Vivências de trabalho na informalidade: um estudo com feirantes de roupas na cidade de Fortaleza-CE

Palavras-chave: trabalho, informalidade, feira de roupas, subjetividade

Resumo

O objetivo deste artigo é descrever e analisar vivências de trabalho de feirantes de roupas que atuam na informalidade, em uma feira na cidade de Fortaleza-CE. Trata-se de uma pesquisa qualitativa que fez uso de observação direta e de entrevistas na coleta de dados, e da técnica de análise de conteúdo. Foram entrevistadas 17 feirantes que atuavam na comercialização de produtos e sem vínculo formal de emprego. Como resultados, identificou-se trajetórias laborais marcadas pela informalidade e precarização. As vivências de trabalho apresentam aspectos positivos, como a renda obtida, sensação de liberdade e flexibilidade de tempo, e negativos, como desconforto pelo período de funcionamento da feira e cansaço. Amizade, confiança e ajudas recíprocas compõem seu cotidiano, assim como a concorrência. Evidencia-se que as vivências relatadas são permeadas por ambivalências que, entretanto, não são suficientes para ensejar o desejo de mudança de ocupação.

Downloads

Não há dados estatísticos.

Biografia do Autor

Renata Guimarães de Carvalho, Universidade Federal do Ceará (UFC), Sobral, CE.

Doutora em Psicologia pela Universidade de Fortaleza (Unifor, Fortaleza, CE, Brasil), professora da Universidade Federal do Ceará (UFC) em Sobral, CE.

Regina Heloisa Maciel, Universidade de Fortaleza (Unifor), Fortaleza, CE.

Doutora em Psicologia pela Universidade de São Paulo (USP, São Paulo, SP, Brasil), professora da Universidade de Fortaleza (Unifor) em Fortaleza, CE.

Tereza Glaucia Rocha Matos, Universidade de Fortaleza (Unifor), Fortaleza, CE.

Doutora em Psicologia pela Universitat de Barcelona (UB, Barcelona, Espanha), professora da Universidade de Fortaleza (Unifor) em Fortaleza, CE.

Cássio Adriano Braz de Aquino, Universidade Federal do Ceará (UFC), Sobral, CE.

Doutor em Psicologia Social pela Universidad Complutense (UCM, Madrid, Espanha), professor da Universidade Federal do Ceará (UFC) em Fortaleza, CE.

Referências

Antunes, R. (2011). Os modos de ser da informalidade: rumo a uma nova era da precarização estrutural do trabalho? Serviço Social & Sociedade, 3(107), 405-419. https://dx.doi.org/10.1590/S0101-66282011000300002

Araújo, A. M. C., & Lombardi, M. R. (2013). Trabalho informal, gênero e raça no Brasil do início do século XXI. Cadernos de Pesquisa, 43(149), 452-477. https://dx.doi.org/10.1590/S0100-15742013000200005

Bardin, L. (2011). Análise de conteúdo. São Paulo: Edições 70.

Bernardino, D. C. A. M. & Andrade, M. (2015). O Trabalho Informal e as Repercussões para a Saúde do Trabalhador: Uma Revisão Integrativa. Revista de Enfermagem Referência, IV, n.° 7, 149-158. http://dx.doi.org/10.12707/RIV14049

Braga, N. L., Lima, D. M. A., & Maciel, R. H. (2015). Não tinha trabalho, mas tinha reciclagem: Sentidos do trabalho de catadores de materiais recicláveis. Temas em Psicologia, 23(4), 1051-1059. https://dx.doi.org/10.9788/TP2015.4-18

Brasil. Ministério da Saúde. Conselho Nacional de Saúde. Resolução nº 466, de 12 de dezembro de 2012. Diário Oficial da [da] República Federativa do Brasil, Brasília, DF, 3 de junho de 2013. Disponível: http://conselho.saude.gov.br/resolucoes/2012/Reso466.pdf

