Sintomas depressivos em condutores e riscos no trânsito

É possível traçar paralelos?

Palavras-chave: Depressão, Comportamento no trânsito, Acidentes de trânsito.

Resumo

A depressão é um transtorno de humor que pode implicar em falta de esperança, desvalorização da própria vida e ideações suicidas. Este artigo teve como objetivo verificar a associação entre o nível de sintomas depressivos de condutores de veículos automotores e a predisposição para assumir riscos no trânsito. Participaram indivíduos habilitados em qualquer categoria, sendo 69 mulheres e 72 homens. Foram utilizados os instrumentos: Questionário de Comportamento do Condutor, Escala Baptista de Depressão Versão Adulto e Questionário Sociodemográfico. Os resultados indicaram correlação significativa e positiva entre nível de sintomatologia depressiva e predisposição para assumir riscos no trânsito (r=0,227; p<0,05). Em especial, a falta de esperança se correlacionou com uma predisposição maior para correr riscos no trânsito (r=0,192; p<0,05). A partir dos resultados são realizadas discussões e sugestões visando o aprimoramento na atuação de psicólogos que trabalham diretamente com o sistema trânsito.

Downloads

Não há dados estatísticos.

Biografia do Autor

Renata Carvalho Macedo de Jesus, Prefeitura Municipal de Sertãozinho, Sertãozinho, SP, Brasil

Mestra em Psicologia do Desenvolvimento e Aprendizagem pela Universidade Estadual Paulista Júlio de Mesquita Filho (UNESP), em Bauru, SP, Brasil. Psicóloga na Prefeitura Municipal de Sertãozinho, em Sertãozinho, SP, Brasil.

Sandra Leal Calais, Universidade Estadual Paulista Júlio de Mesquita Filho (UNESP) Bauru, SP, Brasil.

Doutora em Psicologia pela Pontifícia Universidade Católica de Campinas (PUC-Campinas), em Campinas, SP. Docente da graduação e do Programa de Pós-Graduação em Psicologia do Desenvolvimento e Aprendizagem da Faculdade de Ciências, Universidade Estadual Paulista (UNESP), em Bauru, SP, Brasil.

Hugo Ferrari Cardoso, Universidade Estadual Paulista Júlio de Mesquita Filho (UNESP) Bauru, SP, Brasil.

Doutor em Psicologia pela Universidade São Francisco (USF), em Campinas, SP. Docente da graduação e do Programa de Pós-Graduação em Psicologia do Desenvolvimento e Aprendizagem da Faculdade de Ciências, Universidade Estadual Paulista (UNESP), em Bauru, SP, Brasil.

Referências

Agostinho, T. F., Donadon, M. F., & Bullamah, S. K. (2019). Terapia cognitivo-comportamental e depressão: intervenções no ciclo de manutenção. Revista Brasileira de Terapias Cognitivas, 15(1), 59-65. https://dx.doi.org/10.5935/1808-5687.20190009

American Psychiatric Association. (2014). Manual diagnóstico e estatístico de transtornos mentais (5. ed.). Artmed.

Aparecida, J. S., Mendes, D. F., & Silva, L. A. M. (2018). Contribuições dos testes para a avalição psicológica no trânsito. Revista Psicologia e Saúde em Debate, 4(1), 9-43. https://doi.org/10.22289/2446-922X.V4N1A2.

Baptista, M. N. (2012). Escala Baptista de Depressão – Versão Adulto. Editora Vetor.

Polícia Rodoviária Federal. (2017). Balanço PRF. Ministério da Justiça do Brasil. https://www.prf.gov.br/portal/sala-de-imprensa/releases-1/balanco-prf-2017

Ministério da Justiça. (2017). Excesso de velocidade rendeu maior número de multas em 2017. Recuperado em 17 abr. 2021, de http://www.justica.gov.br/news/excesso-de-velocidade-rendeu-maior-numero-de-multas-em-2017.

Byun, J., Kim, H.-R., Lee, H.-E., Kim, S.-E., & Lee, J. (2016). Factors associated with suicide ideation among subway drivers in Korea. Annals of Occupational and Environmental Medicine, 28(31), 1-6. http://dx.doi.org/10.1186/s40557-016-0120-5

Correia, J. P., & Horta, M. P. C. (2014). Personalidade e comportamentos de risco de motoristas: diferenças entre sexos. Psicologia: Teoria e Prática, 16(1), 79-90. http://dx.doi.org/10.15348/1980-6906/psicologia

Cristo, F. (2019). Psicologia do trânsito e transporte: manual do especialista. Editora Vetor.

