Incorporação e comprometimento

Pode a via estética de Arnold Berleant dar sentido à ação ambiental?

Palavras-chave: Estética da natureza, Ética Ambiental, Percepção estética, Incorporação, Comprometimento

Resumo

Neste artigo apresentamos as principais linhas de determinação da abordagem estética de Arnold Berleant, assim como as objeções que lhe são lançadas pelo filósofo ambiental Holmes Rolston III. Tratando-se de uma perspetiva emotivista, a conceptualização de Berleant não faculta a compreensão de uma estética da natureza de significado ético, penalizando, deste modo, o diálogo entre a apreciação estética e a ação. No entanto, a nosso ver, a dimensão sensitiva do apreciante aqui retratada, constitui uma valiosa perspetiva sobre a multidimensionalidade da experiência estética da natureza e, logo, um contributo fundamental que deve ser integrado e afirmado na correlação entre a estética e a ética ambientais.  

Downloads

Não há dados estatísticos.

Biografia do Autor

Maria José Varandas , Centro de Filosofia da Universidade de Lisboa (CFUL), Lisboa, Portugal.

Doutoramento e mestrado em Filosofia, no ramo de especialização de Filosofia da Natureza e do Ambiente, pela Faculdade de Letras da Universidade de Lisboa, em Lisboa, Portugal. Licenciatura em Filosofia. Membro Permanente do Centro de Filosofia da FLUL. Presidente da Sociedade de Ética Ambiental (2010-2016) e membro da direção (2016-2021).

Referências

BECKERT, Cristina. A Estética do Invisível na Natureza. Philosophica, Lisboa, n. 29, p. 7-17, 2007.

BERLEANT, Arnold. The Aesthetics of Environment. Philadelphia: Temple University Press, 1992.

BERLEANT, Arnold. Living in the Landscape, Toward an Aesthetics of Environment. Kansas: University Press of Kansas, 1997.

BERLEANT, Arnold. Ideas for a Social Aesthetic. In: LIGHT, Andrew; SMITH, Jonathan (ed.). The Aesthetics of Everyday Life. New York: Columbia University Press, 2005. p. 23-38.

BERLEANT, Arnold. Estética da Arte e Natureza.Tradução de Luís Sá. In: SERRÃO, Adriana Veríssimo (coord.). Filosofia da Paisagem, uma Antologia. Lisboa: CFUL, 2011. p. 282-292.

BERLEANT, Arnold. Estética e Ambiente. Tradução de Luís Sá. In: SERRÃO, Adriana Veríssimo (coord.). Filosofia da Paisagem, uma Antologia. Lisboa: CFUL, 2011. p. 378-394.

LEOPOLD, Aldo. A Sand County Almanac, With Essays on Conservation from Round River. New York: Ballantine Books, 1966.

MERLEAU-PONTY, Maurice. Phénoménologie de la Percepcion. Paris: Gallimard, 1945.

MERLEAU-PONTY, M. L’Oeil et l’Esprit. Paris: Gallimard, 1964.

ROLSTON III, Holmes. Are values in Nature subjective or objective? Environmental Ethics, Charlottesville, v. 4, p. 125-151, 1982.

ROLSTON III, Holmes. Beauty and the Beast: Aesthetic Experience of Wildlife. In: DECKER, Daniel; GOFF, Gary (ed.). Valuing Wildlife: Economic and Social Perspectives. Boulder: WestView Press, 1987. p. 187-196.

ROLSTON III, Holmes. Environmental Ethics: Duties to and values in the Natural World. Philadelphia: Temple University Press, 1988.

ROLSTON III, Holmes. Does Aesthetic Appreciation of Landscapes Need to be Science-Based? British Journal of Aesthetics, Oxford, v. 35, n. 4, p. 374-386, oct. 1995.

ROLSTON III, Holmes. Nature for Real: Is Nature a Social Construct? In: CHAPPELL, T. D. J. (ed.). The Philosophy of Environment. Edinburgh: University of Edinburgh Press, 1997. p. 38-64.

ROLSTON III, Holmes. Aesthetic Experience in Forests. Journal of Aesthetics and Art Criticism, Oxford, v. 56, n. 2, p. 157-166, spring 1998.

ROLSTON III, Holmes. Aesthetics in the Swamps. Perspectives in Biology and Medicine, Baltimore, v. 43, n. 4, p. 584-597, summer 2000.

ROLSTON III, Holmes. From Beauty to Duty: Aesthetics of Nature and Environmental Ethics. In: CARLSON, Allen and LINTOTT, Sheila (ed.). Nature Aesthetics and Environmentalism, From Beauty to Duty. New York: Columbia Press University, 2008. p. 325-337.

VARANDAS, Maria José. A Natureza: solo de conjunção da Ética e da Estética. Saarbrücken, Deutschland: Verlag/ NEA, 2016.

Publicado
2021-12-27
Como Citar
Varandas , M. J. (2021). Incorporação e comprometimento: Pode a via estética de Arnold Berleant dar sentido à ação ambiental?. Veritas (Porto Alegre), 66(1), e41824. https://doi.org/10.15448/1984-6746.2021.1.41824