Fantasmaterialidade: O subsolo estético da Crítica da razão negra

Palavras-chave: estética, literatura, fantasma, colonialismo, racismo.

Resumo

Este ensaio procura tecer considerações estéticas, filosóficas e políticas a respeito da imagem do “subsolo”, indicada por Achille Mbembe no seu livro “Crítica da razão negra”. Partindo dessa imagem, o ensaio aponta para outras, principalmente, o fantasma e o espectro, com as quais forma uma constelação. Devido a sua forma, este ensaio torna-se uma montagem, para a qual contribuem fragmentos de obras de Lima Barreto e de Carolina Maria de Jesus, procurando dialogar com as proposições de Mbembe e levar a cabo uma crítica da ontologia fundamental e suas consequências genocidas.

Downloads

Não há dados estatísticos.

Biografia do Autor

Alexandre Pandolfo, Pesquisador Autônomo, Porto Alegre, RS.

Doutor em Letras pela Pontifícia Universidade Católica do Rio Grande do Sul (PUCRS), em Porto Alegre, RS, Brasil. Pós-doutor em Letras pela Universidade Federal de Pelotas (UFPel), em Pelotas, RS, Brasil. Pós-doutor em Literatura pela Universidade Federal de Santa Catarina (UFSC), Florianópolis, SC.

Referências

AB’SABER, Teles. Somos contemporâneos de nossa escravidão. São Paulo: n-1 Ed., 2018.

ADORNO, Theodor. Teoria estética. Trad. Artur Morão. Coimbra: Edições 70, 2008.

ASSIS, Joaquim Maria Machado de. Memórias póstumas de Brás Cubas. Porto Alegre: L&PM Pocket, 1997.

AZEVEDO, José Fernando Peixoto de. Eu, um crioulo. São Paulo: n-1 Ed., 2018.

BARRETO, Lima. O cemitério dos vivos. São Paulo: Editora Planeta; Rio de Janeiro: Fundação Biblioteca Nacional, 2004.

BARRETO, Lima. Histórias e sonhos. Rio de Janeiro: Expressão e Cultura, 2001.

BENJAMIN, Walter. Einbahnstrasse. Berlin: Ernst Rowohlt Verlag, 1928.

BENJAMIN, Walter. Imagens de pensamento. Trad. João Barrento. Lisboa: Assírio & Alvim, 2004.

BUCK-MORSS, Susan. Aesthetics and Anaesthetics: Walter Benjamin’s Artwork Essay Reconsidered. October, Cambridge, Mass., US, v. 62, p. 3-41, Autumn, 1992. https://doi.org/10.2307/778700.

CÉSAIRE, Aimé. Discurso sobre o colonialismo. Trad. Noémia de Sousa. Lisboa: Sá da Costa Ed. 1978.

DERRIDA, Jacques. Spectres de Marx. L’État de la dette, le travail du deuil et la nouvelle Internationale. Paris: Galilée, 1993.

DERRIDA, Jacques. Espectros de Marx: O Estado da dívida, o trabalho do luto e a nova Internacional. Trad. Anamaria Skinner. Rio de Janeiro: Relume-Dumará, 1994.

DOSTOIÉVSKI, Fiódor Mikhailovitch. Uma criatura dócil: narrativa fantástica. Trad. Fátima Bianchi. São Paulo: Cosac & Naify, 2003.

FANON, Frantz. Pele negra, máscaras brancas. Trad. Renato da Silveira. Salvador: UDUFBA, 2008. https://doi.org/10.7476/9788523212148.

HEIDEGGER, M. A origem da obra de arte. Trad. Idalina Azevedo e Manuel de Castro. São Paulo: Edições 70, 2010.

JESUS, Carolina Maria de. Quarto de despejo. São Paulo: Ática, 2005.

BIRMAN, Joel. Freud e a filosofia. Rio de Janeiro: Jorge Zahar, 2003.

GORDON, Lewis. Black Aesthetics, Black Value. Public Culture, Chicago, Ill., US, v. 30, n. 1, p. 19-34, Jan. 2018. https://doi.org/10.1215/08992363-4189143.

KRANIAUSKAS, John. Beware Mexican Ruins! ‘One-Way Street’ and the Colonial Unconscious. In: BENJAMIN, A.; OSBORNE, P. Walter Benjamin’s Philosophy: Destruction and Experience. Londres: Routledge, 1994. p. 139-154.

LUKÁCS, Georg. Die theorie des Romans. Ein geschichtsphilosophischer Versuch über die Formen der großen Epik. Darmstadt: Luchterhand, 1984.

LUKÁCS, Georg. A teoria do romance: um ensaio histórico- filosófico sobre as formas da grande épica. Trad. José Marcos de Macedo. São Paulo: Duas Cidades: Ed. 34, 2000.

MBEMBE, Achille. As formas africanas da auto-inscrição. Trad. Patrícia Farias. Estudos Afro-Asiáticos, Rio de Janeiro, v. 23, n. 1, p. 171-209, 2001. https://doi.org/10.1590/S0101-546X2001000100007.

MBEMBE, Achille. Critique de la raison nègre. Paris: La Découverte, 2013.

MBEMBE, Achille. Crítica da razão negra. Trad. Sebastião Nascimento. São Paulo: n-1 Ed., 2018.

MBEMBE, Achille. Necropolítica. Trad. Renata Santini. São Paulo: n-1 Ed., 2018.

MBEMBE, Achille. O fardo da raça: Entrevistas com Achille Mbembe. Trad. Trad. Sebastião Nascimento. São Paulo: n-1 Ed., 2018.

MBEMBE, Achille. Sair da grande noite. Ensaio sobre a África descolonizada. Trad. Narrativa Traçada. Luanda: Pedago, 2014.

NANCY, Jean-Luc. Demanda: literatura e filosofia. Trad. João Camillo Penna et all. Florianópolis: EDUFSC: Argos, 2016.

PANDOLFO, Alexandre. Apuros: ficção e aforismas contra o estado das coisas. Porto Alegre: Lapices, 2017.

PINTO NETO, Moysés. A estranha instituição da literatura no multiverso dos espectros. ALEA, Rio de Janeiro, v. 17, n. 1., p. 114-126, 2015. https://doi.org/10.1590/S1517-106X2015000100008.

RANCIÈRE, Jacques. A partilha do sensível. Trad. Mônica Costa Netto. São Paulo: Ed. 34, 2009.

RANCIÈRE, Jacques. O destino das imagens. Trad. Mônica Costa Netto. Rio de Janeiro: Contraponto, 2012.

RANCIÈRE, Jacques. O inconsciente estético. Trad. Mônica Costa Netto. São Paulo: Ed. 34, 2009.

SCHWARCZ, Lilia Moritz. Lima Barreto: Triste visionário. São Paulo: Companhia das Letras, 2017. E-book.

Publicado
2020-07-27
Como Citar
Pandolfo, A. (2020). Fantasmaterialidade: O subsolo estético da Crítica da razão negra. Veritas (Porto Alegre), 65(2), e37858. https://doi.org/10.15448/1984-6746.2020.2.37858
Seção
Artigos