Cremasco, G. S., & Baptista, M. N. (2017). Depressão, motivos para viver e o significado do suicídio em Graduandos do curso de psicologia. Estudos Interdisciplinares em Psicologia, 8(1), 22-37. http://dx.doi.org/10.5433/2236-6407.2017v8n1p22

Dolenc, B., Dernovšek, M. Z., Sprah, L., Tavcar, R., Perugi, G., & Akiskal, H. S. (2015). Relationship between affective temperaments and aggression in euthymic patients with bipolar mood disorder and major depressive disorder. Journal of Affective Disorders, 15(174), 13-18. https://doi.org/10.1016/j.jad.2014.11.007

Fazel, S., Wolf, A., Chang, Z., Larsson, H., Goodwin, G. M., & Lichtenstein, P. (2015). Depression and violence: a Swedish population study. Lancet Psychiatry, 2(3), 224-232. https://doi.org/10.1016/S2215-0366(14)00128-X

Ferreira, I. S., & Simões, M. R. (2015). Contributo da avaliação psicológica no exame clínico de condutores com doença neurológica e psiquiátrica: revisão teórica. Revista Portuguesa de Saúde Pública, 33(1), 55-70. https://doi.org/10.1016/j.rpsp.2014.03.003

Hoffmann, M. H. (2015). Comportamento do condutor e fenômenos psicológicos. Psicologia: Pesquisa & Trânsito, 1(1), 17-24. http://www.pepsic.bvsalud.org/pdf/ppet/v1n1/v1n1a04.pdf

Hong, K., Lee, K.-M., & Jang, S.-N. (2015). Incident and related factors of traffic accidents among the older population in a rapidly aging society. Archives of Gerontology and Geriatrics, 60(3), 471-477. http://dx.doi.org/10.1016/j.archger.2015.01.015

Instituto de Pesquisas Econômicas Aplicada. (2015). Acidentes de trânsito nas rodovias federais brasileiras: caracterização, tendências e custos para a sociedade. http://www.ipea.gov.br/portal/images/stories/PDFs/relatoriopesquisa/150922_relatorio_acidentes_transito.pdf

Krakowski, M., & Nolan, K. (2017). Depressive symptoms associated with aggression. Psychiatric Times, 36(2). http://www.psychiatrictimes.com/special-reports/depressive-symptoms-associated-aggression

Lajunen, T., & Summala, H. (2003). Can we trust self-reports of driving? Effects of impression management on driver behavior questionnaire responses. Transportation Research Part F: Traffic Psychology and Behaviour, 6(2), 97-107. http://dx.doi.org/10.1016/S1369-8478(03)00008-1

Large, M., Corderoy, A., & McHugh, C. (2020). Is suicidal behaviour a stronger predictor of later suicide than suicidal ideation? A systematic review and meta-analysis. Australian & New Zealand Journal of Psychiatry, 55(3), 254-267. https://doi.org/10.1177/0004867420931161

Macêdo, G. M. (2005). Estudo das relações entre o nível de habilidade e direção segura, a irritabilidade e o cometimento de violações e erros do motorista e o seu possível envolvimento em acidentes de trânsito. Tese [Doutorado em Psicologia, Universidade de São Paulo].

McClelland, H., Evans, J. J., Nowland, R., Ferguson, F., & O’Connor, R. C. (2020). Loneliness as a predictor of suicidal ideation and behaviour: a systematic review and meta-analysis of prospective studies. Journal of Affective Disorders, 274(1), 880-896. https://doi.org/10.1016/j.jad.2020.05.004

Mognon, J. F., & Santos, A. A. A. (2017). Avaliação do Comportamento do Motorista, Lócus de Controle e Estilos de Direção no Trânsito. Trends in Psychology, 25(4), 1621-1635. http://dx.doi.org/10.9788/TP2017.4-07

Organização Pan-Americana da Saúde. (2018). Folha informativa – Depressão. https://www.paho.org/bra/index.php?option=com_content&view=article&id=5635:-folha-informativa-depressao&Itemid=822

Paula, J. B. (2017). Avaliação Psicológica em Condutores de Automóveis: Uma Revisão Sistemática. Revista Portal: Saúde e Sociedade, 2(3), 591-605. https://www.seer.ufal.br/index.php/nuspfamed/article/view/4167/3066

Prado, M. C. R., Calais, S. L., & Cardoso, H. F. (2016). Stress, depressão e qualidade de vida em beneficiários de programas de transferência de renda. Interação em Psicologia, 20(3), 330-340. http://dx.doi.org/10.5380/psi.v20i3.35133.

