Retrospectiva da experiência de gestação de mulheres com depressão pós-parto: estudo comparativo

Palavras-chave: Gestação, Maternidade, Depressão Pós-Parto

Resumo

A sobrecarga emocional própria das vivências do tornar-se mãe pode, freqüentemente, levar ao desenvolvimento da depressão pós-parto. Diante disto, este estudo buscou compreender, de forma retrospectiva, a experiência de gestação de mães com e sem depressão pós-parto. As participantes foram seis mães, com idades entre 28 e 38 anos. Três mães não apresentaram quaisquer transtornos de humor e três tiveram o diagnóstico de depressão pós-parto confirmado. A base para a análise qualitativa desse estudo foi uma entrevista sobre a gestação e o parto.  Os resultados indicaram que a experiência de maternidade tem relação estreita com a forma como as mães lidaram com a necessidade de adaptação frente à maternidade, bem como com o desejo e o planejamento – ou não – da gestação. Os achados apóiam a sugestão da literatura que indica a presença de relatos negativos sobre a experiência de maternidade por mães deprimidas, inclusive sobre a gestação.

Downloads

Não há dados estatísticos.

Biografia do Autor

Monique Souza Schwochow, Universidade Federal do Rio Grande do Sul (UFRGS), Porto Alegre, RS.

Doutoranda e Mestra em Psicologia pela Universidade Federal do Rio Grande do Sul (UFRGS), Porto Alegre, RS.

Giana Bitencourt Frizzo, Universidade Federal do Rio Grande do Sul (UFRGS), Porto Alegre, RS.

Doutora em Psicologia pela Universidade Federal do Rio Grande do Sul (UFRGS, Porto Alegre, RS, Brasil).
Professora da Universidade Federal do Rio Grande do Sul em Porto Alegre, RS.

Referências

Abassi, S., Chuang, C. H., Dagher, R., Zhu, J., & Kjerulff., K. (2013). Unintended Pregnancy and Postpartum Depression Among First-Time Mothers. Journal of Women’s Health, 22(5), 412-416. doi: 10.1089/jwh.2012.3926

Aliane, P. P., Mamede, M. V., & Furtado, E. F. (2011). Revisão Sistemática sobre Fatores de Risco Associados à Depressão Pós-parto. Psicologia em Pesquisa, 5(2), 146-155. Retrieved from http://pepsic.bvsalud.org/scielo.php?script=sci_arttext&pid=S1982-12472011000200007 (DOI INEXISTENTE)

Alvarenga, P., & Frizzo, G. B. (2017). Stressful Life Events and Women's Mental Health During Pregnancy and Postpartum Period. Paidéia, 27(66), 51-59. doi: 10.1590/1982-43272766201707

American Psychological Association. (1994). Manual diagnóstico e estatístico de transtornos mentais (4a ed.). Porto Alegre, RS: Artmed.

American Psychological Association. (2013). Manual diagnóstico e estatístico de transtornos mentais (5a ed.; M. I. C. Nascimento et al., Trads.). Porto Alegre, RS: Artmed.

Amorin, P. (2000). Mini International Neuropsychiatric Interview (MINI): validação de entrevista breve para diagnóstico de transtornos mentais. Revista Brasileira de Psiquiatria, 22(3), 106-115. doi: 10.1590/S1516-44462000000300003

Arrais, A. R., Mourão M. A., & Fragalle, B. (2014). O pré-natal psicológico como programa de prevenção à depressão pós-parto. Saúde e Sociedade, 23(1), 251­264. doi: 10.1590/S0104­12902014000100020

Brockington, I., Butterworth, R., & Glangeaud-Freudenthal, N. (2016). An international position paper on mother-infant (perinatal) mental health, with guidelines for clinical practice. Archives on Women´s Mental Health, 20, 113–120. doi: 10.1007/s00737-016-0684-7

