Entre a morte e a vida da ação

Meditações sobre o que se pode aprender com uma filosofia de náufrago

Palavras-chave: Filosofia como tarefa, Fenômeno da metafísica, Maurice Blondel

Resumo

Escrevia Maurice Blondel em 1906: “Há muito tempo Platão e Spinoza disseram: ‘a filosofia é a aprendizagem da morte’, ou seja, é a antecipação da vida, da vida que para nós é indivisivelmente conhecimento e ação” (BLONDEL, 1997, p.569). Seguindo uma metodologia dialética e fenomenológica, este trabalho pretende uma aproximação ao significado da filosofia como “aprendizagem da morte” ou “antecipação da vida”, tendo como orientação prioritária o texto da Action (1893) e os dois artigos que compõem Le point de départ de la recherche philosophique (1906). Será explicitada uma caracterização da vida humana como ação e, consequentemente, realização de uma tarefa. Neste ínterim, será elucidada a fenomenologia da ação como a realização da dialética da vontade humana, que deve, ao cabo de um longo processo, colocar o problema “da morte ou vida da ação”, o que corresponderá à própria questão da “morte ou vida da inteligência”, ou melhor, “da vida que para nós é indivisivelmente conhecimento e ação” (BLONDEL, 1997, p. 569).

Downloads

Não há dados estatísticos.

Biografia do Autor

Galileu Galilei Medeiros de Souza, Universidade do Estado do Rio Grande do Norte (UERN), Caicó, RN, Brasil

Doutor em Filosofia pela Universidade Federal da Paraíba (UFPB), em João Pessoa, Brasil; professor da Universidade do Estado do Rio Grande do Norte (UERN), em Caicó, RN, Brasil,

Referências

AGOSTINHO. A Trindade. 2. ed. São Paulo: Paulus, 2014.

AGOSTINHO. Confissões. 5. ed. São Paulo: Paulinas, 1984

AGOSTINHO. O Livre-Arbítrio. São Paulo: Paulus, 1995.

ARISTÓTELES. Ética a Nicômaco. 4. ed. São Paulo: EDIPRO, 2014.

BERTI, Enrico. Introduzione alla metafisica. Torino: UTET, 2004.

BLONDEL, Maurice. L’Action: essai d’une critique de la vie et d’une science de la pratique (1893). Paris: PUF,

BLONDEL, Maurice. Le point de départ de la recherche Philosophique (1906). In: Ouvres Complètes II, 1888-1913. La philosophie de L’Action et la crise moderniste. Paris: PUF, 1997, p. 527-569.

CAMUS, Albert. O homem revoltado. 11. ed. Rio de Janeiro: Record, 2017.

D’AGOSTINO, Simone. Dell’atto all’azione. Blondel e Aristotele nel progetto de “L’Action” (1893). Roma: Gregoriana, 1999. (Analecta Gregoriana).

DESCARTES, René. Meditações sobre filosofia primeira. Tradução Fausto Castilho. São Paulo: Unicamp, 2004.

GILBERT, Paul. Le Phénomène, la médiation et la métaphysique. Le dernier chapitre de L’Action (1893) de Maurice Blondel. Gregorianum, v. 70, p. 93-117, 291-319, 1989.

GILSON, Étienne. Introdução ao estudo de Santo Agostinho. São Paulo: Paulus/Discurso Editorial, 2006.

ORTEGA Y GASSET, José. Lições de Metafísica. Capinas (SP): Vide Editorial, 2019

ORTEGA Y GASSET, José. Missão da Universidade. Rio de Janeiro: EDUERJ, 1999.

ORTEGA Y GASSET, José. O que é Filosofia? Campinas: Vide editorial, 2016.

Publicado
2020-12-31
Como Citar
de Souza, G. G. M. (2020). Entre a morte e a vida da ação: Meditações sobre o que se pode aprender com uma filosofia de náufrago. Veritas (Porto Alegre), 65(3), e37333. https://doi.org/10.15448/1984-6746.2020.3.37333
Seção
Epistemologia & Filosofia da Linguagem