O parto “natural” e “humanizado” na visão de mulheres de camadas médias e populares no Rio de Janeiro

  • Olivia Nogueira Hirsch Pontifícia Universidade Católica do Rio de Janeiro (PUC-Rio)
Palavras-chave: Parto humanizado. Camadas populares. Camadas médias.

Resumo

Nesse artigo, fruto de uma pesquisa de doutorado, pretende-se compreender os significados atribuídos ao parto “humanizado” por mulheres provenientes de diferentes camadas sociais. O trabalho incluiu entrevistas e observação participante em dois universos, ambos na cidade do Rio de Janeiro: uma casa de parto pública e um curso privado de preparação para o parto, oferecido por uma ativista da ReHuNa. Os dados colhidos sugerem que as mulheres de camadas médias investigadas dão grande valor à redução das intervenções médicas de rotina e à sensação corporal, que é considerada uma via para o aperfeiçoamento subjetivo. Já para as entrevistadas de camadas populares, o que mais se valoriza na proposta é o tratamento dispensado pelos profissionais de saúde que trabalham na casa parto e o fato de serem reconhecidas como “pessoas” e não apenas como um corpo que dá à luz, como costuma ocorrer nas maternidades públicas brasileiras.

Downloads

Não há dados estatísticos.

Biografia do Autor

Olivia Nogueira Hirsch, Pontifícia Universidade Católica do Rio de Janeiro (PUC-Rio)
Doutora em Ciências Sociais pela Pontifícia Universidade Católica do Rio de Janeiro (PUC-Rio) e professora na mesma universidade.

Referências

BOSI, Maria Lúcia Magalhães; AFFONSO, Kátia de Carvalho. Cidadania, participação popular e saúde: com a palavra os usuários da Rede Pública de Serviços. Cadernos de Saúde Pública, v. 14, n. 2, p. 355-365, 1998.

CARNEIRO, Rosamaria Giatti. Cenas de parto e políticas do corpo: uma etnografia de práticas femininas de parto humanizado. Campinas, 2011. Tese de doutorado em Ciências Sociais, Universidade Estadual de Campinas.

DINIZ, Carmen Simone Grilo. Humanização da assistência ao parto no Brasil: os muitos sentidos de um movimento. Ciência & Saúde Coletiva, v. 10, n. 3, p. 627-637, 2005.

DUARTE, Luiz Fernando Dias. O império dos sentidos: sensibilidade, sensualidade e sexualidade na cultura ocidental moderna. In: Maria Luiza Heilborn (Org.). Sexualidade: o olhar das ciências sociais. Rio de Janeiro: Jorge Zahar Editor, 1999. p. 21-30.

DAMATTA, Roberto. Carnavais, malandros e heróis: para uma sociologia do dilema brasileiro. 6. ed. Rio de Janeiro: Rocco, 1997.

DAMATTA, Roberto. Individualidade e liminaridade: considerações sobre os ritos de passagem e a modernidade. Mana, v. 6, n. 1, p. 7-29, 2000.

DAVIS-FLOYD, Robbie. The technocratic body: American childbirth as cultural expression. Social Science and Medicine, v. 38, n. 8, p. 1125-1140, 1994.

FADYNHA. A doula no parto: o papel da acompanhante de parto especialmente treinada para oferecer apoio contínuo físico e emocional à parturiente. São Paulo: Editora Ground, 2011.

FRANCHETTO, Bruna; CAVALCANTI, Maria Laura; HEILBORN, Maria Luiza. Antropologia e feminismo. In: Bruna Franchetto; Maria Laura Cavalcanti; Maria Luiza Heilborn (Orgs.). Perspectivas antropológicas da mulher. v. 1. Rio de Janeiro: Zahar Editores, 1981. p. 11-47.

HIRSCH, Olivia. O parto “natural” e “humanizado”: um estudo comparativo

entre mulheres de camadas populares e médias no Rio de Janeiro. Rio de Janeiro, 2014. Tese de doutorado em Ciências Sociais, Pontifícia Universidade Católica do Rio de Janeiro.

IPEA. Retrato das desigualdades de gênero e raça. Brasília: Ipea, 2011.

JONHSON, Candace. The political “nature” of pregnancy and childbirth. Canadian Journal of Political Science, v. 41, n. 4, p. 889-913, 2008.

LEAL, Maria do Carmo; PEREIRA, Ana Paula Esteves; DOMINGUES, Rosa Maria Soares Madeira; FILHA, Mariza Miranda Theme; DIAS, Marcos Augusto Bastos; NAKAMURA-PEREIRA, Marcos; BASTOS, Maria Helena;

GAMA, Silvana Granado Nogueira. Intervenções obstétricas durante o trabalho de parto e parto em mulheres brasileiras de risco habitual. Cadernos de Saúde Pública, v. 30, supl. 1,

p. S17-S32, 2014.

LE BRETON, David. Antropología del dolor. Barcelona: Editorial Seix Barral, 1999.

MARTIN, Emily. A mulher no corpo: uma análise cultural da reprodução. Rio de Janeiro: Garamond, 2006.

MCCALUM, Cecília; REIS, Ana Paula. Re-significando a dor e superando a solidão: experiências do parto entre adolescentes de classes populares atendidas em uma maternidade pública de Salvador, Bahia, Brasil. Cadernos de Saúde Pública, v. 22,

n. 7, p. 1483-1491, 2006.

NELSON, Margaret K. Working-class women, middle class women, and models of childbirth. Social problems, v. 30, n. 3, p. 284-297, 1983.

RATTNER, Daphne; SANTOS, Marcos Leite dos; LESSA, Heloisa; DINIZ, Simone Grilo. ReHuNa – a Rede pela Humanização do Parto e Nascimento. Revista Tempus: Actas de Saúde Coletiva, v. 4, n. 4, p. 215-228, 2010.

SALEM, Tania. O casal grávido: disposições e dilemas da parceria igualitária. Rio de Janeiro: Editora FGV, 2007.

SCAVONE, Lucila. A maternidade e o feminismo: diálogo com as ciências sociais. Cadernos Pagu, v. 16, p. 137-150, 2001.

TORNQUIST, Carmen S. Paradoxos da humanização em uma maternidade no Brasil. Cadernos de Saúde Pública, v. 19, n. 2, p. S419-S427, 2003.

TORNQUIST, Carmen S. Parto e poder: o movimento pela humanização do parto no Brasil. Florianópolis, 2004. Tese de doutorado em Antropologia Social, Universidade Federal de Santa Catarina.

VAN GENNEP, Arnold. Os ritos de passagem. Petrópolis: Vozes, 1978.

ZADOROZNYJ, Maria. Social class, social selves and social control in childbirth. Sociology of Health & Illness, v. 21, n. 3, p. 267-289, 1999.

Publicado
2015-09-04
Como Citar
Hirsch, O. N. (2015). O parto “natural” e “humanizado” na visão de mulheres de camadas médias e populares no Rio de Janeiro. Civitas - Revista De Ciências Sociais, 15(2), 229-249. https://doi.org/10.15448/1984-7289.2015.2.17933