Campos, B. C. D., & Rodrigues, O. M. P. R. (2015). Depressão pós-parto materna: crenças, práticas de cuidado e estimulação de bebês no primeiro ano de vida. Psico, 46(4), 483-492. doi: 10.15448/1980-8623.2015.4.20802

Cantilino, A., Zambaldi, C. F., Sougey, E. B., & & Rennó Jr., J. (2010). Transtornos psiquiátricos no pós-parto. Revista de Psiquiatria Clínica, 37(6), 278-284. doi: 10.1590/S0101-60832010000600006

Eastwood, J. G., Jalaludin, B. B., Kemp, L. A., Phung, H. N., & Barnett, B. E.W. (2012). Relationship of postnatal depressive symptoms to infant temperament, maternal expectations, social support and other potential risk factors: findings from a large Australian cross-sectional study. BioMed Central Pregnancy and Childbirth 12(148), 1-11. doi: 10.1186/1471-2393-12-148

Field, T. (2017). Prenatal depression risk factors, developmental effects and interventions: a review. Journal of pregnancy and child health, 4(1), 1-25. doi: 10.4172/2376-127X.1000301

[referência retirada para não identificar autores] (2012). Depressão pós-parto: prevalência, antecedentes e intervenção. Projeto de pesquisa não publicado. Instituto de Psicologia, Universidade Federal do Rio Grande do Sul. Porto Alegre, Brasil.

Frizzo, G. B., Prado, L. C, Linares, J. L, & Piccinini, C. A. (2010). Depressão pós-parto: evidências a partir de dois casos clínicos. Psicologia Reflexão & Crítica, 23(1), 46-55. doi: 10.1590/S0102-79722010000100007

Gazal, M., Motta, L. S., Wiener, C. D., Fernandes, J. C., Quevedo, L. Á., Jansen, K., & Oses, J. P. (2012). Brain-derived neurotrophic factor in post-partum depressive mothers. Neurochemical research, 37(3), 583-587. doi: 10.1007/s11064-011-0647-3

Haran, C., Van Driel, M., Mitchell, B. L., & Brodribb, W. E. (2014). Clinical guidelines for postpartum women and infants in primary care–a systematic review. BioMed Central Pregnancy and Childbirth, 14(1), 51. doi: 10.1186/1471-2393-14-51

Henriques, C. M. G., Santos, M. L. F. C. D., Caceiro, E. M. D. S. F., & Ramalho, S. I. H. S. M. (2015). Determinantes na transição para a parentalidade. Revista Portuguesa de Enfermagem de Saúde Mental, 2, 63-68. Retrieved from http://www.scielo.mec.pt/pdf/rpesm/nspe2/nspe2a11.pdf (DOI INEXISTENTE)

Howard, L. M., Molyneaux, E., Dennis, C. L., Rochat, T., Stein, A., & Milgrom, J. (2014). Non-psychotic mental disorders in the perinatal period. Lancet, 384, 1775-1788. doi: 10.1016/S0140-6736(14)61276-9

Lancaster, C. A., Gold, K. J., Flynn, H. A., Yoo, H., Marcus, S. M., & Davis, M. M. (2010). Risk factors for depressive symptoms during pregnancy: a systematic review. American Journal of Obstetrics & Gynecology, 202(1), 5-14. doi: 10.1016/j.ajog.2009.09.007

Maldonado, M. T. (2002). Psicologia da Gravidez: Parto e Puerpério (16a ed.). São Paulo, SP: Saraiva.

