América Latina, pentecostalismo e capitalismo periférico: Aproximações teóricas para além do culturalismo

  • Brand Arenari Universidade Humboldt
Palavras-chave: Sociologia da Religião. Pentecostalismo. América Latina.

Resumo

Neste trabalho, procuro mapear o desenvolvimento da análise sobre religião, e mais especificamente, sobre o pentecostalismo. Com este objetivo, pretendo analisar, sobretudo, os caminhos teóricos que buscam entender a nova onda de expansão religiosa dos últimos quarenta anos. Após a apresentação do modelo analítico e teórico sobre religião e pentecostalismo no século XX, situo minhas principais pretensões teóricas em relação aos estudos tradicionais sobre pentecostalismo e religião. Desse modo esforço-me para demonstrar como a visão sociológica dominante sobre religião atualmente, e, consequentemente, sobre o pentecostalismo, está relacionada com a mudança paradigmática que podemos chamar de culturalismo, a qual se iniciou, mais claramente, nos anos 80. Essa mudança negligenciou as causas “materiais” do desenvolvimento da religião, distanciando-se das explicações funcionalistas para valorizar aspectos “imaterias” da cultura.

Downloads

Não há dados estatísticos.

Referências

ALMEIDA, Ronaldo de; MONTEIRO, Paula. Trânsito religioso no Brasil. São Paulo em Perspectiva, v. 15, n. 3, p. 92-101, 2001.

ANDERSON, Allan. The gospel and culture in Pentecostal mission in the third world. 9th Conference of the European Pentecostal Charismatic Research Association, Missions Academy, University of Hamburg, Germany, 1999.

ANDERSON, Allan. An introduction to pentecostalism: global charismatic christianity. London: Cambridge University Press, 2004.

BURITY, Joanildo A. Cultura e identidade no campo religioso. Rio de Janeiro:UFRRJ, 1997.

CAMARGO, Cândido Procópio. Católicos, protestantes e espíritas. Petrópolis: Vozes, 1973.

CAMPOS, Leonildo Silveira. As origens norte-americanas do pentecostalismo brasileiro: observações sobre uma relação ainda pouco avaliada. Revista USP, n. 67, p. 100-115, 2005.

CORTEN, André. Os Pobres e o Espírito Santo: o pentecostalismo no Brasil.Petrópolis: Vozes, 1996.

D’EPINAY, Christian Lalive. O refúgio das massas. Rio de Janeiro: Paz e Terra. 1970.

EDER, Klaus. The new politics of class: social movements and cultural dynamics in advanced societies. London: Sage, 1995.

FRESTON, Paul. Evangelicals and politics in Asia, Africa and Latin America. Cambridge: Cambridge University Press, 2001.

FRY, Peter. Duas respostas à aflição: umbanda e pentecostalismo. São Paulo: Hucitec, 1975.

GILROY, Paul. The black Atlantic: modernity and double consciousness. Cambridge: Harvard UP, 1992.

HOLLENWEGER, Walter J. The pentecostals. London: SCM Press, 1972.

MANSILLA, Miguél Ángel. Sociologia y pentecostalismo. Civitas, v. 12, n. 3, p. 538-555, 2012.

MARIANO, Ricardo. Neopentecostais: sociologia do novo pentecostalismo brasileiro. São Paulo: Edições Loyola, 1999.

MARIANO, Ricardo. Análise sociológica do crescimento pentecostal no Brasil. São Paulo, 2001 (Tese de Doutorado em Sociologia, USP).

MARTIN, David. Tongues of fire: the explosion of Protestantism in Latin America. Oxford: Blackwell, 1990.

MARTIN, David. Forbidden revolutions: Pentecostalism in Latin America, Catholicism in Eastern Europe. London: SPCK, 1996.

MARTIN, David. The Pentecostals: the world their parish. Oxford: Blackwell, 2002.

NIEBUHR, H. Richard. As origens sociais das denominações cristãs. São Paulo: Aste, 1992.

WARNER, S. Book review of The churching of America, 1776-1990: winners and losers in our religious economy. Journal for the Scientific Study of Religion, v. 32, n. 3, p. 295-297, 1993b.

WILLEMS, Emilio. Followers of the new faith culture change and rise of protestantism in Brasil and Chile. Nashville: Vanderbilt University Press, 1967.

ROLIM, Francisco Cartaxo. Pentecostais no Brasil: uma interpretação sócio-religiosa. Rio de Janeiro: Vozes, 1985.

Publicado
2016-01-14
Como Citar
Arenari, B. (2016). América Latina, pentecostalismo e capitalismo periférico: Aproximações teóricas para além do culturalismo. Civitas - Revista De Ciências Sociais, 15(3), 514-527. https://doi.org/10.15448/1984-7289.2015.3.19642