Satisfação de vida, clima familiar e participação de crianças em atividades extracurriculares

Palavras-chave: Educação em tempo integral, programas após a escola, atividades extracurriculares, satisfação de vida, clima familiar

Resumo

Trata-se de um estudo que investigou relações entre as atividades extracurriculares, vinculadas ou não a programas de tempo integral, a satisfação de vida e o clima familiar dos estudantes. Participaram da investigação 97 discentes de uma escola pública. Os participantes responderam ao Inventário do Clima Familiar para Crianças (ICF-C), a Escala Multidimensional de Satisfação de Vida para Crianças (EMSVC) e uma Escala de Envolvimento em Atividades Extracurriculares (EEAE). Os resultados indicaram que os meninos se envolvem mais em atividades livres, enquanto que as meninas realizam mais atividades acadêmicas/responsáveis e se vinculam mais com a escola. As ações vinculadas ao programa de tempo integral garantem o direito à proteção social, bem como o acesso a atividades artísticas e recreativas, o que destaca a relevância do Estado investir em políticas públicas para a infância.

Downloads

Não há dados estatísticos.

Biografia do Autor

Neyfsom Carlos Fernandes Matias, Universidade Federal de São João del-Rei (UFSJ), São João del-Rei, MG, Brasil.

Doutor em Psicologia pela Universidade Federal de Minas Gerais (UFMG), em Belo Horizonte, MG, Brasil; professor do Programa de Pós-Graduação em Psicologia e do Departamento de Psicologia da Universidade Federal de São João del-Rei (UFSJ), em São João del-Rei, MG, Brasil.

Referências

Andrada, E. G. C. de., Rezena, B. D. S., Carvalho, G. B. de, & Benetti, I. C. (2008). Fatores de risco e proteção para a prontidão escolar. Psicologia: Ciência e Profissão, 28(3), 536-547. http://dx.doi.org/10.1590/S1414-98932008000300008.

Batista, C. B., & Andrade, V. S. F. de. (2010). Educação integrada e espaços de aprendizagens: diálogos entre escola e projeto social. Gerais: Revista Interinstitucional de Psicologia, 3(1), 2-11. (DOI INEXISTENTE)

Brandão, A. P., & Lordelo, L. da R. (2017). Significados de atividades extracurriculares para crianças bailarinas. Psicologia Escolar e Educacional, 21(3), 477-486. http://dx.doi.org/10.1590/2175-3539/2017/021311178

Brasil. Ministério da Educação. (2016). Portaria Nº 1.144, de 10 de outubro de 2016, que institui o Programa Novo Mais Educação, que visa a melhorar a aprendizagem em língua portuguesa e matemática no ensino fundamental. Brasília, DF: Diário Oficial da União.

Brasil. Ministério da Saúde. Conselho Nacional de Saúde. (2012). Resolução nº 466, de 12 de Dezembro de 2012. Brasília, DF: Diário Oficinal da União.

Brasil. (2007). Portaria Normativa Interministerial n° 17, de 24 de abril de 2007. Institui o Programa Mais Educação que visa fomentar a educação integral de crianças, adolescentes e jovens, por meio do apoio a atividades sócio-educativas no contraturno escolar. Brasília, DF: Diário Oficial da União.

Carvalho, M. P. de, Senkevics, A. S., & Loges, T. A. (2014). O sucesso escolar de meninas de camadas populares: qual o papel da socialização familiar? Educação e Pesquisa, 40(3), 717-734. http://dx.doi.org/10.1590/s1517-97022014091637

Carvalho, M. P. de., Loges, T. A., & Senkevics, A. S. (2016). Famílias de setores populares e escolarização: acompanhamento escolar e planos de futuro para filhos e filhas. Estudos Feministas, 24(1), 81-99. http://dx.doi.org/10.1590/1805-9584-2016v24n1p81

Castro, A. de., & Lopes, R. E. (2011). A escola de tempo integral: desafios e possibilidades. Ensaio: Avaliação de Políticas Públicas Educacionais, 19(71), 259-282. http://dx.doi.org/10.1590/S0104-40362011000300003

Cavaliere, A. M., Coelho, L. M., & Maurício, L. V. (2013). Implicações da Ampliação do Tempo Escolar nas Relações entre Família e Escola. In G. Romanelli, M. A. Nogueira, M, & N. Zago (Orgs.), Família & Escola: novas perspectivas de análise (pp. 257-277). Petrópolis, RJ: Vozes. (DOI INEXISTENTE)

Coelho, L. M. C. da C., & Maurício, L. V. (2016). Sobre o tempo e conhecimentos praticados na escola de tempo integral. Educação e Realidade, 41(04), 1095-1112. http://dx.doi.org/10.1590/2175-623660673

Coelho, L. M. C. da C. (2009). História(s) da educação integral. Em Aberto, 22(80), 83-96. (DOI INEXISTENTE)

D’Avila-Bacarji, K. M. G., Marturano, E. M., & Elias, L. C. dos S. (2005). Suporte parental: um estudo sobre crianças com queixas escolares. Psicologia em Estudo, 10(1), 107-115. (DOI INEXISTENTE)

Giacomoni, C. H., & Hutz, C. S. (2008). Escala multidimensional de satisfação de vida para crianças: estudos de construção e validação. Estudos de Psicologia, 25(1), 25-35. http://dx.doi.org/10.1590/S0103-166X2008000100003

Giacomoni, C. H., Souza, L. K. de, & Hutz, C. S. (2016). Você é feliz? Autopercepção da felicidade em crianças. Psicologia da Educação, 43, 13-22. https://dx.doi.org/10.5935/2175-3520.20160002

Gil, A. C. (2002). Como elaborar projetos de pesquisa. São Paulo, SP: Editora Atlas.

