Para além da maldade, da loucura e da vitimização: agência intencional e volição em crimes violentos praticados por mulheres

  • José Luiz Ratton Universidade Federal de Pernambuco (UFPE)
  • Clarissa Galvão Universidade Federal de Pernambuco (UFPE)
Palavras-chave: Violência praticada por mulheres. Vitimização. Psiquiatrização. Volição. Agência.

Resumo

A literatura criminológica tem apontado há muitos anos que as mulheres matam muito mais raramente que os homens. O argumento central deste texto propõe que os assassinatos cometidos por mulheres não podem ser explicados deterministicamente por transtornos mentais ou processos de vitimização, antigos ou recentes. Sem excluir a eventualidade da existência de tais mecanismos psicossociais, buscamos discutir a ideia de que as mulheres também matam de forma deliberada, em atos que envolvem vontade (ou volição), intencionalidade, racionalidade, emoções como raiva e ódio, que podem estar associados de forma relativamente autônoma a processos de vitimização remotos ou recentes e mesmo a transtornos mentais passageiros ou permanentes.

Downloads

Não há dados estatísticos.

Biografia do Autor

José Luiz Ratton, Universidade Federal de Pernambuco (UFPE)

Professor e Pesquisador do Departamento de Sociologia e do Programa de Pós-Graduação em Sociologia da UFPE
Pesquisador visitante no Centro de Estudos e Documentação Latino-americanos, Amsterdã

Coordenador do Núcleo de Estudos e Pesquisas em Criminalidade, Violência e Políticas Públicas de Segurança (NEPS-UFPE)

Clarissa Galvão, Universidade Federal de Pernambuco (UFPE)

Doutora em Sociologia pela Universidade Federal de Pernambuco

 

Referências

ADORNO, Sérgio. Crime, justiça penal e desigualdade jurídica – as mortes que se contam no tribunal do júri. Revista USP, n. 21, p. 132-151, 1994.

ADLER, Freda; ADLER, Herbert Marcus; LEVINS, Hoag. Sisters in crime: the rise of the new female criminal. New York: McGraw-Hill, 1975.

COMACK, Elizabeth; BRICKEY, Salena. Constituting the violence of criminalized women 1. Canadian Journal of Criminology and Criminal Justice, v. 49, n. 1, p. 1-36, 2007.

CHESNEY-LIND, Meda. Women and crime: the female offender. Signs, v. 1, n. 1, p. 78-96, 1986.

ELSTER, Jon. Explaining technical change. Cambridge: Cambridge University Press, 1983.

ELSTER, Jon. Alchemies of the mind: rationality and the emotions. Cambridge: Cambridge University Press, 1999.

FLEMKE, Kimberly. Triggering rage: unresolved trauma in women’s lives. Contemporary Family Therapy, v. 31, n. 2, p. 123-139, 2009.

GLASER, Barney G.; STRAUSS, Anselm L. The discovery of grounded theory: strategies for qualitative research. New Brunswick: Transaction Publishers, 2009.

KATZ, Jack. Seductions of crime: moral and sensual attractions in doing evil. Basic Books, 1998.

KIRKWOOD, Deborah. Women who kill: a study of female homicide perpetrators in Victoria between 1985 and 1995. Monash University, Victoria, Austrália, 2000. (Unpublished doctoral dissertation).

LEMGRUBER, Julita. Cemitério dos vivos: análise sociológica de uma prisão de mulheres. Rio de Janeiro: Achiamé, 1983.

LEMGRUBER, Julita. Cemitério dos vivos: análise sociológica de uma prisão de mulheres. Rio de Janeiro: Forense, 1999.

MISSE, Michel. Crime e violência no Brasil contemporâneo: estudos de sociologia do crime e da violência urbana. Rio de Janeiro: Editora Lumen Juris, 2006.

MORRISSEY, Belinda. When women kill: questions of agency and subjectivity. New York: Routledge, 2003.

PORTELLA, Ana Paula; GALVÃO, Clarissa; ABATH, Manuela; RATTON Jr., José Luiz A.. Análise configuracional de homicídios: velhas e novas situações de violência letal contra as mulheres em Recife. Dilemas, v. 4, n. 3, p. 403-439, 2011.

RATTON, José Luiz. Violência e crime no Brasil contemporâneo: homicídios e políticas de segurança pública nas décadas de 80 e 90. Brasília: Cidade Gráfica e Editora, 1996.

RATTON, José Luiz; GALVÃO, Clarissa; ANDRADE, Rayane. Crime e gênero: controvérsias teóricas sobre a agência feminina. Temas da sociologia contemporânea. Rio de Janeiro: 7Letras, 2012. p. 177-196.

ROBERTSON-STAINSBY, Debra. The tales we tell: exploring the legal stories of Queensland women who kill. Queensland University of Technology, Brisbane, Austrália. 2011 (Unpublished doctoral dissertation).

SÁNCHEZ, Mariana Noemí. La mujer en la teoría criminológica. La Ventana, n. 20, p. 240-266, 2004 (03 abr. 2016).

SYKES, Gresham M.; MATZA, David. Techniques of neutralization: a theory of delinquency. American Sociological Review, v. 22, n. 6, p. 664-670, 1957.

WEARE, Siobhan. “The mad”,“the bad”,“the victim”: gendered constructions of women who kill within the criminal justice system. Laws, v. 2, n. 3, p. 337-361, 2013 <10.3390/laws2030337>.

WESELY, Jennifer K. Considering the context of women’s violence gender, lived experiences, and cumulative victimization. Feminist Criminology, v. 1, n. 4, p. 303-328, 2006.

WHITELEY, Kathryn Madonna. Women as victims and offenders: incarcerated for murder in the Australian criminal justice system. Queensland University of Technology, Brisbane, Austrália. 2012 (Unpublished doctoral dissertation).

Publicado
2016-05-19
Como Citar
Ratton, J. L., & Galvão, C. (2016). Para além da maldade, da loucura e da vitimização: agência intencional e volição em crimes violentos praticados por mulheres. Civitas - Revista De Ciências Sociais, 16(1), 26-41. https://doi.org/10.15448/1984-7289.2016.1.22365
Seção
Mulheres e violência