Determinants of the relationship between perception of urinary system function annoys the life and quality of life in oldest-old

Keywords: aged 80 years or older, urinary tract, lower urinary tract symptoms, urinary incontinence, quality of life

Abstract

Aims: this study aimed to evaluate the relationship between the perception that urinary system function annoys the life in general with the analysis of the Kings Health Questionnaire (KHQ) in old age.
Methods: cross-sectional and analytical study. Sociodemographic and clinical characteristics were investigated, as well as the impact of urinary incontinence (UI) on Quality of Life (QOL) by the KHQ instrument. Frequencies, means and standard deviation and chi-square, student t tests and logistic regressions were calculated, accepting as significant p values <0.05.
Results: 82 elderly, 68% women, mean age 92.3 ± 2.7 years, 71% incontinent and 43% reporting that the pelvic functionality disrupted life. Incontinent individuals most frequently reported the investigated complaint. The domains, UI impact, emotions, physical and social limitation, KHQ task performance limitation and its total score were related to the complaint. Individuals who reported limitation of tasks away from home, travel, strong desire to urinate and difficult to control, feelings of depression and anxiety or nervousness had a significant increase in the chance of reporting that pelvic functionality was disruptive to life.
Conclusion: KHQ was related to the chance of reporting that the urinary system function was disruptive to life. Even so, most incontinents did not report that the condition disrupted life. Therefore, the results show that even in the absence of a positive statement of absence of UI, the urinary system function can compromise QOL. The findings suggest that either participants actually had UI and did not perceive UI as such, or that further questions such as voiding frequency need to be investigated, for example. The use of KHQ allowed us to identify that even in the absence of UI report, the urinary system function can interfere with the QoL of the oldest old.

Downloads

Download data is not yet available.

Author Biographies

Luisa Braga Jorge, Pontifícia Universidade Católica do Rio Grande do Sul (PUCRS), Escola de Medicina, Porto Alegre, RS

Fisioterapeuta, pós-graduada em Fisioterapia Pélvica pela INSPIRAR (Curitiba, PR, Brasil). Mestre e doutoranda em Gerontologia Biomédica pela Pontifícia Universidade Católica do Rio Grande do Sul (PUCRS, Porto Alegre, RS, Brasil).

Josemara de Paulo Rocha, Pontifícia Universidade Católica do Rio Grande do Sul (PUCRS), Escola de Medicina, Porto Alegre, RS

Fisioterapeuta, Mestre em Envelhecimento Humano, Especialista em Saúde do Idoso pela Universidade de Passo Fundo (UPF, Passo Fundo, RS, Brasil). Doutoranda do Programa de Pós-graduação em Gerontologia Biomédica da Escola de Medicina da Pontifícia Universidade Católica do Rio Grande do Sul (PUCRS, Porto Alegre, RS, Brasil).

Ângelo José Gonçalves Bós, Pontifícia Universidade Católica do Rio Grande do Sul (PUCRS), Escola de Medicina, Porto Alegre, RS

Médico. Especialista em Geriatria e Gerontologia pelo IGG da Pontifícia Universidade Católica do Rio Grande do Sul (PUCRS, Porto Alegre, RS, Brasil) e Saúde Comunitária pela Unidade Sanitária Murialdo. Doutor em Saúde Comunitária pela Tokai University (Japão). Pós-doutorado em Epidemiologia do Envelhecimento pelo Instituto Nacional Americano sobre o Envelhecimento e Escola de Saúde Pública da Universidade de Johns Hopkins (Baltimore, EUA). Pós-doutorado no Departamento de Saúde e Participação Social do Tokyo Metropolitan Institute of Gerontology (Japão). Professor permanente do Programa de Mestrado e Doutorado em Gerontologia Biomédica e Professor Titular da Escola de Medicina da Pontifícia Universidade Católica do Rio Grande do Sul (PUCRS, Porto Alegre, RS, Brasil).