Gilman, R., Meyers, J., & Perez, L. (2004). Structured extracurricular activities among adolescents: findings and implications for school psychologists. Psychology in the School, 41(1), 31-41.

Lahire, B. (2004), Sucesso Escolar nos Meios Populares. As Razões do Improvável. São Paulo, SP: Editora Ática.

Matias, N. C. F. (2019). Elaboração de uma Escala de Envolvimento em Atividades Extracurriculares para Crianças. Ciências Psicológicas,13(2), 235-248. http://dx.doi.org/10.22235/cp.v13i2.1879

Matias, N. C. F. (2018). Relações entre Nível Socioeconômico, Atividades Extracurriculares e Alfabetização. Psico-USF, 23(3), 567-578. http://dx.doi.org/10.1590/1413-82712018230314

Matias, N. C. F., & Teodoro, M. L. M. (2018). Adaptação do inventário do clima familiar para crianças (ICF-C). Avaliação Psicológica, 17(1), 20-27. https://dx.doi.org/10.15689/ap.2017.1701.03.13059

Nascimento, C. R. R., & Trindade, Z. A (2010). Criando meninos e meninas: investigação com famílias de um bairro de classe popular. Arquivos Brasileiros de Psicologia, 62(2), 187-200. (DOI INEXISTENTE)

Oberle, E., Schonert-Reichl, K. A., & Zumbo, B. D. (2011). Life Satisfaction in Early Adolescence: personal, neighborhood, school, family, and peer influences. Journal Youth Adolescence, 40, 889-901. http://dx.doi.org/10.1007/s10964-010-9599-1

Osti, A. (2016). Contexto familiar e o desempenho de estudantes do 5º ano de uma escola no interior de São Paulo. Educação Temática Digital, 18(2), 369-383. http://dx.doi.org/10.20396/etd.v18i2.8637508

Pierce, K. M., Bolt, D. M., & Vandell, D. L. (2010). Specific features of after-school program quality: associations with children’s functioning in middle childhood. American Journal Community Psychology, 45, 381-393. http://dx.doi.org/10.1007/s10464-010-9304-2

Resende, T. de F., Canaan, M. G., Reis, L. da S., Oliveira, R. A. de., & Souza, T. C. S. de (2018). Dever de casa e relação com as famílias na escola de tempo integral. Educação e Realidade, 43(2), 435-456. http://dx.doi.org/10.1590/2175-623662458

Ribeiro, R., Ciasca, S. M., & Capelatto, I. V. (2016). Relação entre recursos familiares e desempenho escolar de alunos do 5º ano do ensino fundamental de escola pública. Revista Psicopedagogia, 33(101), 164-174. (DOI INEXISTENTE)

Santos, A. M., Neto, F. R., & Pimenta, R. A. (2013). Avaliação das habilidades motoras de crianças participantes de projetos sociais/esportivos. Motricidade, 9(2), 50-60. http://dx.doi.org/10.6063/motricidade.9(2).2667.

Schünemann, H. E. S., & Zukowski-Tavares, C. (2018). Estratégias das famílias populares de apoio à escolarização. Revista Eletrônica de Educação, 12(1), 169-183. http://dx.doi.org/10.14244/198271992095

Senkevics, A. S., & Carvalho, M. P. de. (2015). Casa, rua, escola: gênero e escolarização em setores populares urbanos. Cadernos de Pesquisa, 45(158), 944-968. http://dx.doi.org/10.1590/198053143364

Silva, J. A. de A. da., & Silva, K. N. P. (2014). Analisando a concepção de educação integral do governo Lula/Dilma através do programa Mais Educação. Educação em Revista, 30(01), 95-126. http://dx.doi.org/10.1590/S0102-46982014000100005

Silva, M. G. Q. da., & Ehrenberg, M. C. (2017). Atividades culturais e esportivas extracurriculares: influência sobre a vida do discente. Pro-posições, 18(1), 15-32. http://dx.doi.org/10.1590/1980-6248-2015-0055

Silva, S. D. B., Monteiro, E. F., Pontes, F. A. R. Magalhães, C. M. C., & Silva, S. S. da C. (2012). Brincadeiras de rua em Belém-PA: uma análise de gênero e idade. Psicologia: teoria e prática, 14(2), 28-42. (DOI INEXISTENTE)

Soares, A. J. G., Brandolin, F., & Amaral, D. P. do. (2017). Desafios e dificuldades na implementação do programa Mais Educação: percepção dos atores da escola. Educação e Realidade, 42(3), 1059-1079. http://dx.doi.org/10.1590/2175-623660490

Soares, T. M., Riani, J. de L. R. de, Nóbrega, M. C., & Silva, N. F. da. (2014). Escola de Tempo Integral: resultados do projeto na proficiência dos alunos do Ensino Fundamental das escolas públicas da rede estadual de Minas Gerais. Ensaio: Avaliação e Políticas Públicas em Educação, 22(82), 111-130. https://dx.doi.org/10.1590/S0104-40362014000100006

Vandell, D. L., Larson, R. W., Mahoney, J. L., & Watts, T. W. (2014). Children’s organized activities. In M. H. Bornstein, T. Leventhal, & R. M. Lerner. (Eds.), Handbook of child psychology and developmental science: ecological settings and processes in developmental systems, 7(4) (pp. 305-344). New York, NY: Wiley. (DOI INEXISTENTE)

Publicado
2020-12-31
Como Citar
Matias, N. C. F. (2020). Satisfação de vida, clima familiar e participação de crianças em atividades extracurriculares. Psico, 51(4), e33644. https://doi.org/10.15448/1980-8623.2020.4.33644
Seção
Artigo Original