O lugar da comunicação na gestão educacional: dimensões possíveis e riscos de incomunicação

  • Rosângela Florczak Pontifícia Universidade Católica do Rio Grande do Sul, Porto Alegre, RS
Palavras-chave: Comunicação. Gestão Educacional. Dimensões. Incomunicação.

Resumo

Ao ser incluída como parte efetiva da gestão de uma organização educacional, a comunicação pode contribuir em diferentes dimensões. Tendo o diálogo e a mediação como princípios de intervenção, o saber da comunicação transcende a dimensão instrumental, agindo também no espaço pedagógico, no âmbito administrativo e na dimensão da sustentabilidade do sistema de ensino, escola de educação básica ou instituição de ensino superior. O presente artigo dialoga sobre o lugar da comunicação nas organizações educacionais. Considerando a sociedade aberta (WOLTON, 2006, 2010), na qual as incertezas tomam o lugar das verdades definitivas da modernidade, a escola encontra-se em verdadeiro turbilhão de mudanças. Mais do que nunca, a comunicação precisa superar-se para contribuir efetivamente na busca do diálogo e da construção de sentido para as mudanças necessárias.

Downloads

Não há dados estatísticos.

Biografia do Autor

Rosângela Florczak, Pontifícia Universidade Católica do Rio Grande do Sul, Porto Alegre, RS

Mestre em comunicação Social / PUCRS. Gerente de Comunicação Corporativa da Rede Marista - RS

Referências

CAMPOS, A.A. A produção do conhecimento: teoria e ciência dos modelos. Revista Tempo e Memória, jan-jul 2004; ano 2, número 2.

CASTROGIOVANNI, Antônio Carlos. A complexidade do espaço geográfico escola: lugar para estudar ou entre-lugar para turistificar?.Cadernos do Aplicação (UFRGS), 2006, vol. 19.

DUARTE, Jorge; BARROS, Antonio. Métodos e técnicas de pesquisa em comunicação. São Paulo: Atlas, 2006

FRANÇA, Lilian Cristina Monteiro. Caos – Espaço – Educação. . São Paulo: Annablume, 1994.

FREITAS, S.G. Cultura organizacional e comunicação. In: KUNSCH, Margarida Maria Krohling. (org.). Obtendo resultados com relações públicas. São Paulo: Thomson Pioneira, 2004.

GADOTTI, Moacyr. Perspectivas atuais da educação. São Paulo Perspec. [online]. 2000, vol.14, n.2, p. 03-11.

HUTMACHER, W. A escola em todos os seus estados: das políticas de sistemas às estratégias de estabelecimento. In: NÓVOA Antônio, As Organizações Escolares em Análise. Lisboa: Publicações Dom Quixote, 1982.

LIBÂNEO, José. Carlos; SANTOS, Akiko. As teorias pedagógicas modernas revisitadas pelo debate contemporâneo. In: Educação na era do conhecimento em rede e transdisciplinaridade.Campinas, SP: Alínea, 2005.

LÜCK, Heloisa. Gestão educacional: uma questão paradigmática. Petrópolis: Vozes, 2006.

MACHADO, Nilson José. Cidadania e educação. São Paulo: Escrituras Editora, 1997.

MARCHIORI, Marlene. (org.) Faces da Cultura e da comunicação organizacional. São Caetano do Sul, São Paulo: Difusão Editora, 2006.

MARCONDES FILHO, Ciro. Até que ponto de fato nos comunicamos? São Paulo: Paulus, 2004.

MARTINAZZO, Celso José. A utopia de Edgar Morin: da complexidade à concidadania planetária. Ijuí: Unijuí, 2004, 2 ed.

MORIN, Edgar. Da necessidade de um pensamento complexo. In: MARTINS, Francisco Menezes e SILVA, Juremir Machado da. Para navegar no século XXI: tecnologias do imaginário e cibercultura. Porto Alegre:Sulina/EDIPUCRS, 1991.

______, E. Ciência com consciência. Rio de Janeiro: Bertrand Brasil, 1996.

____, E. Os sete saberes necessários à educação do futuro. São Paulo: Cortez; Brasília:Unesco, 2000.

______, E. A necessidade de um pensamento complexo. In: MENDES, C. (org.) Representação e complexidade. Rio de Janeiro: Garamond, 2003a.

_____, E.; CIURANA, E. R.; MOTTA, R. D. Educar na era planetária: o pensamento complexo como método de aprendizagem pelo erro e incerteza humana. Tradução de Sandra Trabucco Valenzuela; São Paulo: Cortez; Brasília, DF: UNESCO, 2003b.

______, E. Introdução ao Pensamento Complexo. Porto Alegre: Sulina, 2005a.

______, E. O método 3: o conhecimento do conhecimento. Porto Alegre: Sulina, 2005b.

______, E. A Cabeça bem feita. Porto Alegre: Sulina, 2008.

NÓVOA, Antônio (Coord.). As organizações escolares em análise. Lisboa: Publicações DomQuixote/Instituto de Inovação Educacional, 1982

POURTOIS, Jean- Pierre; DESMET, Huguette. A Educação Pós-Moderna. Lisboa: Instituto Piaget, 1997.

SCHAFRANSKI, Márcia Derbli. A educação e as transformações da sociedade, Publ. UEPGCi. Hum. Ci. Soc. Apl. Ling., Letras e Artes, Ponta Grossa, 13 (2) 101-112, dez. 2005.

SCROFERNEKER, Cleusa Maria Andrade. Trajetórias teórico-conceituais da Comunicação Organizacional. In Revista Famecos: mídia, cultura e tecnologia. Porto Alegre: dezembro, 2006.

SODRÉ, Muniz. As Estratégias Sensíveis: Afeto, mídia e política. Petrópolis, RJ: Vozes, 2006.

________, Muniz. Antropológica do espelho: uma teoria da comunicação linear e em rede.Petrópolis: Vozes, 2002.

WOLTON, Dominique. É preciso salvar a comunicação. São Paulo: Paulus, 2006.

_________, Dominique. Informar não é comunicar. Porto Alegre: Sulina, 2010

Publicado
2011-12-31
Como Citar
Florczak, R. (2011). O lugar da comunicação na gestão educacional: dimensões possíveis e riscos de incomunicação. Caderno Marista De Educação, 8. Recuperado de https://revistaseletronicas.pucrs.br/ojs/index.php/caderno-marista-de-educacao/article/view/37207
Edição
Seção
Artigos