Brasil. Ministério da Saúde. Conselho Nacional de Saúde. Resolução nº 510, de 7 de abril de 2016. Diário Oficial Brasília, DF, 24 maio 2016. Disponível em: http://conselho.saude.gov.br/resolucoes/2016/Reso510.pdf

Carvalho, R. G., Oliveira, I. A., Maia, L. M., Maciel, R. H., & Matos, T. R. (2016). Situações de trabalho e relatos de dor entre feirantes de confecções. Revista Psicologia Organizações e Trabalho, 16(3), 274-284. https://dx.doi.org/10.17652/rpot/2016.3.735

Castel, R. (2005). A insegurança social: O que é ser protegido? Petrópolis, RJ: Vozes.

Cavalcante, I. (2017, 11 de maio). Prefeitura ocupará José Avelino para impedir que feira continue. O Povo online. Recuperado de: https://www.opovo.com.br/jornal/cotidiano/2017/05/prefeitura-ocupara-jose-avelino-para-impedir-que-feira-continue.html

Correia, G., Pereira, H., & Carrieri, A. (2018). “Ser um ambulante é necessidade que nós temos de trabalhar”. Cadernos De Psicologia Social Do Trabalho, 21(2), 165-180. https://doi.org/10.11606/issn.1981-0490.v21i2p165-180

Durães, B. (2014). O trabalho de rua no Brasil: O perfil da informalidade de rua em Salvador. In R. Antunes (Org.), Riqueza e miséria do trabalho no Brasil III (pp. 233-257). São Paulo: Editora Boitempo.

Filgueiras, L. A. M., Druck, G., & Amaral, M. F. (2004). O conceito de informalidade: Um exercício de aplicação empírica. Caderno CRH, 17(41), 211-229. Recuperado de: https://portalseer.ufba.br/index.php/crh/article/view/18490

Forum Económico Mundial (2017). La economia informal de América Latina supera por primera vez la de Africa Subsahariana. Recuperado de https://es.weforum.org/agenda/2017/05/la-economia-informal-de-africa-esta-retrocediendo-mas-rapido-que-la-economia-latinoamericana/

Galleazzi, I. (2006). Precarização do trabalho. In A. D. Cattani, & L. Holzmann (Orgs.), Dicionário de trabalho e tecnologia (pp. 203-207). Porto Alegre: Ed. da UFRGS.

Garcia, M. R. V., Segre, A., Baccaro, A. F., Silva, L. M., Costa, L., & Cândido, M. S. (2010). “Mulheres guerreiras”: Identidade feminina e profissional entre vendedores ambulantes da cidade de São Paulo. Cadernos de Psicologia Social do Trabalho, 13(1), 27-42. https://doi.org/10.11606/issn.1981-0490.v13i1p27-42

Gibbs, G. (2009). Análise de dados qualitativos. Porto Alegre, Artmed.

IBGE - Instituto Brasileiro de Geografia e Estatística (2018). Pesquisa Nacional por Amostra de Domicílios Contínua. Indicadores para população de 14 anos ou mais de idade. Recuperado de: ftp://ftp.ibge.gov.br/Trabalho_e_Rendimento/Pesquisa_Nacional_por_Amostra_de_Domicilios_continua/Mensal/Quadro_Sintetico/2018/pnadc_201806_quadroSintetico.pdf

Krein, J. D. & Proni, M. W. (2010). Economia informal: Aspectos conceituais e teóricos. Brasília, OIT – Escritório da OIT no Brasil. Recuperado de: http://www.oitbrasil.org.br/node/241

Lima, J. C. (2010). Participação, empreendedorismo e autogestão: Uma nova cultura do trabalho? Sociologias, 12(25), 158-198. https://dx.doi.org/10.1590/S1517-45222010000300007

Lima, J. C., & Conserva, M. S. (2006). Redes sociais e mercado de trabalho: Entre o formal e o informal. Política & Trabalho – Revista de Ciências Sociais, 24, 73-98. Recuperado de: http://www.periodicos.ufpb.br/ojs/index.php/politicaetrabalho/article/view/6602

Lima, J. C. & Soares, M. J. B. (2002). Trabalho flexível e o novo informal. Caderno CRH, 17(37), 163-180. Recuperado de https://portalseer.ufba.br/index.php/crh/article/view/18606

Lomnitz, L. A. (2009). Redes sociais, cultura e poder. Rio de Janeiro, E-papers.

