Sobre o “envelhecimento” dos “novos” movimentos sociais na Alemanha. Reflexões teóricas acerca de crise, paralisia e fim de um modelo exitoso

  • Leonie Wagner

Resumo

Sobre o “envelhecimento” dos “novos” movimentos sociais na Alemanha: reflexões teóricas acerca de crise, paralisia e fim de um modelo exitoso Por volta de meados da década de 1970, a opinião pública e a política na República Federal da Alemanha foram surpreendidas pelo surgimento em grande escala de movimentos sociais. Com uma presença pública inicialmente em constante crescimento e um efeito mobilizador notável, novos atores entraram em cena e chamaram a atenção para problemas sociais e políticos. O texto persegue a pergunta sobre o que resultou desta irrupção surpreendente, poderosa e cheia de imaginação. O desenvolvimento dos movimentos sociais na Alemanha Ocidental é discutido dentro do contexto histórico-político e das teorias sobre movimentos sociais. Com isso pretende-se elucidar influências dos movimentos sociais sobre contextos da sociedade e, ao revés, a importância da mudança na sociedade para os movimentos sociais. Depois de uma visão panorâmica sobre “velhos” e “novos” movimentos sociais na Alemanha, são analisadas as condições para o desenvolvimento de novos movimentos sociais na Alemanha Ocidental sob o prisma da institucionalização, da mudança nas formas de ação e de fazer política, das tendências à homogeneização e individualização, assim como da aceitação da diferença. Palavras-chave: Movimentos sociais; institucionalização; Alemanha.

Downloads

Não há dados estatísticos.
Publicado
2007-05-03
Como Citar
Wagner, L. (2007). Sobre o “envelhecimento” dos “novos” movimentos sociais na Alemanha. Reflexões teóricas acerca de crise, paralisia e fim de um modelo exitoso. Civitas - Revista De Ciências Sociais, 2(1), 29-53. https://doi.org/10.15448/1984-7289.2002.1.2205