O parto em contexto: Narrativas da gravidez entre gestantes no Rio de Janeiro

  • Claudia Barcellos Rezende UERJ

Resumo

Neste trabalho, busco refletir sobre a centralidade do parto como projeto, presente em certos grupos de gestante e mesmo em políticas de humanização do parto. A partir de entrevistas com mulheres de camadas médias do Rio de Janeiro que esperavam seus primeiros filhos, discuto como este material constitui-se em uma narrativa, com começo (o desejo de ter filhos e a concepção), meio (a mudança nos comportamentos e na relação com outros) e fim (o parto antecipado). Examino quais elementos e fios condutores se destacam, quais atores sociais são incorporados nestas histórias e de que modo. Argumento que a gravidez pode ser vista como uma categoria cultural que informa a experiência física e subjetiva da gestação, articulada a noções de pessoa e gênero. O material analisado sugere que a gravidez como um todo, incluindo o parto, se torna um projeto para as mulheres pesquisadas, tensionado entre noções de feminilidade e de maternidade.

Downloads

Não há dados estatísticos.

Referências

ALMEIDA, Maria Isabel Mendes de. Maternidade, um destino inevitável? Rio de Janeiro: Campus, 1987.

ARAÚJO, Clara; SCALON, Celi. Percepções e atitudes de mulheres e homens sobre a conciliação entre família e trabalho pago no Brasil. In: Clara Araújo; Celi Scalon (Orgs.). Gênero, família e trabalho no Brasil. Rio de Janeiro: FGV, 2005. p. 15-77.

ARFUCH, Leonor. O espaço biográfico: dilemas da subjetividade contemporânea. Rio de Janeiro: Uerj, 2010.

BARROS, Myriam Lins de; CORREA, Ana Carolina Ferraz; ARNALDO, Camila Cunha; STEFFENON, R. Mulheres, geração e trabalho. Interseções: Revista de Estudos Interdisciplinares, v. 11, n. 2, p. 335-351, 2009.

CADONÁ, Eliane; STREY, Marlene Neves. A produção da maternidade nos discursos de incentivo à amamentação. Revista Estudos Feministas, v. 22, n. 2, p. 477-499, 2014. (29 set. 2014).

CARNEIRO, Rosamaria Giatti. E parto natural é arriscado, é? Notas etnográficas de experiências femininas de parto humanizado. Revista Coletiva, v. 9, p. 1-5, 2012 (28 set. 2014).

DAVIS-FLOYD, Robbie E. The rituals of American hospital birth. In: David McCurdy (Org.). Conformity and conflict: readings in cultural anthropology. 8. ed. New York: Harper Collins, p. 323-340, 1994.

DINIZ, Simone. Humanização da assistência ao parto no Brasil: os muitos sentidos de um movimento. Ciência & Saúde Coletiva, v. 10, n. 3, p. 627-637, 2005 .

FOUCAULT, Michel. Vigiar e Punir. Petrópolis: Vozes, 1977.

HIRSCH, Olivia Nogueira. “O parto humanizado”: um estudo comparativo sobre gravidez, corpo e identidades. Rio de Janeiro, 2011. Texto de qualificação para o doutorado, Programa de Pós-Graduação em Ciências Sociais, PUC-Rio.

IVRY, Tsipy. Embodying culture: pregnancy in Japan and Israel. London: New Brunswick, 2010.

LO BIANCO, Anna Carolina. A psicologização do feto. In: Sérvulo Figueira (Org.). Cultura da psicanálise. São Paulo: Brasiliense, 1985. p. 94-115.

LUPTON, Deborah; SCHMIED, Virginia. Splitting bodies⁄selves: women’s concepts of embodiment at the moment of birth. Sociology of Health & Illness, v. 35, n. 6, p. 828-841,

(29 set. 2014).

MAYBLIN, Maya. The madness of mothers: agape, love and the maternal myth in Northeast Brazil. American Anthropologist, v. 114, n. 2, p. 240-252, 2011.

MENDONÇA, Sara Sousa. Mudando a forma de nascer: agência e construções de verdades entre ativistas pela humanização do parto. Rio de Janeiro, 2013. Dissertação de mestrado em Antropologia, Universidade Federal Fluminense.

MORGAN, Lynn. Imagining the unborn in the Ecuadorean Andes. Feminist Studies,

v. 23, n. 2, p. 323-350, 1997.

RABINOW, Paul; ROSE, Nikolas. O conceito de biopoder hoje. Revista de Ciências Sociais: Política & Trabalho, n. 24, p. 27-57, 2006.

RAGONÉ, Helena. Chasing the blood tie: surrogate mothers, adoptive mothers and fathers. In: Louise Lamphere; Helena Ragoné; Patricia Zavella (Orgs.). Situated lives: gender and culture in everyday life. Londres: Routledge, 1997. p. 110-127.

REZENDE, Claudia Barcellos. The experience of pregnancy: subjectivity and social relations. Vibrant, v. 8, p. 529-549, 2011a.

REZENDE, Claudia Barcellos. Um estado emotivo: representação da gravidez na mídia. Cadernos Pagu, v. 36, p. 315-344, 2011b.

REZENDE, Claudia Barcellos. Em torno da ansiedade: subjetividade, mudança e gravidez. Interseções: Revista de Estudos Interdisciplinares, v. 14, p. 438-454, 2012a.

REZENDE, Claudia Barcellos. Trust between pregnant women and their obstetricians. Viena, 2012b. Trabalho apresentado no 54. International Congress of Americanists.

SALEM, Tania. O casal grávido: disposições e dilemas da parceria igualitária. Rio de Janeiro: FGV, 2007.

SCAVONE, Lucila. Maternidade: transformações na família e nas relações de gênero. Interseções: Revista de Estudos Interdisciplinares, v. 5, n. 8, p. 47-60, 2001.

THOMPSON, Charis. Strategic naturalizing: kinship in an infertility clinic. In: Sarah Franklin; Susan McKinnon (Orgs.). Relative values: reconfiguring kinship studies. Durham: Duke University Press, 2001. p. 175-202.

THOMSON, Rachel; KEHILY, Mary Jane; HADFIELD, Lucy; SHARPE, Sue. Making modern mothers. Bristol: Policy Press, 2011.

TORNQUIST, Carmem Susana. Armadilhas da nova era: natureza e maternidade no ideário da humanização do parto. Revista Estudos Feministas, v. 10, n. 2, p. 483-492, 2002 .

Publicado
2015-09-04
Como Citar
Rezende, C. B. (2015). O parto em contexto: Narrativas da gravidez entre gestantes no Rio de Janeiro. Civitas - Revista De Ciências Sociais, 15(2), 214-228. https://doi.org/10.15448/1984-7289.2015.2.18947