Maria

O locus para falar do feminino

Palavras-chave: Mulher, Protagonismo, Ocultação, Maria

Resumo

A forma como uma cultura compreende a si e sua relação com o sagrado molda não apenas a vida religiosa, mas também um modo de ser e estar no mundo. O mesmo pode ser dito na direção oposta: a esfera religiosa pode ser cooptada pelo antropomorfismo para justificar posições excludentes. Tomando em consideração tal premissa, compreendemos que a misoginia presente em diferentes contextos do Cristianismo foi uma construção histórica que se ancorou em discursos religiosos com a finalidade de legitimar uma hegemonia cultural masculina. Por misoginia, entendemos posturas que engendram discursos e práticas que transformam a mulher em objeto, justificando posturas de inferioridade e submissão. Diante disso, o presente artigo se propõe a investigar o papel que as mesmas desempenharam na Igreja primitiva e como deu-se o seu ocultamento. Propomos, a partir da compreensão do significado de Maria, como mulher e na história da salvação, um olhar positivo para a referida temática.

Downloads

Não há dados estatísticos.

Biografia do Autor

Raphael Colvara Pinto, Pesquisador autônomo, Boston College, Boston, MA, USA.

Doutor em Teologia pela Pontifícia Universidade Católica do Rio Grande do Sul (PUCRS), em Porto Alegre, RS, Brasil. Professor convidado no Boston College, em Boston, EUA.

Referências

BARROS, Paulo César. As fontes patrísticas: Importância e atualidade para a Igreja. In: Vida Pastoral, 2009. Disponível em: https://www.vidapastoral.com.br/artigos/patristica/as-fontes-patristicas-importancia-e-atualidade-para-a-igreja. Acesso em: 18 fev. 2022.

BLOCK, Howard R. Misoginia Medieval e Invenção do Amor Romântico Ocidental. Rio de Janeiro: Editora 34, 1995.

BRUSTOLIN, Leomar. Eis a tua mãe: síntese de Mariologia. São Paulo: Paulinas, 2017.

EISEN, Ute E. Women Officeholders in Early Christianity: Epigraphical and Literary Studies. Collegeville: Liturgical Press, 2000.

DUNN, Geoffrey D. Tertullian. London: Taylor & Francis, 2005.

GARDNER, Jane F. Women in Roman Law and Society. Bloomington: Indiana University Press, 1986.

SÃO JOÃO CRISÓSTOMO. Patrística – comentários às Cartas de São Paulo. São Paulo: Paulus Editora, 2013. v. 27/3.

SÃO JOÃO CRISÓSTOMO. Homilies on Genesis, 1-17. In: The Fathers of the Church. Washington, D.C: The Catholic University of America Press, 1985. vol. 74

SÃO JOÃO PAULO II, Papa. Carta Apostólica Mulieris Dignitatem: sobre a dignidade e a vocação da mulher por ocasião do ano mariano. São Paulo: paulinas, 1998.

SÃO JOÃO PAULO II, Papa. Carta Encíclica Redemptoris Mater. São Paulo: paulinas, 1987.

SÃO JOÃO PAULO II, Papa. Teologia do Corpo. Dois Irmãos, RS: Minha Biblioteca Católica, 2021.

MACMULLEN, Ramsay. Christianity & Paganism in the Fourth to Eight Centuries. New Haven/ London: Yale University Press, 1984.

STARK, Rodney. Reconstructing the Rise of Christianity: The Roles of Women.. Sociology of Religion, [S. l.], v. 56, n. 3, p. 229-244, 1995. Disponível em: https://roosevelt.ucsd.edu/_files/mmw/mmw12/RodneyStarkReconstructingRiseofChristianityWomen.pdf. Acesso em: 18 fev. 2022.

SCHÜSSLER FIORENZA, Elisabeth. In Memory of her: a Feminist Theological Reconstruction of Christian Origins. New York: Crossroad, 1994.

SCHÜSSLER FIORENZA, Elisabeth. Discipulado de iguais: uma Ekklesia-logia feminista crítica da libertação. Petrópolis: Vozes, 1995.

SCHÜSSLER FIORENZA, Elisabeth. Caminho de sabedoria: uma Introdução à interpretação bíblica feminista. São Bernardo do campo: Nhandubi, 2009.

STRÖER, Marga Janéte. Corpos, poderes e saberes nas primeiras comunidades cristas: uma aproximação a partir das “Cartas Pastorais”. In: STRÖER, Marga Janéte; DEIFELT Wanda; MUSSKOP, André (org.). À flor da pele: ensaios sobre gênero e corporeidade. São Leopoldo: Sinodal, 2004.

TERTULLIAN. The Apparel of Women: De Cultu feminarum. In: Tertulian: Disciplinary, Moral and Ascetics Works. New York, Fox: 1959.

TEPEDINO, Ana Maria. As discípulas de Jesus. Petrópolis: Vozes, 1990.

Publicado
2022-07-11