MacIntyre contra MacIntyre

Premissas para uma reconciliação com os direitos humanos

Palavras-chave: Direitos Humanos, Bem comum, Ética, Prática Comunitária

Resumo

Esta investigação, partindo do diagnóstico da modernidade empreendido por Alasdair MacIntyre, destina-se a avaliar a possibilidade de conciliação entre o discurso universalizante dos direitos humanos e a ética particularista sustentada pelo autor citado a partir do referencial ético aristotélico. A convergência entre os bens individuais, consubstanciados em direitos, e o bem comum, componente essencial da prática e do pensamento éticos, pode representar relevante contribuição teórica no campo de estudos dos direitos humanos. Neste trabalho, dada a limitação da sua natureza, intentou-se analisar os três problemas intrínsecos à concepção de direitos, conforme a perspectiva de MacIntyre: a) a ideia de que sujeitos de direitos são indivíduos morais autônomos e plenamente independentes; b) a separação do bem individual do bem comum; c) a deflação da razão prática comunitária, em relação à racionalidade individual. O trabalho empreendido teve como resultado uma exposição analítica dos pontos de contraste entre a perspectiva dos direitos humanos e a ética conforme compreendida por MacIntyre, necessária para preparar bases de uma possível reconciliação entre ambas.

Downloads

Não há dados estatísticos.

Biografia do Autor

Luana Adriano Araújo, Universidade Federal do Rio de Janeiro (UFRJ), Rio de Janeiro, RJ, Brasil.

Mestre em Direito pela Universidade Federal do Ceará (UFC), em Fortaleza, CE, Brasil.

Renato José de Moraes, Universidade Federal do Rio de Janeiro (UFRJ), Rio de Janeiro, RJ, Brasil.

Doutor em Filosofia pelo pela Universidade Federal do Rio de Janeiro (UFRJ), no Rio de Janeiro, RJ, Brasil.

Arthur Cezar Alves de Melo, Universidade Federal do Rio de Janeiro (UFRJ), Rio de Janeiro, RJ, Brasil.

Mestre em Direito pela Universidade Federal do Rio de Janeiro (UFRJ), no Rio de Janeiro, RJ, Brasil.

Referências

ARISTOTLE. The complete works of Aristotle: the revised Oxford translation. Edited by Jonathan Barnes. Princeton: Princeton University Press, 1991. t. 2.

BOWRING, Bill. Misunderstanding MacIntyre on human rights. Analyse & Kritik, Berlim, v. 30, n. 1, p. 205-214, May 2008. Disponível em: https://doi.org/10.1515/auk-2008-0112. Acesso em: 23 abr. 2020.

DWORKIN, Ronald. Rights as trumps. In: WALDRON, Jeremy. (ed.). Theories of rights. Oxford: Oxford University Press, 1984. p. 153-167.

GOYARD-FABRE, Simone. Os fundamentos da ordem Jurídica. São Paulo: Martins Fontes, 2002.

GUTMANN, Thomas. Dignidad y autonomia. Reflexiones sobre la tradición kantiana. Estudios de Filosofia, [S. l.], n. 59, p. 233-254, ene./jun. 2019. Disponível em: http://www.scielo.org.co/pdf/ef/n59/0121-3628-ef-59-00233.pdf. Acesso em: 23 abr. 2020.

KANT, Immanuel. Fundamentação da metafísica dos costumes. Lisboa: Edições 70, 2007.

MACINTYRE, Alasdair. How to identify ethical principles. In: THE NATIONAL COMISSION FOR THE PROTECTION OF HUMAN SUBJECTS OF BIOMEDICAL AND BEHAVIORAL RESEARCH. The Belmont Report: ethical principles and guidelines for the protection of human subjects of research. Washington, D.C.: DHEW, 1978. p. 10-1-10-41. v. 1. (DHEW Pub. No. (OS) 78-0013).

MACINTYRE, Alasdair. Regulation: a substitute for morality. The Hastings Center Report. Phillipstown, New York, v. 10, n. 1, p. 31-33, feb. 1980. Disponível em: https://www.jstor.org/stable/3560503. Acesso em: 23 abr. 2020.

MACINTYRE, Alasdair. How moral agents became ghosts or why the history of ethics diverged from that of the philosophy of mind. Synthese, [S.l.], v. 53, Issue 2, p. 295-312, nov. 1982. Disponível em: https://doi.org/10.1007/BF00484905. Acesso em: 23 abr. 2020.

MACINTYRE, Alasdair. Are there any natural rights? Charles F Adams Lecture. Brunswick, Maine: Bowdoin College, 1983b.

MACINTYRE, Alasdair. IV. Moral rationality, tradition and, Aristotle: a reply to Onora O’ Neill, Raimond Gaita, and Stephen R. L. Clark. Inquiry, [S. l.], v. 26, n. 4, p. 447-466, 1983b. Disponível em: https://doi.org/10.1080/00201748308602010. Acesso em: 23 abr. 2020.

MACINTYRE, Alasdair. The Claims of After Virtue. Analyse & Kritik. Berlim, v. 6, n. 1, p. 3-7, may 1984. Disponível em: https://doi.org/10.1515/auk-1984-0101. Acesso em: 23 abr. 2020.

MACINTYRE, Alasdair. Dependent rational animals: why human beings need the virtues? Chicago: Carus Publishing Company, 1999.

MACINTYRE, Alasdair. After virtue: a study in moral theory. 3. ed. Notre Dame: University of Notre Dame Press, 2007.

MACINTYRE, Alasdair. What more needs to be said? A beginning, although only a beginning, at saying it. Analyse & Kritik, Berlim, v. 30, n. 1, p. 261-281, may 2008. Disponível em: https://doi.org/10.1515/auk-2008-0116. Acesso em: 23 abr. 2020.

MACINTYRE, Alasdair. Ethics in the conflicts of modernity: an essay on desire, practical reasoning and narrative. New York: Cambridge University Press, 2016.

RETTER, M. D. The road not taken: on MacIntyre’s human rights skepticism. The American Journal of Jurisprudence, [S. l.], v. 63, n. 2, p. 189-219, dec. 2018. Disponível em: https://doi.org/10.1093/ajj/auy012. Acesso em: 23 abr. 2020.

SANTOS, Boaventura de Souza. Uma concepção multicultural de direitos humanos. Lua Nova: revista de cultura e política, São Paulo, n. 39, p. 105-124, 1997. Disponível em: https://doi.org/10.1590/S0102-64451997000100007. Acesso em: 23 abr. 2020.

TURNER, Bryan S. Alasdair MacIntyre on morality, community and natural law. Journal of Classical Sociology, [S. l.], v. 13, n. 2, p. 239-253, may 2013. Disponível em: https://doi.org/10.1177%2F1468795X12472550. Acesso em: 23 abr. 2020.

VILLEY, Michel. Le droit et les droits de l’homme. 3. ed. Paris: PUF, 1998.

Publicado
2021-06-21
Como Citar
Araújo, L. A., de Moraes, R. J., & de Melo, A. C. A. (2021). MacIntyre contra MacIntyre: Premissas para uma reconciliação com os direitos humanos. Veritas (Porto Alegre), 66(1), e40175. https://doi.org/10.15448/1984-6746.2021.1.40175