sobre a disparidade racial de riqueza no Brasil com os dados do censo demográfico de 2010. Universidade de Brasília: Brasília, 2015. Tese de doutorado em Sociologia.

SANTOS, José Alcides Figueiredo. Efeitos de classe na desigualdade racial no Brasil. Dados, v. 48, n. 1, p. 21-65, 2005 <10.1590/S0011-52582005000100003>.

SANTOS, José Alcides Figueiredo. Classe social e desigualdade de gênero no Brasil. Dados, v. 51 n. 2, p. 353-402, 2008 <10.1590/S0011-52582008000200005>.

SANTOS, José Alcides Figueiredo. A interação estrutural entre a desigualdade de raça e de gênero no Brasil. Revista Brasileira de Ciências Sociais, v. 24, n. 70, p. 37-60, 2009 <10.1590/S0102-69092009000200003>.

SCALON, Celi. Ensaios de estratificação. Belo Horizonte: Argumentum, 2009.

SOARES, S. S. D. O perfil da discriminação no mercado de trabalho: homens negros, mulheres brancas e mulheres negras. Ipea, Texto para discussão n. 769, 2000.

SØRENSEN, Aage B. Toward a sounder basis for class analysis. American Journal of Sociology, v. 105, n. 6, p. 1523-1558, 2000 <10.1086/210463>.

THERBORN, G. Sexo e poder: a família no mundo, 1900-2000. São Paulo: Editora Contexto, 2006.

TILLY, Charles. Durable inequality. Berkeley: University of California Press, 1999.

WRIGHT, Erik Olin; PERRONE, Luca. Marxist class categories and income inequality. American Sociological Review, v. 42, n. 1, p. 32-55, 1977 <10.2307/2117730>.

WRIGHT, E. O. Class structure and income determination. New York: Academic Press, 1979.

WRIGHT, E. O. Intersections and interactions: thinking about the relationship between class and other forms of inequality. Lecture 7, Sociology 298, 2002 <https://www.ssc.wisc.edu/~wright/SOC621/298lec7.pdf> (18 mar. 2015).

WRIGHT, E. O. Approaches to class analysis. New York: Cambridge University Press, 2005 <10.1017/CBO9780511488900>.

Publicado
2016-09-15
Como Citar
Nunes, J. H., & Santos, N. J. de V. e. (2016). A desigualdade no “topo”: empregadores negros e brancos no mercado de trabalho brasileiro. Civitas - Revista De Ciências Sociais, 16(2), e87-e109. https://doi.org/10.15448/1984-7289.2016.2.22735
Seção
Desigualdades, estratificação e justiça social