O tabu do parto: Dilemas e interdições de um campo ainda em construção

  • Elaine Muller Universidade Federal de Pernambuco
  • Laís Rodrigues Universidade Federal de Pernambuco
  • Camila Pimentel Universidade Federal de Pernambuco
Palavras-chave: Parto. Pesquisa Social. Feminismo. Neutralidade.

Resumo

O artigo se debruça sobre a receptividade das pesquisas sobre parto e nascimento no âmbito das Ciências Sociais. Se, por um lado, percebe-se a paulatina consolidação de um campo de pesquisa, a partir de demandas sociais que emergiram em face do atual cenário obstétrico brasileiro, no qual diferentes discursos são articulados entre políticas públicas e movimentos sociais; por outro, há uma recorrente deslegitimização tanto das pesquisas e problemáticas trabalhadas quanto das pesquisadoras e suas motivações. Dito isto, e a partir de experiências vivenciadas pelas autoras no contexto acadêmico e/ou feminista, apresentamos uma reflexão crítica sobre alguns comentários ouvidos nesses ambientes, identificando-os com o discurso hegemônico que não problematiza o cenário obstétrico. Para ilustrar, optamos por analisar a episiotomia como intervenção emblemática na assistência ao parto no Brasil, que condensa expressões dos saberes e poderes formulados e reproduzidos sobre o corpo da mulher.

Downloads

Não há dados estatísticos.

Referências

CARNEIRO, Rosamaria G. Cenas de parto e políticas do corpo: uma etnografia de práticas femininas de parto humanizado. Campinas, 2011. Tese de doutorado em Ciências Sociais, Universidade Estadual de Campinas, Unicamp.

DAVIS-FLOYD, Roobie. Birth as an American rite of passage. Berkeley: University of California Press, 1984.

DINIZ, Carmen Simone Grilo. Assistência ao parto e relações de gênero: elementos para uma releitura médico-social. São Paulo, 1997. Dissertação de mestrado em Medicina, Universidade de São Paulo, USP.

DINIZ, Carmen Simone Grilo. Entre a técnica e os direitos humanos: limites e possibilidades das propostas de humanização do parto. São Paulo, 2001. Tese de doutorado em Medicina, Universidade de São Paulo, USP.

DINIZ, Simone; CHACHAM, Alessandra. The cut above and the cut below: the abuse of caesareans and episiotomy in São Paulo, Brazil. Reproductive Health Matters,

v. 12, p. 100-110, 2004.

DOSSIÊ Humanização do Parto. São Paulo: Rede Nacional Feminista de Saúde, Direitos Sexuais e Direitos Reprodutivos, 2002.

FLEISCHER, Soraya Resende. Parteiras, buchudas e aperreios: uma etnografia do atendimento obstétrico não oficial na cidade de Melgaço, Pará. Porto Alegre, 2007. Tese de doutorado em Antropologia Social, Programa de Pós-graduação em Antropologia Social, Ufrgs.

FOUCAULT, Michel. A ordem do discurso. 21. ed. São Paulo: Edições Loyola, 2011.

FREUD, Sigmund. Totem e tabu: algumas concordâncias entre a vida psíquica dos homens primitivos e a dos neuróticos. São Paulo: Companhia das Letras, 2013.

GEERTZ, Clifford. Nova luz sobre a antropologia. Rio de Janeiro: Jorge Zahar Editor, 2001.

GEPSHTEIN, Yana. Happiness as an outcome of childbirth: the perspective of traditional Japanese midwives and their patients. In: Anna Mäkinen; Paul Hájek (Orgs.). Psychology of Happiness. New York: Nova Science Publishers Inc., 2010.

p. 157-167.

HOTIMSKI, Sonia. Parto e nascimento no ambulatório e na casa de partos da Associação comunitária Monte Azul: uma abordagem antropológica. São Paulo, 2001. Dissertação de mestrado em Saúde Pública, Universidade de São Paulo, USP.

LÉVI-STRAUSS, Claude. As estruturas elementares do parentesco. 5. ed. Petrópolis: Vozes, 2009.

MELO, Júlia Morim; MULLER, Elaine; GAYOSO, Daniella Bittencourt. Parteiras tradicionais de Pernambuco: saberes, práticas e políticas. Florianópolis, 2013. Anais do Seminário Internacional Fazendo Gênero 10.

MUNIZ, Diva. Apresentação. In: Cristina Stevens (Org.). Maternidade e feminismo: diálogos interdisciplinares. Ilha de Santa Catarina: Editora Mulheres, 2007. p. 9-15.

PROGIANTI, Jane Márcia; ARAÚJO, Luciene; MOUTA, Ricardo José. Repercussões da episiotomia sobre a sexualidade. Escola Anna Nery - Revista de Enfermagem, v. 12, n. 1, p. 45-49, 2008.

RATTNER, Daphne. Subsídios para a avaliação da qualidade do processo de assistência ao parto. São Paulo, 1991. Dissertação de mestrado em Epidemiologia, Universidade de São Paulo, USP.

SALGADO, Heloisa de Oliveira. A experiência da cesárea indesejada: perspectivas das mulheres sobre decisões e suas implicações no parto e nascimento. São Paulo, 2012. Dissertação de mestrado em Saúde Pública, Faculdade de Saúde Pública, USP.

SCAVONE, Lucila. Dar e cuidar da vida: feminismo e ciências sociais. São Paulo: Editora Unesp, 2004.

SPINK, Peter. Pesquisa de campo em psicologia social: uma perspectiva pós-construcionista. Psicologia e Sociedade. São Paulo: Abrapso, v. 15, n. 2, p. 18-42, 2003.

STEVENS, Cristina. Maternidade e feminismo: diálogos na literatura contemporânea. In: Cristina STEVENS (Org.). Maternidade e feminismo: diálogos interdisciplinares. Ilha de Santa Catarina: Editora Mulheres, 2007. p. 17-78.

SZTUTMAN, Renato. Natureza e cultura, versão americanista – um sobrevoo. Ponto Urbe – Revista do Núcleo de Antropologia Urbana da USP, São Paulo, v. 3, n. 4, p. 1-23, 2009.

TORNQUIST, Carmen Suzana. Parto e poder: análise do movimento pela humanização do parto no Brasil. Florianópolis, 2004. Tese de doutorado em Antropologia Social, Universidade Federal de Santa Catarina, UFSC.

TORNQUIST, Carmen Suzana. Armadilhas da nova era: natureza e maternidade no ideário da humanização do parto. Estudos Feministas, v. 10, n. 2, p. 483-492, 2002.

Publicado
2015-09-04
Como Citar
Muller, E., Rodrigues, L., & Pimentel, C. (2015). O tabu do parto: Dilemas e interdições de um campo ainda em construção. Civitas - Revista De Ciências Sociais, 15(2), 272-293. https://doi.org/10.15448/1984-7289.2015.2.17928