Mauss, M. (2013). Ensaio sobre a dádiva: Forma e razão da troca nas sociedades arcaicas. São Paulo: Cosacnaify Portátil.

Pereira Morató, R. (2015). Max Paredes, el comercio popular y la apropiación del espacio público. Tinkazos, 18(38), 35-51. Recuperado de http://www.scielo.org.bo/scielo.phpscript=sci_arttext&pid=S199074512015000200003&lng=es&tlng=es

Ramírez, E. & Tunal, G. (2016). El trabajo informal de los vagoneros en el Metro de la Ciudad de México. Pensamiento Americano, 9(16), 78-109. Recuperado de: https://www.redib.org/recursos/Record/oai_articulo934374-trabajo-informal-vagoneros-metro-ciudad-mexico

Salazar-Xirinachs, J. M. & Chacaltana, J. (2018). Políticas de Formalización en América Latina: Avances y Desafíos. Lima: OIT, Oficina Regional para América Latina y el Caribe, FORLAC. 484 p.

Santos, D. R. & Mesquita, A. A. (2016). Avaliação das Condições de Trabalho e Sofrimento Psíquico em Camelôs. Revista Psicologia e Saúde, v. 8, n. 2, 29-42. http://dx.doi.org/10.20435/2177-093X-2016-v8-n2(03)

Santos, J. B. F., Maciel, R. H., & Sato, L. (2014). Trabalhadores informais e a formação de redes socioprodutivas (RSP): Considerações teórico-empíricas. Contemporânea, 4(2), 325-350. Recuperado de http://www.contemporanea.ufscar.br/index.php/contemporanea/article/view/251

Sasaki, M. A. & Menezes, I. V. (2012). Trabalhador informal e Previdência Social: o caso dos trabalhadores por conta própria de Brasília – DF. Política & Sociedade, 11(21), 173-197. http://dx.doi.org/10.5007/21757984.2012v11n21p173

Sato, L. (2012). Feira livre: Organização, trabalho e sociabilidade. São Paulo: Editora da Universidade de São Paulo.

Sato, L. (2013). Recuperando o tempo perdido: A psicologia e o trabalho não regulado. Cadernos de Psicologia Social do Trabalho, 16 [Special issue], 99-110. https://doi.org/10.11606/issn.1981-0490.v16ispe1p99-110

Sato, L., Coutinho, M. C., & Bernardo, M. H. (2017). A perspectiva da psicologia social do trabalho. In M. C.

Coutinho, M. H. Bernardo, & L. Sato (Orgs.), Psicologia social do trabalho (pp. 11-24). Petrópolis, RJ: Vozes.

Silverman, D. (2009). Interpretação de dados qualitativos: Métodos para análise de entrevistas, textos e interações. Porto Alegre: Artmed.

Souza, M. & Bustos, A. (2017). El comercio informal de calle en las comunas Santiago y Concepción. Revista Urbano, nº 35, 58 – 73. https://doi.org/10.22320/07183607.2017.20.35.05

Xavier, D., Falcão, J. T., & Torres, C. (2015). Caracterização da atividade laboral de trabalhadores informais em praia de Natal (RN) - Brasil. Cadernos de Psicologia Social do Trabalho, 18(1), 29-45.

https://doi.org/10.11606/issn.1981-0490.v18i1p29-45

Publicado
2020-02-12
Como Citar
Guimarães de Carvalho, R., Maciel, R. H., Rocha Matos, T. G., & Braz de Aquino, C. A. (2020). Vivências de trabalho na informalidade: um estudo com feirantes de roupas na cidade de Fortaleza-CE. Psico, 51(2), e33744. https://doi.org/10.15448/1980-8623.2020.2.33744
Seção
Artigos