Rodolfo Herberto Schneider, Pontifícia Universidade Católica do Rio Grande do Sul (PUCRS), Escola de Medicina, Porto Alegre, RS

Médico, especialista em Clínica Médica e Geriatria; Mestre e Doutor em Ciências da Saúde pela Pontifícia Universidade Católica do Rio Grande do Sul (PUCRS, Porto Alegre, RS, Brasil); Professor Permanente do Programa de Pós-Graduação em Gerontologia Biomédica do Instituto de Geriatria e Gerontologia da PUCRS. Membro da Comissão Coordenadora do Programa de Pós-Graduação em Gerontologia Biomédica. Coordenador da Comissão Científica do Instituto de Geriatria e Gerontologia. Consultor da CAPES na Área Interdisciplinar. Chefe do Serviço de Densitometria Óssea do Hospital São Lucas da PUCRS, Pesquisador responsável pelo Grupo de Pesquisa em Envelhecimento Osteomuscular e Osteoporose (GEOMO) – CNPQ (PUCRS, Porto Alegre, RS, Brasil).

References

IBGE. Instituto Brasileiro de Geografia e Estatística. Censo de 2010. 2010. Disponível em: http://www.ibge.gov.br/home/estatistica/populacao/censo2010/default.shtm. Acesso em: 12 mar. 2017.

Silva SPZ, Marin MJS, Rodrigues MR. Condições de vida e de saúde de idosos acima de 80 anos. Rev Gaúcha Enferm. 2015;36(3):42-8. https://doi.org/10.1590/1983-1447.2015.03.50263

Honório MO, Santos SMA. Incontinência urinária e envelhecimento: impacto no cotidiano e na qualidade de vida. Rev bras enferm. 2009;62(1):51-6. https://doi.org/10.1590/S0034-71672009000100008

Lopes MHB, Higa R. Restrições causadas pela incontinência urinária à vida da mulher urinária à vida da mulher. Rev esc enferm USP. 2006;40(1):34-41. https://doi.org/10.1590/S0080-62342006000100005

Bomfim IQM, Soutinho SRS, Araújo SRS. Comparação da qualidade de vida das mulheres com incontinência urinária atendidas no sistema de saúde público e privado. Revista cientifica ciências biológicas e da saúde. 2014; 16(1):19-24.

Flores MN, Santos NC, Féra P, Glashan RQ. Incontinência urinária em idosas institucionalizadas. Sinopse

de Urologia 2004;8(3):70-4.

Jrez-roig J, Souza DLB, Lima KC. Incontinência urinária em idosos institucionalizados no Brasil: uma revisão integrativa. Rev bras geriatr gerontol. 2013;16(4):865-79. https://doi.org/10.1590/S1809-98232013000400020

Morsch P, Pereira GN, Navarro JHN, Navarro JHN, Trevisan MD, Lopes DGC, Bós AJG. Clinical characteristics and social determinants in a sample of non-homebound elderly. Cad Saude Publica. 2015;31(5):1025-34. https://doi.org/10.1590/01021-311X00053014

Soliman Y, Meyer R, Baum N. Falls in the elderly secondary to urinary symptoms. Rev Urol. 2016;18(1):28-32.

John G, Bardini C, Combescure C, Dällenbach P. Urinary incontinence as a predictor of death: a systematic review and meta-analysis. PLoS One. 2016;11(7):e0158992. https://doi.org/10.1371/journal.pone.0158992

Rigo II, Bós AJG. Disfunção familiar em nonagenários e centenários, importância das condições de saúde e suporte social. Cien Saude Colet [Internet]. 2019 [cited 2020 Mar 26]; Available from: http://www.cienciaesaudecoletiva.com.br/artigos/disfuncao-familiar-em-nonagenarios-e-centenarios-importancia-das-condicoes-de-saude-e-suporte-social/17390?id=17390

Brasil. Ministério da Saúde. Secretaria de Atenção à Saúde, Departamento de Atenção Básica. Cadernos de atenção básica, n. 19. Envelhecimento e saúde da pessoa idosa. 1st ed. Brasília, DF: Ministério da Saúde; 2006.