Reason, J., Manstead, A., Stradling, S., Baxter, J., & Campbell, K. (1990). Errors and violations on the roads: a real distinction? Ergonomics, 33(10/11), 1315-1332. http://dx.doi.org/10.1080/00140139008925335

Rogers, M. L., & Joiner, T. E. (2017). Rumination, Suicidal Ideation, and Suicide Attempts: A Meta-Analytic Review. Review of General Psychology, 21(2), 132-142. https://doi.org/10.1037/gpr0000101

Rozestraten, R. J. A. (1988). Psicologia do trânsito: conceitos e processos básicos. Editora da Universidade de São Paulo

Serafini, G., Adavastro, G., Canepa, G., Conigliaro, C., Pompili, M., Girardi, P., & Amore, M. (2017). Clinical and neurocognitive characteristics associated with treatment-resistant depression. European Psychiatry, 41(Supl. 1), S542. https://doi.org/10.1016/j.eurpsy.2017.01.753

Schürmann, O., Frey, R., & Pleskac, T. J. (2019). Mapping risk perceptions in dynamic risk-taking environments. Journal of Behavioral Decision Making, 32(2), 94-105. https://doi.org/10.1002/bdm.2098

Silva, F. H. V. C., & Alchieri, J. C. (2010). Validade preditiva de instrumentos psicológicos usados na avaliação psicológica de condutores. Psicologia: Teoria e Pesquisa, 26(4), 695-706. http://www.scielo.br/pdf/ptp/v26n4/13.pdf

Steg, L., & Brussel, A. (2009). Accidents, aberrant behaviours, and speeding of young moped riders. Transportation Research Part F: Traffic Psychology and Behaviour, 12(6), 503-511. https://doi.org/10.1016/j.trf.2009.09.001

Tomita, T., Kudo, S., Sugawara, N., Fujii, A., Tsuruga, K., Sato, Y., Ishioka, M., Nakamura, K., & Yasui-Furukori, N. (2018). Timing of psychoeducation for patients with depression who were treated with antidepressants: when should patients receive psychoeducation. Neuropsychiatric Disease and Treatment, 14(1), 505-510. http://dx.doi.org/10.2147/NDT.S156797

Vasques, A. M., Portuguez, M. W., Radaelli, G., & Gomes, R. (2018). Avaliação cognitiva de condutores automotivos idosos: revisão integrativa. Psico, 49(1), 94-100. http://dx.doi.org/10.15448/19808623.2018.1.27446

Wilde. G. (2005). O limite aceitável de risco: uma nova Psicologia sobre segurança e saúde. Casa do Psicólogo.

Wilde, G. (2014). Target Risk 3: Risk Homeostasis in everyday life. PDE Publications. https://is.muni.cz/el/1423/ podzim2016/PSY540/um/64998189/64998284/targetrisk3_1.pdf

Wit, P. A. J. M., Souza, C. Z., & Cruz, R. M. (2016). Improving Accident Statistics and Expanding the Role of Traffic Psychologists in Brazil. Psicologia: Ciência e Profissão, 36(4), 816-830. http://dx.doi.org/10.1590/19823703002382016

World Health Organization. (2015). Relatório Global sobre o Estado da Segurança Viária. World Health Organization. http://www.who.int/violence_injury_prevention/road_safety_status/2015/Summary_GSRRS2015_POR.pdf?ua=1

World Health Organization (2017). Depression: let’s talk. World Health Organization http://www.who.int/mental_health/management/depression/en

Publicado
2021-07-15
Como Citar
de Jesus, R. C. M., Calais, S. L., & Cardoso, H. F. (2021). Sintomas depressivos em condutores e riscos no trânsito: É possível traçar paralelos?. Psico, 52(2), e36015. https://doi.org/10.15448/1980-8623.2021.2.36015
Seção
Artigos