Vozes que gritam e vozes silenciadas na América Latina

  • Maria da Gloria Gohn Universidade de São Paulo
Palavras-chave: Movimentos sociais. Protestos sociais. Manifestações populares. América Latina.

Resumo

Este texto tem por objetivo apresentar uma visão panorâmica dos principais movimentos sociais que ocorrem na América Latina na atualidade, especialmente no Brasil, Argentina e Bolívia, destacando, ao final, novas formas de movimentos sociais a exemplo das manifestações que ocorreram no Brasil em junho de 2013 e alguns de seus desdobramentos posteriores.

Downloads

Não há dados estatísticos.

Referências

ALI, Tariq et al. Occupy: movimentos de protestos que tomaram as ruas. São Paulo: Boitempo, 2012.

BARALDO, Natália. Conflictos y organización barrial en los tiempos del cielo y del as alto. In: Natália Baraldo et al. Mendoza ’70: tierra del sol y de luchas populares. Mendoza: Manuel Suárez Ed., 2006. p. 39-61.

BOGADO, Adriana M. Tecendo a política: itinerários de participação política de mulheres em movimentos sociais contemporâneos na Argentina. São Carlos: Universidade Federal de São Carlos, 2009 (Tese de Doutorado).

CASTELLS, Manuel. Redes de indignação e esperança. São Paulo: Zahar, 2013.

CATTANI, Antonio; CIMADAMORE, Alberto (orgs.). Produção de pobreza e desigualdade na América Latina. Porto Alegre: Tomo Editorial, 2007.

CIAVATTA, Maria (org.). Memória e temporalidades do trabalho e da educação. Rio de Janeiro: Lamparina, 2007.

CHINIGLIOLI, Evangelina. La experiencia educativa de los bachilleratos populares en movimientos sociales de la Argentina. Córdoba: Universidad Nacional de Córdoba, 2009 (Trabalho de conclusão de curso).

DANET, Nicolas; BARDEAU, Frédéric. Anonymous: peuvent-ils changer le monde? Paris: FYP Editions, 2011.

DELLA PORTA, Donatella. O movimento por uma nova globalização. São Paulo: Loyola, 2007.

DEPUIS-DÉRI, Francis. Black Blocs. São Paulo: Veneta, 2014.

DI MARCO, Graziela; PALOMINO, Héctor. Reflexiones sobre los movimientos sociales en la Argentina. Buenos Aires: Unansam, 2004.

GOHN, Maria da Glória. Manifestações de junho de 2013 no Brasil e as praças dos indignados no mundo. Petrópolis: Vozes, 2014a.

GOHN, Maria da Glória. Sociologia dos movimentos sociais. 2. ed. São Paulo: Cortez Ed., 2014b.

GOHN, Maria da Glória. Teorias dos movimentos sociais: paradigmas clássicos e contemporâneos. 11. ed. São Paulo: Loyola, 2014c.

GOHN, Maria da Glória. Movimentos sociais e redes de mobilizações civis no Brasil contemporâneo. 7. ed. Petrópolis: Vozes, 2013a.

GOHN, Maria da Glória. Movimentos e lutas sociais na História do Brasil. 8. ed. São Paulo: Loyola. 2013b.

GONTERO, Alejandra. Ensayo sobre el movimiento campesino em Córdoba (MCC). Córdoba, 2009.

HESSEL, Stéphane. Indignai-vos! 3. ed. Lisboa: Objectiva, 2011.

HOLSTON, John. Cidadania insurgente. São Paulo: Companhia das Letras, 2013.

HONNETH, Axel. Luta por reconhecimento: a gramática moral dos conflitos sociais. São Paulo: Editora 34, 2003.

LONGO, Roxana; AGOSTO, Patrícia, KOROL; Claudia et al. Triple fronteira: resistências populares a la recolonización del continente. Buenos Aires: América Libre, 2008. Melucci , Alberto. Challeging codes. Cambridge: Cambridge Press, 1996.

MOORE JR, Barrington. Injustiça: as bases sociais da obediência e da revolta. São Paulo: Brasiliense, 1987.

Mirza , Christian Adel. Movimientos sociales y partidos políticos en América Latina. Buenos Aires: Clacso, 2006.

Negri , Antonio; Cocco , Giuseppe. Global: biopoder e luta em uma América Latina globalizada. São Paulo: Record, 2005.

ONOFRIO, Sérgio. La relación entre movimientos sociales y educación. Córdoba: Universidad Nacional de Córdoba, 2009 (Trabalho de conclusão de curso).

ROSENMANN, M. R. Los indignados: el resgate de la politica. Madri: Akal, 2012.

SOBOTTKA, Emil A.; SAAVEDRA, Giovani A. (orgs.). Reconhecimento e teoria crítica. Civitas – Revista de Ciências Sociais, v. 8, n. 1, 2008. .

SVAMPA, Maristella. Cambio de época: movimientos sociales y poder político. Buenos Aires: Siglo XXI, 2008.

Touraine , Alain. Un nouveau paradigme. Paris: Fayard, 2005.

Touraine , Alain. O mundo das mulheres. Petrópolis: Vozes, 2007.

VITULLO, Gabriel. Teorias da democratização e democracia na Argentina contemporânea. Porto Alegre: Sulina, 2007.

WALSH, Catherine. Desenvolvimento como buen vivir: arranjos institucionais e laços (des)coloniais. Revista Nuevamérica, n. 126, p. 27-31, 2010.

ZIBAS, Dagmar. A revolta dos pinguins e o novo pacto educacional chileno. Revista Brasileira de Educação, v. 13, n. 38, p. 199-220, 2008.

Publicado
2016-01-14
Como Citar
Gohn, M. da G. (2016). Vozes que gritam e vozes silenciadas na América Latina. Civitas: Revista De Ciências Sociais, 15(3), 491-509. https://doi.org/10.15448/1984-7289.2015.3.19476
Seção
América Latina como lugar de enunciação: vozes dissidentes, modernidades dissonantes