Zanella AK. Avaliação da consciência da musculatura do assoalho pélvico e sua relação com a incontinência urinaria em idosas, [tese]. Porto Alegre (RS): Pontifícia Universidade Católica do Rio Grande do Sul; 2018.

Fonseca ESM, Camargo ALM, Castro RA, Sartori MG, Fonseca MCM, Lima GR, Girão MJBC. Validação do questionário de qualidade de vida (King’s Health Questionnaire) em mulheres brasileiras com incontinência urinária. Rev Bras Ginecol Obstet. 2005; 27(5):235-42. https://doi.org/10.1590/S0100-72032005000500002

Berlezi EM, Dal Bem A, Leite CAMT, Bertolo EM. Incontinência urinária em mulheres no período pósmenopausa: um problema de saúde pública. Rev. Bras. Geriatr. Gerontol, 2009; 12(2):159-73. https://doi.org/10.1590/1809-9823.2009120200

Silva APM, Santos VLCG. Prevalência da incontinência urinária em adultos e idosos hospitalizados. Rev esc enferm USP. 2005;39(1): 36-45. https://doi.org/10.1590/S0080-62342005000100005

Neto ONV. Infecção do trato urinário. Medicina (Ribeirão Preto). 2003;36(1):365-9. https://doi.org/10.11606/issn.2176-7262.v36i2/4p365-369

Higa R, Lopes MHBM, Reis MJ. Fatores de risco para incontinência urinária na mulher. Rev esc enferm USP 2008;42(1):187-92. https://doi.org/10.1590/S0080-62342008000100025

Miner, JRPB. Economic and personal impact offecal and urinary incontinece. Gastroenterology. 2004;126:S8– S13. https://doi.org/10.1053/j.gastro.2003.10.056

Oliveira JM, Salgado LBG, Schmitt SCB, Rosa LCL. Correlação entre sintomas urinários e qualidade de vida em mulheres com incontinência urinária. Fisioterapia e Pesquisa 2007;14(3):12-7

Sampselle CM 1, Harlow SD, Skurnick J, Brubaker G, Bondarenko EU. Preditores de incontinência urinária e impacto na vida em mulheres etnicamente diversas na perimenopausa. Obstet Gynecol.2002; 100(6):1230-8. https://doi.org/10.1097/00006250-200212000-00013

Heilberg IP, Schor, N. Abordagem diagnóstica e terapêutica na infecção do trato urinário: ITU. Rev. Assoc. Med. Bras. 2003 Jan;49(1):109-16. https://doi.org/10.1590/S0104-42302003000100043

Bontempo APS,Alves AT,Martins GS,Jácomo RH,Malschik DC, Menezes RL. Fatores associados à síndrome da bexiga hiperativa em idosas: um estudo transversal. Rev Bras Geriatr Gerontol., 2017; 20(4): 474-83

Marinho, AR; Leal, BB; Flister, JS; Bernardes NO; Rett, MT. Incontinência urinária feminina e fatores de risco. Fisioterapia Brasil, 2006;7(4):301-6. https://doi.org/10.33233/fb.v7i4.1921

Faria CL, Moraes JR, Monnerat BRD, Veridiano KA, Hawerroth PAMM, Fonseca SC. Impacto do tipo de incontinência urinária sobre a qualidade de vida de usuárias do Sistema Único de Saúde no Sudeste do Brasil. Rev Bras Ginecol Obstet. 2015;37(8):374-80. https://doi.org/10.1590/SO100-720320150005394

Published
2020-07-24
How to Cite
Jorge, L. B., Rocha, J. de P., Bós, Ângelo J. G., & Schneider, R. H. (2020). Determinants of the relationship between perception of urinary system function annoys the life and quality of life in oldest-old. Scientia Medica, 30(1), e36769. https://doi.org/10.15448/1980-6108.2020.1.36769
Section
Original Articles