O corpo fenomenológico em Edith Stein e Simone Weil

Uma análise comparativa

Palavras-chave: Edith Stein, Simone Weil, Corpo, Fenomenologia

Resumo

O objetivo deste artigo é realizar uma análise comparativa da forma como Edith Stein e Simone Weil desenvolvem o conceito de “corpo”, sobretudo em escritos de juventude. Para isso, partimos de uma análise de como cada uma das filósofas entende a corporeidade, indicando, a seguir, as semelhanças e diferenças. Embora encontremos diversos estudos apontando a afinidade entre as autoras, tais trabalhos costumam investigar as semelhanças biográficas, ou o envolvimento de ambas com a vivência mística. Seguindo, no entanto, um caminho pouco explorado, procuramos analisar as convergências e divergências, no que diz respeito, especificamente, à noção de corpo, demonstrando, através deste estudo, como tanto Stein como Weil apresentam considerações originais em torno do tema, assunto, também, pouco investigado nas pesquisas sobre a fenomenologia da corporeidade.

Downloads

Não há dados estatísticos.

Biografia do Autor

Juliana Missaggia, Universidade Federal de Santa Maria, Santa Maria, RS, Brasil.

Doutora em Filosofia pela Pontifícia Universidade Católica do Rio Grande do Sul (PUCRS). Professora de Filosofia na Universidade Federal de Santa Maria (UFSM).

Paola Ramos Ávila, Universidade Federal de Santa Maria, Santa Maria, RS, Brasil.

Mestranda em Filosofia na Universidade Federal de Santa Maria (UFSM).

Referências

BRENNER, Rachel Feldhay. Writing as Resistance: Four Women Confronting the Holocaust: Edith Stein, Simone Weil, Anne Frank, and Etty Hillesum. Pennsylvania: Penn State Press, 2010.

COURTINE-DENAMY, Sylvie. Three Women in Dark Times: Edith Stein, Hannah Arendt, Simone Weil, Or Amor Fati, Amor Mundi. New York: Cornell University Press, 2000.

DEPRAZ, N. Transcendance et incarnation: Le statut de l’intersubjectivité comme altérité à soi chez Husserl. Paris: Vrin (Histoire de la philosophie), 1995.

MARIZ, D. A percepção no pensamento de Simone Weil: um diálogo com a tradição filosófica francesa. Revista de Filosofia Moderna e Contemporânea, v. 4, n. 1, p. 121-134, 2016.

MARIZ, D. Reflexões acerca do corpo do trabalhador no pensamento da filósofa francesa Simone Weil. Revista de Terapia Ocupacional da Universidade de São Paulo, v. 25, n. 2, p. 194-198, 2014.

MASKULAK, Marian. Edith Stein and Simone Weil: Reflections for a Theology and Spirituality of the Cross. Theology today v. 64, n. 4, p. 445-457, 2008.

MCCULLOUGH, L. Simone Weil’s Phenomenology of the Body. Comparative and Continental Philosophy, v. 4, n. 2, p. 195-218, 2012.

PIRRUCCELLO, A. Making the World My Body: Simone Weil and Somatic Practice. Philosophy East and West, v. 52, n. 4, p. 479-497, 2002.

SAWICKI, M. Body, Text and Science: The Literacy of Investigative Practices and the Phenomenology of Edith Stein. Dordrecht: Kluwer, 1997.

STEIN, E. Zum Problem der Einfühlung. Freiburg/Basel/ Wien: Herder, 2008.

THOMAS, J-F. Simone Weil et Edith Stein. Theological Studies v. 55, n. 2, p. 386, 1994.

WEIL, S. A condição operária e outros estudos sobre a opressão. Coleção O Mundo, Hoje, Vol. 32. Rio de Janeiro: Paz e Terra, 1979.

WEIL, S. Aulas de Filosofia. 2ª Ed. Campinas: Editora Papirus, 2002.

WEIL, S. First and Last Notebooks. London: Oxford University Press, 1970.

WEIL, S. Formative Writings, 1929–1941. Massachusetts: The University of Massachusetts Press, 1987.

WEIL, S. Lectures on Philosophy. New York: Cambridge University Press, 1978.

WIMMER, Reiner. Vier jüdische Philosophinnen: Rosa Luxemburg, Simone Weil, Edith Stein, Hannah Arendt. Tübingen: Attempto-Verlag, 1990.

Publicado
2021-11-05
Como Citar
Missaggia, J., & Ávila, P. R. (2021). O corpo fenomenológico em Edith Stein e Simone Weil: Uma análise comparativa. Veritas (Porto Alegre), 66(1), e39847. https://doi.org/10.15448/1984-6746.2021.1.39847