Por uma teoria da justiça feminista

As críticas de Nussbaum e Okin a Rawls

Palavras-chave: Autonomia, Feminismo, Doutrinas morais, Justiça, Liberalismo

Resumo

Este artigo tem o objetivo de apresentar e desenvolver as críticas feministas à Teoria da Justiça de John Rawls, especialmente por meio do diálogo e das contribuições de Martha Nussbaum e Susan Okin para um liberalismo feminista. Para tanto, discutimos três pontos centrais no debate entre essas duas filósofas feministas e Rawls: a) a noção de família como uma instituição básica da sociedade; b) a distinção entre doutrinas morais abrangentes razoáveis e não razoáveis; e c) a concepção de pessoa política com autonomia plena. As críticas à teoria rawlsiana feitas por feministas demonstram a riqueza e a profundidade de Rawls para o liberalismo contemporâneo, ao mesmo tempo em que apontam para os problemas que teorias que tradicionalmente não desenvolvem um olhar crítico para a situação generificada dos sistemas democráticos encontram ao abordar a situação da cidadania das mulheres. As demandas do feminismo liberal, relacionadas à situação de mulheres ao redor do mundo, são muito bem-articuladas por Nussbaum a partir de sua crítica interna ao liberalismo rawlsiano, enfatizando que algumas das disposições teóricas desse autor (sobretudo no tocante à situação da família) não parecem ser radicais o suficiente para garantir a disponibilidade integral dessas capacidades para mulheres e crianças. Da mesma forma, o diálogo de Nussbaum com as críticas de Okin aprofundaram o debate sobre os limites da teoria da justiça rawlsiana.

Downloads

Não há dados estatísticos.

Biografia do Autor

Tatiana Vargas Maia, Universidade La Salle (Unilasalle), Canoas, RS, Brasil.

Doutora em Ciência Política pela Southern Illinois University, Carbondale, USA. Professora da Universidade La Salle (Unilasalle), em Canoas, RS, Brasil.

Camila Palhares Barbosa, Pontifícia Universidade Católica do Rio Grande do Sul (PUCRS), Porto Alegre, RS, Brasil.

Doutora em Filosofia pela Pontifícia Universidade Católica do Rio Grande do Sul (PUCRS), em Porto Alegre, RS, Brasil.

Referências

ABBEY, Ruth. The Return of Liberal Feminism. New York: Routledge, 2014.

BENHABIB, Seyla; CORNELL, Drucilla. Feminism as critique: On the politics of gender. University of Minnesota Press: Minneapolis, 1987.

GEERTZ, Clifford. Anti anti-relativismo. In: Nova luz sobre a antropologia. Rio de Janeiro: Jorge Zahar, 2001. p. 47-67.

HIRSHMAN, Linda R. Is the original position inherently male-superior? Columbia Law Review, v. 94, p. 1860- 1881, 1994.

JAMIESON, Beth K. Real choices: feminism, freedom, and the limits of law. The Pennsylvania State University Press: Pennsylvania, 2001.

KANT, Immanuel. Observations on the Feeling of the Beautiful and Sublime. Berkeley, CA: University of California Press, 1960.

MACKINNON, Catharine. Towards a feminist theory of State. Harvard University Press: Cambridge, 1991a.

MACKINNON, Catharine. From Practice to Theory, or What is a White Woman Anyway? Yale Journal of Law & Feminism, [S. I.], v. 4, n. 1, Article 3, 1991b.

MIKKOLA, Mari. Kant on moral agency and women’s nature. Kantian review, [S. I.], v. 16, n. 1, p. 89-111, 2011.

MILL, John Stuart. Sobre a Liberdade e A Sujeição das Mulheres. São Paulo: Companhia das Letras, 2017.

NUSSBAUM, Martha. Human Capabilities, Female Human Beings. In: NUSSBAUM, Martha; GLOVER, Jonathan. Women, Culture, and Development: a study of human capabilities. Clarendon Press: Oxford, 1996.

NUSSBAUM, Martha. Women and Human Development: The Capabilities Approach. Cambridge: Cambridge University Press, 2000.

NUSSBAUM, Martha. Rawls and Feminism. In: FREEMAN, Samuel (ed.). The Cambridge Companion to Rawls. Cambridge University Press: Cambridge, 2003.

NUSSBAUM, Martha. Rawls’s Political Liberalism. A Reassessment. Ratio Juris, [S. I.], v. 24, n. 1, p. 1-24, 2011.

NUSSBAUM, Martha e GLOVER, Jonathan. Women, Culture, and Development: A Study of Human Capabilities. Oxford: Claredon Press, 1996.

OKIN, Susan. ‘Forty acres and a mule’ for women: Rawls and Feminism. SAGE: Politics, philosophy & economics, [S. I.], v. 4, n. 2, 2005.

OKIN, Susan. Is multiculturalism bad for women? Princeton University Press, New Jersey, 1999.

PATEMAN, Carole. The disorder of women: women, love, and the sense of justice. Ethics, [S. I.], v. 91, n. 1, p. 20-34, 1980.

RAWLS, John. O Liberalismo Político. 2. ed. Editora Ática, São Paulo, 2000.

RAWLS, John. Uma Teoria da Justiça. Martins Fontes, São Paulo, 2000.

SEN, Amartya. A ideia de justiça. São Paulo: Companhia das Letras, 2011.

Publicado
2022-04-06
Como Citar
Maia, T. V., & Barbosa, C. P. (2022). Por uma teoria da justiça feminista: As críticas de Nussbaum e Okin a Rawls. Veritas (Porto Alegre), 67(1), e41469. https://doi.org/10.15448/1984-6746.2022.1.41469
Seção
Ética e Filosofia Política