Nietzsche e a linguagem

A racionalidade enquanto impulso de expressão da verdade pelo perspectivismo em arte e dança

Palavras-chave: Nietzsche, Linguagem, Cultura, Arte, Valores

Resumo

Entre as características fundamentais que se depreendem da obra de Nietzsche está a sua alta capacidade de expressão estilística. A forma com que o filósofo aborda inúmeros temas é permeada por uma linguagem que faz eco ao seu pensamento, expresso em arte e dança. De uma verdade absoluta e unilateral ele conduz a uma visão perspectiva plural, de modo que a linguagem, com a sua multiplicidade de figuras, chancela este processo de desconstrução metafísica. A concepção organicista, que caracteriza o pensamento nietzschiano, compreende instintos que apontam para disposições artísticas, vitais fundamentais, fazendo com que o sentido seja aparência, o conceito seja metáfora, e a verdade seja perspectiva. A expressão resultante deste campo, anímico, aparente, metafórico e perspectivístico se traduz em linguagem, fazendo com que o conjunto aforismático que compõe a obra nietzschiana constitua um todo, pautado pela crítica à cultura, precisamente em sua compreensão moderna. Em que aspectos o pensamento de Nietzsche, marcado por um procedimento diagnosticador dos valores morais, metafísicos da cultura, tem na linguagem um poderoso ingrediente de desconstrução? Sendo a linguagem a expressão pela qual a verdade se apresenta, não estaria Nietzsche ainda operando no registro da razão?

Downloads

Não há dados estatísticos.

Biografia do Autor

Adilson Felicio Feiler, Universidade do Vale do Rio dos Sinos (Unisinos), São Leopoldo, RS, Brasil.

Doutor em Filosofia, pela Pontifícia Universidade Católica do Rio Grande do Sul (PUCRS), em Porto Alegre, RS, Brasil. Professor no PPG em Filosofia da Universidade do Vale do Rio dos Sinos (Unisinos), em São Leopoldo, RS, Brasil.

Referências

CAVALCANTI, Anna Hartmann. Música, linguagem e criação e Nietzsche. In: Discurso Revista de Filosofia, São Paulo, n. 37, p. 183-199, 2007

DERRIDA, Jacques. Esporas – os estilos de Nietzsche. Tradução de Rafael Haddock-Lobo e Carla Rodrigues. Rio de Janeiro: Nau Editora, 2013.

FINK, Eugen. A Filosofia de Nietzsche. Tradução de Joaquim Lourenço Duarte Peixoto. Lisboa: Editorial Presença Ltda, 1988.

GARCIA, André Luis Muniz. A construção interpessoal do sentido moral de verdade: considerações sobre a filosofia do jovem Nietzsche. Veritas, Porto Alegre, v. 58, n. 3, p. 1-24, set./dez. 2003.

GIACÓIA, Oswaldo. Nietzsche. Folha Explica, São Paulo: Publifolha, 2000.

KOFMAN, Sarah. Nietzsche et la métaphore. Débats. Paris: Éditions Galilée, 1983.

MARTON, Scarlett. Nietzsche. Das forças côsmicas aos valores humanos. Belo Horizonte: Editora UFMG, 2000. (Humanitas)

MODERNIDADE. In: SILVA, Ivo Jr. Dicionário Nietzsche. São Paulo: Loyola, 2016. p. 307-309.

NIETZSCHE, F. W. Kritische Studienausgabe. Herausgegeben von Giorgio Colli und Mazzino Montinari. Berlin: Verlag de Gruyter, 1999. 15 Bd.

NIETZSCHE, F. W. Sämtliche Briefe: Kritische Gesamtausgabe Briefwechsel KGB. Herausgegeben von Georgio Colli und Mazzino Montinari. Berlin: Walter de Gruyter, 1986. 8 Bd.

NIETZSCHE, F. W. Obras incompletas. Tradução de Rubens Rodrigues Torres Filho. São Paulo: Editora Nova Cultural Ltda, 1999.

NIETZSCHE, F. W. Sobre verdade e mentira no sentido extra-moral. Tradução de Fernando de Moraes Barros. São Paulo: Hedra, 2007.

NIETZSCHE, F. W. A gaia ciência. Tradução de Paulo César de Souza. São Paulo: Companhia das Letras, 2001.

NIETZSCHE, F. W. Assim falou Zaratustra. Tradução de Paulo César de Souza. São Paulo: Companhia das Letras, 2011.

NIETZSCHE, F. W. Para a Genealogia da Moral. Uma polêmica. Tradução de Paulo César de Souza. São Paulo: Companhia das Letras, 2001.

NIETZSCHE, F. W. O Anticristo e Ditirambos de Dionísio. Trad. Paulo César de Souza. São Paulo: Companhia das Letras, 2016.

NIETZSCHE, F. W. Crepúsculo dos ídolos. Paulo César de Souza. São Paulo: Companhia das Letras, 2006.

STEGMAIER, Werner. As linhas fundamentais do pensamento de Nietzsche. Coletânea de artigos: 1985-2009. Organização de Jorge Luiz Viesenteiner e André Luis Muniz Garcia. Tradução de Oswaldo Giacoia Jr, Atônio Edmilson Paschoal, Anna Hartmann Cavalcanti, André Luis Muiniz Garcia, Jorge Luiz Viesenteiner, Marta Faustino. Petrópolis: Vozes, 2013.

WOODWARD, Ashley. Nietzschianismo. Tradução de Diego Kosbiau Travisan. Petrópolis: Vozes, 2011.

ZITTEL, Claus. Sentenças, rupturas, contradiçõ es. Provocações e problemas de interpretação a partir das relações e das perspectivas narrativas no Assim falava Zaratustra de Nietzsche. Tradução de André Itaparica. Cadernos Nietzsche, Guarulhos, v. 39, n. 2, p. 29-48, maio/ago., 2018.

Publicado
2022-04-06
Como Citar
Feiler, A. F. (2022). Nietzsche e a linguagem: A racionalidade enquanto impulso de expressão da verdade pelo perspectivismo em arte e dança. Veritas (Porto Alegre), 67(1), e41412. https://doi.org/10.15448/1984-6746.2022.1.41412
Seção
Filosofia & Interdisciplinaridade