Megnin-Viggars, O., Symington, I., Howard, L. M., & Pilling, S. (2015). Experience of care for mental health problems in the antenatal or postnatal period for women in the UK: a systematic review and meta-synthesis of qualitative research. Archives of women's mental health, 18(6), 745-759. doi: 10.1007/s00737-015-0548-6

Milgrom, J., & Gemmill, A. W. (2014). Screening for perinatal depression. Best Practice & Research Clinical Obstetrics & Gynaecology, 28(1), 13-23. doi: 10.1016/j.bpobgyn.2013.08.014

Moraes, I. G. M, Pinheiro, R. T., Silva, R. A., Horta, B. L., Souza, P. L. S., & Faria, A. D. (2006). Prevalência da depressão pós-parto e fatores associados. Revista de Saúde Pública, 40(1), 65-70. doi: 10.1590/S0034-89102006000100011

Nonacs, R., & Cohen, L. S. (2005). Postpartum psychiatric syndromes. In B. J. Sadock & Sadock (Eds.), Kaplan & Sadock’s comprehensive textbook of psychiatry (8th ed.) (pp. 1276-1283). Philadelphia, PA: Lippincott Williams & Wilkins.

NUDIF. (2003). Entrevista sobre Gestação e Parto. Instituto de Psicologia, UFRGS, Porto Alegre. Instrumento não publicado.

Piccinini, C. A., Carvalho, F. T., Ourique, L. R., & Lopes, R. C. S. (2012). Percepções e sentimentos de gestantes sobre o pré-natal. Psicologia: Teoria e Pesquisa, 28(1), 27-33. doi: 10.1590/S0102-37722012000100004

Piccinini, C. A., Levandowski, D. C., Gomes, A. G., Lindermeyer, D., & Lopes, R. C. S. (2009). Expectativas e sentimentos de pais em relação ao bebê durante a gestação. Estudos de Psicologia, 26(3), 373-382. doi: 10.1590/S0 103-166X2009000300010

Piccinini, C. A., Gomes, A. G., Moreira, L. E., & Lopes, R. C. S. (2004). Expectativas e sentimentos da gestante em relação a seu bebê. Psicologia: Teoria e Pesquisa, 20(3), 223-232. doi: 10.1590/S0102-37722004000300003

Robertson, E., Grace, S., Wallington, T., & Stewart, D. E. (2004). Antenatal risk factors for postpartum depression: a synthesis of recent literature. General hospital psychiatry, 26(4), 289-295. doi: 10.1016/j.genhosppsych.2004.02.006

Santos, I. S., Matijasevich, A., Tavares, B. F., Barros, A. J., Botelho, I. P., & Lapolli, C. (2007). Validation of the Edinburgh Postnatal Depression Scale (EPDS) in a sample of mothers from the 2004 Pelotas Birth Cohort Study. Cadernos de Saúde Pública, 23(11), 2577-2588. doi: 10.1590/S0102-311X2007001100005

Sheehan, D. V., Lecrubier, Y., Sheehan, K. H., Amorim, P., Janavs, J., Weiller, E., … & Dunbar, G. C. (1998). The Mini Internacional Neuropsychiatric Interview (MINI): the development and validation of a structured diagnostic psychiatric interview for DSM-IV and CID- 10. Journal of Clinical Psychiatric, 59(20), 22-33. doi: 10.1590/S1516-44462000000300003

Sousa, D. D., Prado, L. C., & Piccinini, C. A. (2011). Representações acerca da maternidade no contexto da depressão pós-parto. Psicologia Reflexão e Crítica, 24(2), 335-343. doi: 10.1590/S0102-79722011000200015

Wisner, K. L., Sit, D. K., McShea, M. C., Rizzo, D. M., Zoretich, R. A., Hughes, C. L., … & Hanusa, B. H. (2013). Onset timing, thoughts of self-harm, and diagnoses in postpartum women with screen-positive depression findings. JAMA psychiatry, 70(5), 490-498. doi: 10.1001/jamapsychiatry.2013.87

Yin, R. K. (2015). Estudo de caso: planejamento e métodos (5a ed.; C. M. Herrera, Trads.). Porto Alegre, RS: Bookman.

Publicado
2020-02-12
Como Citar
Schwochow, M. S., & Frizzo, G. B. (2020). Retrospectiva da experiência de gestação de mulheres com depressão pós-parto: estudo comparativo. Psico, 51(2), e31889. https://doi.org/10.15448/1980-8623.2020.2.31889
Seção
Artigos